Na era da superficialidade, é fácil dizer que quem tem sucesso, teve sorte!

Idelma da Costa
na-era-da-superficialidade-e-facil-dizer-que-quem-tem-sucesso-teve-sorte

Nem tudo que parece bom é realmente bom. É estranho, não é? Vocês acham que o sucesso pode ser trágico? O sucesso aparentemente pode ser uma coisa boa, mas infelizmente pode trazer a inveja junto e isso pode fazer a vida desandar do nada e totalmente.

Não significa que uma pessoa bem-sucedida não soube lidar com seu sucesso. Este na verdade, apenas foi o resultado de muito esforço e dedicação.

Não veio de graça e do nada. Foi um processo lento e gradativo e levou-se anos ou uma vida inteira para chegar na linha de chegada.

O sucesso para quem o vive, vem aos poucos e bem devagar, que a própria pessoa nem percebe que está nesse estágio de plenitude, por ser de uma raridade única, uma dádiva de reconhecimento de todo seu empenho, e o que mais se quer é curtir esse momento de descanso de todas as lutas e sacrifícios e mais nada.

O significado de sucesso na vida, seria ter realização profissional, relacionamentos, estabilidade financeira, saúde, etc. Enfim, tudo o que faz parte de uma vida de abundância.

O sucesso não vem de graça. Ele é proporcional as lutas e aos desafios. Quanto maior o sacrifício, maior será o sucesso e maior será a inveja causada.

Sucesso nada mais é do que o resultado de muitos fracassos, inúmeras perdas e várias tentativas malsucedidas. Se engana quem pensa que foi sorte.

Sucesso tem a ver com Resiliência.

Só conseguirá aquele que persistir até conseguir. Não tem nada a ver com dinheiro e muito menos com grandeza.

Chegar ao ápice de vivenciar tudo de bom e do melhor ao mesmo tempo é raro, chegando a ser surreal.

Se notarmos, não conhecemos muita gente que teve sucesso durante uma vida inteira. Isso, faz com que olhemos para o sucesso como algo efêmero.

Para quem chega a conseguir, fica a desconfiança e alguns chegam a dizer para si mesmo: “É bom demais para ser verdade”.

Parece até que estão dentro de um sonho, onde não se deseja mais acordar. E assim não se entregam totalmente, por se tratar apenas uma fase apenas.

O que mais se escuta de forma generalizada, é que tudo que é bom engorda, dura pouco e alguns mais ousados, arriscam a acrescer, o termo imoral.

Para aqueles que tem o sucesso, em dado momento, é algo indiferente, mas para quem vê do lado de fora é motivo de sobra para olhar em cima com antipatia e marcação cerrada, principalmente quando é incapaz de atingir naquele dado instante.

Ninguém atira pedras numa árvore franzina e seca. Assim sendo, todo mundo passa por ela, sem a perceber.

Uma árvore frondosa e com muitos frutos, chama atenção de todos. Todos querem atirar pedras para colher seus frutos ou simplesmente desfrutar de sua sombra.

A questão é, uma árvore não dá frutos e nem sombra o tempo todo e muito menos do dia para a noite. É um processo, desde o cultivo da semente até a morte. No caso do ser humano acontece bem assim.

Uma pessoa que tem apenas o necessário para a subsistência e sobrevivência vive uma vida mais tranquila. Sua vida não é capaz de provocar incômodos em ninguém.

Ao contrário, daquela capaz de multiplicar seus dons. Esta sente na pele o impacto daqueles que vivem por conta de observá-la para prejudicá-la.

Uma pessoa pode ter problemas diversos, quando quem tem inveja tenta lhe fazer mal.

A Bíblia dá alguns exemplos de pessoas prejudicadas por causa da inveja, um deles, foi com relação à Jesus.

Judas e os fariseus o entregaram à autoridade – Mateus 27:18.

Os problemas trazidos pela inveja podem ser vários: mortes, guerras, agressões (físicas ou psicológicas), condenações, fins de relacionamentos, perdas de empregos, perdas da saúde, perdas de amizades, fofocas, intrigas, picuinhas…

Para o invejoso não interessa analisar a trajetória árdua que levou o invejado à linha de chegada de qualquer objetivo.

O desafio não está em saber lidar com o sucesso por quem está sendo bem-sucedido, mas sim com o mal advindo da inveja, que traz consequências indesejáveis e injustas.

E o que mais se tem visto, na Era da Superficialidade, é o imaginário aflorado das pessoas em se interessar e julgar apenas pela capa.

Com isso o que se tem visto são pessoas cada vez mais se sentindo perdidas, pelo fato de sua essência ter se tornado invisível.

Não é um problema de agora, pois a inveja sempre existiu, porém com o uso das redes sociais mostrando em tempo real tudo de bom e os melhores momentos, acaba sendo fonte de propagação da inveja e com isso os problemas acabam vindo junto.

Geralmente, o que é postado nas redes sociais é a linha de chegada do objetivo e não sua trajetória de muitas dores, sofrimentos, obstáculos, derrotas e perdas.

Para quem acompanha de perto cada passo percorrido fica claro perceber e diferenciar. Fica nítido! Não tem o que explicar. A curtida e o parabenizar vem como reflexo do reconhecimento da luta e do mérito.

Para os demais, que tem apenas a visão limitada do sucesso, pelo contrário, ou seja, a vitória passará a servir de munição para carregar sua arma do ódio, o que o fará procurar as falhas que servirá de alvo para apontar para exterminar, tamanho o incomoda causado pelo sucesso do outro.

