Muitas mulheres perdem a noção de quem são após a maternidade.

Eu não sei sobre você, mas ninguém nunca mencionou para mim que a maternidade poderia mudar quem eu sou. Recebi muitos conselhos e informações sobre como cuidar do meu bebê e algumas orientações sobre como cuidar de minhas próprias necessidades práticas, como sono, nutrição e exercícios, mas nada sobre como a maternidade poderia mudar a minha identidade. Eu só esperava ser o mesmo eu, e também uma mãe.

Eu definitivamente não sou mais a mesma pessoa, e quem eu sou ainda está evoluindo.

Muitas mães relatam sentir que perderam a noção de quem são depois que seus filhos nasceram. Existem algumas mudanças importantes que contribuem para isso.

Em primeiro lugar, nós mudamos como um todo. Nossos cérebros realmente mudam quando temos um bebê, assim como a maneira como vemos o mundo.

A maneira como vivenciamos nossas emoções muda e nossa capacidade de ler as emoções dos outros melhora.

Nossos valores e prioridades mudam com uma família para cuidar. Coisas que antes pareciam tão importantes, agora parecem triviais e novos tópicos nos atraem.

Até nossos corpos e nossa aparência mudam, por isso muitas mães dizem que não se reconhecem mais no espelho.

Então, é assim que abordamos nossas vidas. As abordagens que nos ajudaram a ter sucesso antes nem sempre funcionam na maternidade.

Controle, estrutura, pensamento racional, planejamento, ocupação e pressa são desafiados pela maternidade. Nada é claro e nada é o mesmo, assim, smesmo fazendo tudo direito, as respostas são difíceis.

Nossa intuição é muito valiosa, mas muitos de nós não fomos ensinados a usá-la ou confiar nela.

Aprendemos a confiar na opinião de especialistas, mas existem tantas opiniões conflitantes de especialistas sobre a maternidade. Em quem confiamos?

Caminhos de carreira pré-determinados podem não ser compatíveis com a vida que queremos para nossas famílias e, como muitos de nós derivamos grande parte de nossa identidade de nossos empregos, não temos certeza de quem somos sem eles, ou com menos afazeres profissionais.

A validação externa que recebemos por meio de trabalho ou interesses não existe mais da mesma forma e podemos nos sentir desvalorizados e invisíveis na maternidade.

Então, há as expectativas.

O mito da mãe perfeita, tão arraigado no subconsciente de nossa sociedade, cria um padrão inatingível que muitos de nós sentimos que precisamos alcançar.

A sociedade espera que nos sacrifiquemos pelas necessidades de nossos filhos, quase nos apagando a ponto de nos sentirmos simplesmente “a mãe de alguém”.

Por outro lado, o mundo muitas vezes espera que apareçamos como costumávamos – voltando ao trabalho remunerado o mais rápido possível e trabalhando como se não tivéssemos filhos.

Muitas mulheres dizem que se sentem menos incluídas e valorizadas e são vistas como menos ambiciosas ou comprometidas por seus empregadores.

Nossos amigos também podem esperar que estejamos tão disponíveis e cheios de energia quanto antes, e isso simplesmente não funciona.

Por último, podemos ficar tão consumidos por cuidar de nossos filhos que, aos poucos, as coisas que gostamos, nossos objetivos pessoais e até mesmo algumas das pessoas em nossas vidas podem lentamente desaparecer.

Fomos criados para valorizar a independência, mas ainda assim nossos filhos se sentem inextricavelmente ligados a nós. Como você é você mesmo, sendo mãe?

É tão perturbador sentir que você não sabe mais quem você é. Você passa a se sentir desconectado de quem você era antes da maternidade.

Fazendo a transição para sua nova identidade

A psicóloga clínica, Dra. Aurelie Athan, está bem ciente do impacto da maternidade na identidade. Ela vê a maternidade não apenas como um papel adicional a ser adicionado à sua vida já agitada, mas como uma oportunidade para um crescimento espiritual criativo e transformação.

A maternidade é um despertar para uma nova perspectiva e realidade de vida. Em suma, você se encontra com um novo você.

O Dr. Athan é o responsável por ressuscitar o termo matrescência, após ter sido cunhado pela primeira vez em 1973 pela antropóloga Dana Raphael.

Matrescência é a transição para se tornar mãe, que pode ser uma das transições mais significativas que você já experimentou. É um processo lento e gradual, em que você desvenda tudo o que sabia ser verdadeiro sobre você e seu mundo, e descobre o que agora é verdadeiro para você.

