Não é o passado que nos afeta, mas o que esse passado diz sobre nós

Resiliência Humana

Como o passado nos afeta:
“É impossível que o passado nos aflija. O passado está congelado. Todas as nossas ansiedades estão no presente”, escreveu o filósofo Igor Sibaldi, mudando assim o foco de atenção do passado para o presente, do imóvel para o que podemos mudar.

Não há dúvida de que o passado pode se tornar um fardo pesado que nos impede de avançar ou nos mantém paralisados ​​em um ponto do nosso caminho marcado por sentimentos como culpa, tristeza e / ou ressentimento.

Nós não podemos voltar ao passado para mudar isso. O feito, feito está.

No entanto, o que realmente nos incomoda e nos liga – embora muitas vezes tenhamos dificuldade em reconhecê-lo – não é o passado em si, mas o que esse passado nos diz… isso é o que o passado traz para o presente.

Nosso cérebro está “ancorado” ao passado

O único passado que nos liga é aquele que não podemos aceitar.

Um estudo realizado na Universidade de Harvard provou que, quando vivemos uma situação muito estressante, essas experiências permanecem gravadas no cérebro.

Esses neurocientistas perguntaram às pessoas que sofreram traumas psicológicos, para ouvirem uma descrição do que lhes acontecera e, nesse meio tempo, para escanear seus cérebros.

Eles descobriram que, quando as pessoas reviviam o passado, algumas partes do cérebro se ativavam, especialmente a amígdala, o núcleo do medo e o córtex visual. No entanto, eles também descobriram que a área de Broca, a área responsável pela língua, foi desativada.

Isto significa que quando vivemos uma situação muito intensa a partir do ponto de vista emocional e olhar para o passado, revivido como se fosse real, nós experimentamos novamente as mesmas emoções com a mesma intensidade, porque não poderia aceitá-lo e transformá-lo em uma experiência narrativa.

Transformar o passado em uma experiência narrativa significa que atribuímos um significado a ele e o incorporamos em nossa história de vida. Isso nos permite avançar. No entanto, muitas vezes estamos presos nesse passado porque não podemos integrar em nosso “eu” o que essa experiência nos diz.

Quando não queremos aceitar partes de nós

A dissonância cognitiva implica um conflito em nosso sistema de ideias e crenças, uma incompatibilidade entre duas cognições simultâneas. É uma incoerência interna entre a imagem que temos de nós e a nova imagem que uma experiência trouxe.

Quando uma situação no passado envolve uma mudança na maneira como nos vemos, é mais difícil de aceitar. Se violamos nossas próprias normas, valores e crenças, achamos muito difícil assumir a divisão que foi gerada no “eu” ideal que havíamos construído.

Em 1980, Weinstein, um psicólogo da Universidade de Nova Jersey, descobriu que muitas vezes nos vemos de uma forma muito positiva, tão positiva que rompe com as probabilidades a ponto de nos fazer nutrir expectativas irrealistas sobre nós mesmos.

Em seus estudos apreciados, por exemplo, que as pessoas acreditavam que eles eram menos propensos a desenvolver um vício do que outros e, ao mesmo tempo, eles eram mais propensos a chegar à velhice em boa saúde em comparação com resto de seus contemporâneos.

Isso significa que podemos nos ver em uma luz excessivamente otimista, o que nos impede de aceitar nossas sombras. Talvez esse passado nos force a aceitar que não somos tão sinceros, empáticos, altruístas e / ou fortes quanto pensamos.

Quando uma situação traz as sombras, é difícil de aceitar, porque implica uma mudança na imagem do “eu”, o que significa repensar quem realmente somos e entender que não somos perfeitos ou tão bom como pensávamos.

Aceitar nossas sombras não é fácil, mas é a única maneira de realmente nos conhecermos. É uma jornada interior que todos devemos empreender e que nos permitirá libertar-nos do peso do nosso passado, aceitando os nossos erros, fraquezas e inconsistências.

Fontes:

Rauch, SL et. Al. (1996) Um estudo de provocação de sintomas de transtorno de estresse pós-traumático usando tomografia por emissão de pósitrons e imagens guiadas por script. Arch Gen Psychiatry ; 53 (5): 380-387.

Weinstein, ND (1987) Otimismo irrealista sobre suscetibilidade a problemas de saúde: Conclusões de uma amostra de toda a comunidade. Jornal de Medicina Comportamental ; 10: 481-500.

Weinstein, ND (1980) otimismo irrealista sobre eventos futuros da vida. Jornal de Personalidade e Psicologia Social ; 39: 806-820.

**Tradução e adaptação REDAÇÃO RESILIÊNCIA HUMANA. Com informações de Rincon Psicologia

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS







COMENTÁRIOS




Resiliência Humana
Bem-estar, Autoconhecimento e Terapia