Apesar das redes sociais terem o lado bom, é necessária cautela. Não digo de privar a liberdade de quem posta. Cada pessoa posta o que bem quiser. Digo, no sentido de tentar mudar a cultura, no sentido de conscientização daquilo que é visto, que nem sempre retrata fielmente a realidade da trajetória de uma vida inteira.

Alguns segundos de sorrisos para uma bela self podem esconder anos e anos de lágrimas.

Uma bela foto de formatura, de uma festa de casamento, de celebrações e de vitórias não tem o poder de contar toda a história, nos mínimos detalhes.

Uma única ocasião bem-sucedida tem o poder de representar apenas um final feliz e nada mais. Não se justificando o poder de instigar a fúria da inveja, que trará perseguição real e destruição, e dessa forma sendo a causa de várias consequências insanas.

Ninguém se perde no emaranhado de ideias sozinho. Há sempre o disparo do gatilho das memórias de mágoas e dores sofridos outrora.

O invejoso será capaz de investigar a fundo para fazer vir à tona todos os ressentimentos já esquecidos, porém não superados. Seria como cavar para chegar até a ferida mais profunda para trazê-la de volta e com mais força ainda, ao fazer questão de remexe-la, fazendo-a abrir ainda mais.

Daí podemos concluir que o sucesso não é capaz de fazer mal, por si só, e sim a inveja, capaz de atrapalhar e tumultuar a vida alheia.

O tempo do sucesso, nada mais é que o tempo necessário para repor as energias de um período longo extremamente difícil e para que ficar tentando desgraçar a vida de alguém bem-sucedido que fez por merecer os presentes da trégua do martírio, da paz e das recompensas?

Para que sentir inveja alheia a ponto de virar de ponta cabeça a vida de um ser humano de carne e osso?

Toda pessoa de sucesso, acima de tudo é dotada de sentimentos. E apesar de estar rodeada de tudo de bom e do melhor, a mesma poderá estar num momento de extrema sensibilidade e vulnerabilidade em virtude de todo o seu historio de batalhas.

É o que alguns nomeiam de criança ferida, de traumas que podem ser de qualquer momento da vida, inclusive recente.

A vida passa tão rápido e sua sobrecarga pode não dar o tempo necessário para a cicatrização das feridas outrora.

O que tem faltado no mundo dentre várias coisas e principalmente é o respeito ao histórico de uma vida inteira.

Se chegou a vez do sucesso na vida de alguém não foi por acaso.

Respeitar a vez do outro é essencial para que o mesmo curta da plenitude da vida e descanse dos atropelos inerentes à vida, para adquirir fôlego para enfrentar mais desafios pela frente, pois sua vida ainda não acabou.

Para quê tumultuar a vida do outro com uma inveja sem uma razão de ser?
Se sua hora para o sucesso não chegou, então mude o foco.

Olhar com inveja para o sucesso alheio não resolverá nada além de provocar um mal na vida do outro.

Então, espere sua vez, enquanto isso foque em você mesmo. Não perca tempo em fazer o mal para alguém que inveje.

Se não puder ajudar, não atrapalhe ninguém, quem quer que seja, com a inveja que não o levará a lugar nenhum.

Cada um terá o seu tempo para dar frutos. Cada um no seu devido momento. Existe um processo lento e gradativo.

Diria até que árduo. É necessário semear, cultivar e colher bons frutos. Em vez de perder tempo atirando pedras nos frutos dos outros por inveja, mude seu foco, para o semear e cultivar sua própria semente.

Não é um caminho fácil, mas apesar de tudo valerá a pena sentir o gostinho da vitória.

Sucesso é muito mais que vitória.

É SUPERAÇÃO!

É esta que te dará esperança para continuar trilhando no caminho da vida.

É esta que te dará o tempo necessário para o seu refazer para conseguir chegar adiante, antes que a cortina do espetáculo chamado vida se feche para sempre.

E nesta trajetória o que não pode faltar é Jesus, pois somente ele é o caminho, a verdade e a vida.

Só Deus na causa para te estender as mãos em cada ocasião de tropeço.

A inveja pode até chegar a derrubar, mas Deus irá ao seu encontro, quando lhe faltar forças e quando todos lhe virarem as costas.

Deus é discreto e ele vai agindo silenciosamente, através de pessoas iluminadas capazes de lhe mostrarem o caminho e a solução onde já não se via mais.

Deus nunca abandona a ovelha perdida. Ele sempre virá ao seu encontro.

Só Deus na causa!

Fé para recolocar as coisas nos seus devidos lugares, restabelecendo o equilíbrio perdido.

Fé para fortalecer e assim conseguir chegar mais adiante.

Fé! Só isso!

VOCÊ JÁ VISITOU O INSTAGRAM E O FACEBOOK DO RESILIÊNCIA HUMANA?

SE TORNE CADA DIA MAIS RESILIENTE E DESENVOLVA A CAPACIDADE DE SOBREPOR-SE POSITIVAMENTE FRENTE AS ADVERSIDADES DA VIDA.

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS






COMENTÁRIOS




Idelma da Costa
Idelma da Costa, Bacharel em Direito, Pós Graduada em Direito Processual, Gerente Judicial (TJMG), escritora dos livros Apagão, o passo para a superação e O mundo não gira, capota. Tem sido classificada em concursos literários a nível nacional e internacional com suas poesias e contos. Participou como autora convidada do FliAraxá 2018 e 2019 e da Flid 2018.