Não cobre do outro aquilo que deve ser espontâneo

Larissa Dias
nao-cobre-do-outro-aquilo-que-deve-ser-espontaneo

Não cobre do outro aquilo que deve ser espontâneo.

Dizem que a luta em prol da conquista, é motivação para continuar tentando.

Vale a pena o gasto de energia, quando duas pessoas lutam por um objetivo em comum. Mas, a partir do momento em que apenas uma pessoa luta em nome do funcionamento de algo, pode resultar em uma grande ilusão amorosa.

Todo relacionamento é movido por duas pessoas que querem a mesma coisa.

Se dentro do relacionamento, apenas um dos envolvidos se doa, a relação tende a ter um término prematuro.

Na fase de conhecimento é a mesma coisa.

Gostar de alguém não é o suficiente para continuar tentando algo com ela.

É preciso que haja o mesmo sentimento em ambas as partes para que o objetivo seja alcançado, e ambos os envolvidos sintam-se bem.

Não é nada romântico passar horas e horas criando planos para conquistar alguém que não deseja ser conquistado.

Não é nada romântico implorar pela atenção de alguém que poderia te reservar um tempinho por livre e espontânea vontade.

E não é nada romântico passar a madrugada toda chorando por alguém que está dormindo tranquilamente enquanto você permanece acordado (a).

Aprenda que a reciprocidade brota no coração de quem tem boa vontade.

Se a pessoa sentir o mesmo que você, ela encontrará motivação para lutar por você da mesma forma que você luta por ela.

Simples assim. O amor precisa ser espontâneo.

As pessoas transmitem sinais e a gente precisa aprender a interpretar suas ações.

Não espere reciprocidade de alguém que não tem nada para te oferecer.

Viva um sentimento recíproco, onde não seja necessário implorar por isso.

*Foto de Ryan Jacobson no Unsplash

VOCÊ JÁ VISITOU O INSTAGRAM E O FACEBOOK DO RESILIÊNCIA HUMANA?

SE TORNE CADA DIA MAIS RESILIENTE E DESENVOLVA A CAPACIDADE DE SOBREPOR-SE POSITIVAMENTE FRENTE AS ADVERSIDADES DA VIDA.

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS






COMENTÁRIOS




Larissa Dias
Estudante de jornalismo, radialista por amor, escritora nas horas vagas. Adora das boas risadas, costuma passar os domingos de pijama assistindo filmes e séries. Apesar de não curtir baladas, é incapaz de recusar uma rodinha de violão, e para pra cantar junto. Mesmo desafinada, garante que é simplicidade em pessoa.