Seus filhos criam essa oportunidade de aprender sobre si mesma e esse aprendizado continua em todos os estágios da maternidade, do primogênito ao último, desde o estágio do recém-nascido até quando você tiver filhos adultos criando suas próprias famílias.

Cada etapa nos desafia e nos desenvolve de novas maneiras.

Se você espera que um dia terá tudo planejado e nenhuma mudança será necessária, isso pode parecer muito desconfortável. Você não pediu esse novo você e pode ter sido uma surpresa. Você pode ter estado tão focada no bebê que nem percebeu que entrou direto no seu próprio renascimento.

Muitas mães sentem falta de seu “velho eu”.

É totalmente normal ser partes do luto de sua vida e de seu eu pré-maternidade. Mas considere que talvez eles não estejam completamente perdidos.

Talvez as partes que ainda são importantes para você também estejam aguardando seu renascimento. Eles estão esperando que você encontre uma nova forma de fazerem parte da sua vida. Melhor ainda, há novas partes suas que estão esperando para serem descobertas.

Você está evoluindo. Tornando-se mais. E embora isso às vezes possa parecer incrivelmente difícil e desconfortável, você está no caminho para uma versão mais sábia, mais profunda, mais fundamentada e completa de você.

A jornada, não o destino

Como a incerteza e a falta de respostas podem ser muito desconfortáveis, é compreensível que você queira ter tudo resolvido agora.

Mas e se a jornada, e não o destino, for o ponto?

Não há problema em não saber quem você é agora. A identidade não é estática. Estamos sempre evoluindo.

Pode chegar um momento em que você sente como você não sabe quem você é, e depois com a adição de um novo bebê, ou entrar numa nova fase da maternidade, você se sentir perdido tudo de novo. Está tudo bem.

Dê a si mesma permissão, compaixão e tempo para descobrir sua identidade na maternidade. Espere continuar descobrindo e saiba que a vida não precisa ficar em espera enquanto você faz isso.

Este é o momento de aprender a ouvir seu conhecimento ou intuição interior. Para se desvincular das expectativas dos outros, dos “deveria” e de quem os outros pensam que você é.

Este é o seu momento de aprender como ser verdadeiro consigo mesmo. Com isso, quero dizer que aprendemos a identificar o que é realmente um sim e não para nós mesmos e a sermos guiados por isso. Aprendemos como identificar e atender às nossas próprias necessidades.

Se você quer começar a explorar quem você é agora, reflita ou escreva sobre qualquer uma das questões abaixo que você mais se sinta atraído e aja para trazer mais de VOCÊ para sua vida.

O que eu sempre quis fazer, mas senti que não podia?

Quais são meus pontos fortes e talentos?

Estou apaixonado pelo quê?

O que me deixa realmente irritado e excitado? (isso muitas vezes pode ser o combustível para fazer mudanças em sua vida ou fazer a diferença no mundo).

Quais são meus valores pessoais?

O que eu amo fazer para me divertir?

O que gosto de criar?

Pelo que eu quero ser lembrado?

O que eu acredito?

O que posso fazer agora para me sentir mais feliz?

O que é mais importante para mim?

Na companhia de quem me sinto mais vivo, visto e fiel a mim mesmo?

O que eu amo estar cercado?

Quais são alguns objetivos simples que tenho para mim? (por exemplo, ler regularmente, conversar com os amigos uma vez por mês, começar a ioga novamente, aprender algo novo.)

O que eu gostava antes da maternidade?

Essas respostas vão te guiar para esse novo você e, diante delas, se acolha, dê tempo ao tempo, não queira se descobrir assim, abruptamente, seu filho demorou 9 meses para nascer, dê a você, pelo menos, esse mesmo tempo, para renascer também após a maternidade.

*DA REDAÇÃO RH. Com informações MOre too Mom. Foto de Mike Kilcoyne no Unsplash.

VOCÊ JÁ VISITOU O INSTAGRAM E O FACEBOOK DO RESILIÊNCIA HUMANA?

SE TORNE CADA DIA MAIS RESILIENTE E DESENVOLVA A CAPACIDADE DE SOBREPOR-SE POSITIVAMENTE FRENTE AS ADVERSIDADES DA VIDA.

RECOMENDAMOS









Bem-estar, Autoconhecimento e Terapia