Manter o ressentimento nos deixa doentes, literalmente

Não há dúvida de que o ressentimento é um tipo de conforto mental que pode nos trazer alívio momentâneo, mas não resolve o problema da raiz nem nos ajuda a curar. Pelo contrário, isso nos machuca. E muito.

Resiliência Humana

Por: Jennifer Delgado

Dizem que muitos anos atrás alguns soldados foram feitos prisioneiros pelas tropas inimigas. Eles passaram anos trancados em uma minúscula cela, durante a qual as privações, nostalgia e maus-tratos dos guardiões os uniram até se tornarem bons amigos.

Quando a guerra terminou, os soldados foram libertados. Eles se despediram com um grande abraço e todos seguiram seu caminho. Depois de dez anos eles se encontraram novamente. Um se recuperou. Você poderia até dizer que ele estava feliz.

Os dois homens se familiarizaram com suas vidas, embora não pudessem deixar de lembrar os anos passados em cativeiro. Um deles, visivelmente amargurado, perguntou: “Você perdoou aqueles guardas? ”

” Sim, isso me custou, mas consegui virar a página.”

“Eu não podia, eu continuo guardando rancor. Eu odeio eles enquanto eu moro! “Ele respondeu.

” Então você ainda é feito prisioneiro “, respondeu seu amigo com tristeza.

Essa história reflete perfeitamente a cadeia que o ressentimento representa, paredes em que nós construímos e onde nos confinamos, deixando que esse sentimento nos corrói, captando a serenidade e a saúde.

Autointoxicação psíquica: Beber do nosso veneno

O ressentimento é um sentimento de raiva, ódio ou raiva acompanhado de impotência. Há um desejo de vingança, mas, por alguma razão, não podemos dar rédea solta a esses impulsos e, quando somos forçados a reprimi-los, sentimos uma sensação de impotência radical.

Acrescente a raiva a sensação de que “não há nada a fazer”, “é melhor enviar” ou “é melhor calar a boca”. O resultado da raiva e da indignação ao sentir que recebemos tratamento injusto, juntamente com a impossibilidade de se defender ou se vingar, é ressentimento, uma mistura altamente volátil e explosiva.

Esse estado psicológico é particularmente prejudicial porque gera uma grande energia emocional negativa que continua zumbindo dentro de nós. Por um lado, raiva causam uma ativação em um nível físico que nos leva à ação, mas, por outro lado, somos forçados a reprimir esses impulsos. Então acabamos ferindo a raiva, deixando ferver por dentro. E isso não é bom. Não é saudável.

A esse respeito, Max Scheler destacou que “o ressentimento é uma autointoxicação psíquica, com causas e consequências bem definidas. É uma atitude psíquica permanente que surge reprimindo sistematicamente a descarga de certas emoções e afetos”.

E é que o ressentimento está penetrando as diferentes facetas de nossa personalidade, causando um tipo de intoxicação psicológica que muda a maneira como sentimos e pensamos. Obcecados com o que aconteceu, incapazes de deixar ir o passado, entramos em um tipo de túnel cognitivo que nos impede de valorizar o resto das coisas positivas que ocorrem em nossas vidas, por isso não é estranho que nosso caráter seja alimentado e nos sintamos miserável

O pior de tudo é que esse estado psicológico, mantido ao longo do tempo, acaba gerando mudanças fisiológicas que podem desencadear diferentes problemas de saúde.

O ressentimento afeta nosso coração e causa dor

Não há dúvida de que o ressentimento é um tipo de conforto mental que pode nos trazer alívio momentâneo, mas não resolve o problema da raiz nem nos ajuda a curar. Pelo contrário, isso nos machuca. E muito.

O ressentimento crônico e o sofrimento emocional afetam nossa saúde de diferentes maneiras. As pessoas que guardam rancor revivem continuamente as memórias dolorosas do passado, o que amplifica os pensamentos hostis e a tristeza, o que acabará por levar a problemas clínicos e psicológicos, como a depressão, de acordo com um estudo publicado na Cognitive Therapy and Research .

A raiva ligada ao ressentimento e a incapacidade de liberá-la assertivamente também tem um forte impacto fisiológico. De fato, um estudo realizado na Universidade Emory descobriu que a raiva causada pelo estresse emocional aumenta muito o risco cardiovascular.

O problema é que essas emoções negativas desencadeiam uma série de respostas corporais, como um aumento nos níveis de cortisol e níveis mais altos de proteína C-reativa, um marcador de inflamação que antecipa problemas cardiovasculares.

Os efeitos do ressentimento não estão limitados ao nosso coração. Guardar rancor também nos fará sentir mais dor. Depois de submeter 114 pessoas a um teste doloroso, pesquisadores da Glasgow Caledonian University descobriram que ativar a memória das injustiças sofridas, quando os participantes continuavam mantendo rancor, causava um aumento significativo na dor e na ansiedade.

Isso significa que o ressentimento diminui nosso limiar de dor, o que pode nos fazer sentir pior se já tivermos uma doença.

Perdoe: o antídoto para o ressentimento

Às vezes, quando alguém toca uma das nossas fibras sensíveis e nos machuca, é muito difícil esquecer o que aconteceu e deixá-lo ir. É muito mais fácil alimentar o rancor porque é uma busca inconsciente por compaixão. O ressentimento alimentar é, no final, uma tentativa de compensar os sentimentos negativos que experimentamos no passado.

Acreditamos que, ao reter esse ressentimento, estamos punindo a pessoa que nos feriu, quando na realidade os únicos que nos ferem são nós mesmos. Parafraseando Shakespeare: Alimentar o ressentimento é como beber um veneno esperando que o outro morra.

O antídoto? Perdoar Praticar o perdão nos permite reduzir pensamentos negativos recorrentes, de modo que a raiva, o ressentimento e o ódio desapareçam, conforme demonstrado por um estudo realizado na Universidade da Pensilvânia, no qual foi concluído que “o perdão é o caminho para bem-estar psicológico e saúde”.

O perdão reduz a pressão arterial e contribui para a recuperação cardiovascular do estresse, de acordo com pesquisa publicada no International Journal of Psychophysiology , além de melhorar significativamente a saúde mental , segundo pesquisadores da Universidade da Califórnia .

De fato, o perdão tende a beneficiar mais a vítima do que o agressor. Nós não perdoamos porque aqueles que nos causaram danos precisam virar a página, mas porque somos nós que precisamos nos libertar das correntes que arrastamos.

Randall Worley escreveu que ” perdoar não é uma emoção, é uma decisão ” chamar a atenção para esse processo deliberativo em que nos propusemos – consciente e ativamente – a superar nossos pensamentos, tendências e sentimentos negativos em relação àqueles que nos ferem.

Libertar-nos do ressentimento não significa desculpar ou esquecer o comportamento daqueles que nos magoam, mas nos libertar do controle que até então exercera em nossas vidas. Desta forma, podemos nos concentrar no nosso presente, abandonando um passado que não podemos mudar.

O perdão também nos permite focar nos relacionamentos positivos de nossa vida e em tudo que realmente nos traz felicidade e satisfação. Ao liberarmos os ressentimentos, eles param de nos definir e condicionar. E nós sentiremos que removemos – finalmente – um fardo pesado em cima.

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS




Resiliência Humana
Bem-estar, Autoconhecimento e Terapia