Mineiros não dizem “Eu te amo”

Cristiane Mendonça

Mineiros não dizem eu te amo, fazem café fresquinho e assam pão de queijo!

Para os nascidos nas ‘Terras Gerais’, palavras nem sempre expressam a verdade de um coração, mas quitanda e prosa boa são declarações de afeto genuíno.

E enquanto a chuva cai sobre o mundo lá fora e as dores apertam o peito aqui dentro, na casa do mineiro a fumaça do bule baila feito criança no teto da cozinha.

No forno, os pãezinhos assam, dourando sem pressa a casquinha que ficará crocante.

A avó busca o forro bordado à mão, guardado na velha caixa de madeira, e o coloca sobre a mesa.

De repente, a xícara cor de âmbar é recheada até a beirada com o líquido preto.

Café bom é escuro e adoçado com disciplina!

Os pãezinhos de queijo, ainda quentes, são servidos no prato de ágata, ao lado do bolo de fubá, feito com generosidade.

O barro lá fora não incomoda, os pardais encharcados também não!

Na cozinha, entre cafés e quitandas, esticam-se as palavras no ritmo de um novelo de algodão na velha máquina de fiar, enquanto as mãos enrugadas passam e repassam os dedos sobre o forro, sentindo assim, as nervuras das linhas vermelhas dos bordados.

Chama-se a Deus para os males que parecem não ter remédio, faz cara de espanto para as modernidades, reclama-se dos mandruvás que comeram as folhas das hortas.

Rememora-se os mortos com uma pontinha de tristeza e muita saudade!

Permanecem assim, dizendo eu te amo, silenciosamente.

Eu te amo no bolo feito com capricho, no queijo guardado para fazer o seu pão, no forro da mesa guardado para horas especiais e no café coado na hora para encher a casa com o perfume da gratidão.

Eu te amo no chá para gripe com folha de canela e açúcar, no uai dito para perguntas e respostas, no trem a que tudo se define…

Nas palavras comidas pelas beiradas, mas sustentadas pelo olhar.

Mineiros não dizem eu te amo, porque amar é verbo de se benzer!

Foto: Folia Na Cozinha

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS







COMENTÁRIOS




Cristiane Mendonça
Jornalista, mineira e amante de uma boa prosa! Cris Mendonça escreve há mais de dez anos crônicas, contos e artigos sobre o nosso cotidiano, ao mesmo tempo tão simples e tão rico, sobre nossas relações e memórias afetivas, sobre humor e comportamento. Dicas de livros, filmes e séries também estão na pauta positiva da Cris.