Não force seus filhos a abraçar e beijar parentes durante as férias, diz o pediatra

Resiliência Humana

Não force seus filhos a abraçar e beijar parentes durante as férias, diz o pediatra

Por Robin Young

Ao se reunir para o feriado, os pediatras do desenvolvimento pedem aos pais que reconsiderem a prática milenar de forçar as crianças a abraçar ou beijar membros da família.

Os pediatras do desenvolvimento estão dizendo aos pais para reconsiderarem a prática milenar de forçar as crianças a abraçar ou beijar membros da família ao se reunirem nos feriados. Eles dizem que isso tira a autonomia da criança sobre seu próprio corpo e envia uma mensagem de que não há problema em os outros exigirem carinho.

As especialistas publicaram um artigo com conselhos para os pais sobre o assunto, intitulado: “Lembrete: ela não deve um abraço a ninguém. Nem mesmo nos feriados”.

Dr. Jack Levine, um membro do comitê executivo em pediatria desenvolvimento e comportamento da Academia Americana de Pediatria, diz que os pais devem simplesmente mostrar respeito ou amor por uma pessoa idosa e só esse fato de elas verem os pais fazendo pode realmente ter um impacto duradouro sobre uma criança.

“Eles acabam acreditando que as forças externas são mais importantes que seus próprios sentimentos e isso reverte no modo como passam a entender que estar beijando, abraçando deve ser algo forçado, e mais tarde na vida, refletirá na escolha de com quem deveriam ter intimidade”, disse Levine ( @doctoj ) ao Here & Now’. s Robin Young.

Também existem outras maneiras de as crianças interagirem com membros adultos da família e amigos.

“Eles podem tirar os casacos quando entram, podem fazer desenhos para eles”, diz Levine. “Eles podem fazer cartões de lugar – fazer várias outras coisas, em vez de coisas com as quais se sentem desconfortáveis”.

Por que “afeto forçado” é problemático

“Se você forçar as crianças a abraçar ou beijar alguém que elas talvez não conheçam muito bem, elas não terão voz na decisão sobre quem mostrar seu afeto. E então começarão a sentir que é esperado deles mostrar esse afeto a alguém que está pedindo e que seus sentimentos e pensamentos não importam realmente, o que não é uma experiência muito positiva para eles “.

“Se você força as crianças a abraçar ou beijar alguém que elas talvez não conheçam muito bem, então elas não terão voz na decisão de para quem devem mostrar sua afeição”. Dr. Jack Levine.

Sobre como os pais devem abordar esse tópico com seus filhos

“As pessoas precisam entender que as crianças têm diferenças individuais, assim como os adultos, e que algumas crianças têm um temperamento em que é um pouco mais lento para se apegarem com as pessoas.

Outras crianças podem ter habilidades sócio-emocionais nas quais demoram mais tempo para que eles gostem de conversar com as pessoas, ou demonstrem capacidade de fazer amigos, cada uma revela um tempo diferente, e até mesmo as habilidades linguísticas podem ser diferentes.

Algumas crianças não se sentem tão à vontade em conversar. E está tudo bem … as crianças precisam progredir à sua própria velocidade, e precisam do apoio e do amor de seus cuidadores para alimentá-las ao longo do caminho e conduzi-las para que, quando estiverem prontas para fazer essas coisas, possam fazê-las e se sentir bem com isso”.

“Algumas crianças não gostam de olhar as pessoas nos olhos. Algumas crianças são um pouco mais ansiosas socialmente do que outras. Mas há muitas outras maneiras pelas quais as crianças podem mostrar respeito por seus parentes … Então eu acho importante para que os pais discutam com o filho, preparem-no, até encenem com ele, talvez, e depois deem à criança uma opinião e alguns avisos e dê-lhes a oportunidade de expressar seus próprios sentimentos sobre como eles querem demonstrar respeito por seus parentes . ”

“Pode ser esmagador para uma criança, de repente, ter uma sala cheia de pessoas que querem abraçá-las.

Forçá-los a fazer as coisas piora a situação. Acredito que a maioria das crianças se desenvolverá as habilidades sociais que são apropriadas para eles e para a família, no convívio com os parentes. É muito importante os pais apoiarem seu filho em suas decisões e sentimentos sobre si mesmos e seus corpos, e como eles se relacionam com outras pessoas”.

Ao caracterizar o comportamento de uma criança, dizendo que ela é “apenas tímida” ou usando algum tipo de rótulo

“Normalmente, o rótulo é percebido de maneira negativa. Isso remonta a toda a ideia de diferenças individuais, de que algumas crianças podem não ser tão extrovertidas.

Um dos desafios dos cuidadores e pais é que a capacidade social e o temperamento de seus filhos podem ser um pouco diferente da deles, então você pode ser uma pessoa muito extrovertida e sempre tão feliz em ver seus parentes, abraçá-los e beijá-los, e seu filho pode ser um pouco mais inibido e um pouco mais cauteloso, e você pode interpretar isso como algo negativo, e não apenas como a criança sendo ela mesma.

Precisamos entender muito que não se trata de rotular – trata-se de aceitar as crianças por como elas são e incentivá-las a serem capazes de tomar boas decisões”.

*Via Wbur. Tradução e adaptação REDAÇÃO Resiliência Humana.

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS







COMENTÁRIOS




Resiliência Humana
Bem-estar, Autoconhecimento e Terapia