“Minha alma está destroçada”, revelou Simária em entrevista.

Depois de anunciar que não teria condições de cumprir os shows ao lado da irmão Simone, na vespera do seu aniversário de 40 anos, Simária, decidiu abrir o coração para o colunista Leo Dias.

Simone seguiu cumprindo a genda de shows das irmãs, para que Simária possa se restabelecer. Mas o fato é que Simária não está doente fisicamente, pelo que consta, ela está fatigada emocional e mentalmente.

Simária enfrentou uma situação difícil quando foi diagnosticada com tuberculose, o tratamento foi demorado, e a sua irmã, assumiu os palcos como está fazendo agora. Depois que Simária se reestabeleceu, e voltou aos palcos, um problema familiar a abateu, e ela anunciou que estava se separando do marido.

Diante de tantos acontecimentos, e muitso shows, o que aparenta é que Simária não teve tempo para se recompor como precisava, e quando não olhamos de verdade para o dói, acabamos somatizando os problemas e alimentando emocções negativas que nos destróem silenciosamente por dentro.

Foi mais ou menos o que a cantora revelou em recente entrevista concedida ao colunista Léo Dias.


Minha alma está destroçada

“Antes de eu passar por tudo isso que está acontecendo, Deus me falou: se você passar por mais essa etapa, o que eu vou fazer na sua vida, você não tem noção, filha amada minha! E eu acreditei de todo o meu coração”, disse a cantora ao colunista.

Segundo ela, não está sendo fácil, mas “eu tenho uma coisa que é inabalável! Deus!”, explicou.

Vizivelmente abalada, mas com um ar sereno, a cantora disse que ela está como se tivesse passado um trator em cima dela.

“Minha alma está distroçada internamente”, enfatizou ela.

Perguntada quais foram os momentos mais difícies da sua vida, e ela apenas respondeu: Eu perdi uma tia que eu amamva muito recentemente. E eu fui fazer um lançamento muito grande nos Estados Unidos e, é muito louc, eu vou ser muito sincera, parece que sempre que eu vou fazer algo muito grande, todo mundo tenta me “feRrar”.

É possível perceber o quanto que falta clareza no entendimento e compreenssão das suas próprias falas. São muitas feridas e, praticamente nenhuma estão, cicatrizadas.

Logo, ela começa a falar sobre a morte do pai, e diz que a parte da família que ela mais ama é a parte paterna, e que não tem vergonha de dizer isso. E continuou dizendo que o pai era padeiro e é nítido o grande pesar que ela ainda carrega dentro do peito.

Essa situação deixa claro que nenhum sucesso, nem dinheiro pode nos fazer realmente feliz, se não conseguirmos ressignificar nossas feridas.

Assista na íntegra:

*DA REDAÇÃO RH.

VOCÊ JÁ VISITOU O INSTAGRAM E O FACEBOOK DO RESILIÊNCIA HUMANA?

SE TORNE CADA DIA MAIS RESILIENTE E DESENVOLVA A CAPACIDADE DE SOBREPOR-SE POSITIVAMENTE FRENTE AS ADVERSIDADES DA VIDA.

RECOMENDAMOS









Bem-estar, Autoconhecimento e Terapia