Na hora que o coração aprende a não carregar o que não precisa, ele para de chorar o que já foi.

Sil Guidorizzi

Estou vivendo sem querer agradar, amando quem preciso amar, correspondendo ao que recebo em meu coração com carinho e atenção.

Estou no auge da maturidade, me importando menos, me mostrando pra mim, provando do gosto do amor-próprio sem culpa.

Não me vejo em um deserto, não me vejo em meio a solidão. Estou vivendo da forma que me sinto bem.

Na hora que o coração aprende a não carregar o que não precisa, ele para de chorar o que já foi.

E quem foi, foi sabendo o que deixou, foi sabendo o que também encontrou.

Na minha memória fotográfica vejo cenas que marcaram minha vida, vejo coisas que eu já não sei mais sentir ou dizer.

Estou vivendo de pleno acordo com o tempo, com o que Deus tem enviando até mim.

A alma está mais em paz, as ruas estão menos cheias de coisas que não quero ver.

Talvez porque o meu coração tenha mudado o foco, tenha mudado o ângulo.

O que me atrai hoje é diferente do que me atraiu ontem.

A energia mudou, a visão do que desejo também.

Deixei pra lá, deixei pra trás, deixei pra quem quiser ficar.

Hoje eu entendo a vida que tenho e agradeço pelas coisas que aprendi, e em mim revelei serem mais importantes do que as coisas a que me sujeitei.

Não sou melhor do que ninguém. Mas minha compreensão diante de tudo me fez romper laços e me unir ao que eleva o meu coração e que me mantém exatamente no caminho do que cultivo.

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS







COMENTÁRIOS




Sil Guidorizzi
Sou Paulista, descendente de Italianos. Libriana. Escritora. Cantora. Debruço-me sobre as palavras. Elas causam um efeito devastador em mim. Trazem-me â tona. Fazem-me enxergar a vida por outro prisma. Meu primeiro Livro foi lançado em Fevereiro de 2016. Amor Essência e Seus Encontros pela Editora Penalux. O prefácio foi escrito pelo Poeta e Jornalista Fernando Coelho. A orelha escrita pelo Poeta e jornalista Ivan de Almeida. O básico do viver está no simples que habita em mim.