Mãe, entenda minhas birras: elas são meu primeiro passo para minha inteligência emocional

Resiliência Humana
HAMBURG, GERMANY - JULY 21: Prince William, Duke of Cambridge, Prince George of Cambridge, Princess Charlotte of Cambridge and Catherine, Duchess of Cambridge view helicopter models H145 and H135 before departing from Hamburg airport on the last day of their official visit to Poland and Germany on July 21, 2017 in Hamburg, Germany. (Photo by Franziska Krug/Getty Images)

As birras são uma explosão de lágrimas, gritos e raiva que nos confundem e até nos frustram como mães. Sabemos que pode ser desesperante tentar acalmar nossa pequena criatura zangada, mas a maneira como você lida com essas situações explosivas marcará o futuro emocional de seu filho.

Muitas famílias são surpreendidas pela personalidade peculiar que muitas crianças mostram desde tenra idade.

É impressionante que eles diferem muito de outras crianças e até mesmo de seus próprios irmãos.

É comum, também, que nos perguntemos a quem eles se assemelham e de onde terá saído esse gênio quase indomável.

Bem, há um aspecto que precisa ser esclarecido desde o começo. A personalidade de uma criança depende de muitos fatores, o contexto em que ela cresce e a interação recebida são elementos-chave.

No entanto, existe um fator genético que teremos que assumir, aceitar e entender .

Cada criança é única e tem seu próprio caráter. Até por isso, conseguiremos perceber desde o primeiro mês através do seu estilo de alimentação e descanso.

Não tente encontrar uma razão pela qual seu filho faça tantas birras. Ele simplesmente gerencia, compreende e canaliza . É uma tarefa que certamente você não previu, mas asseguramos que somos todos qualificados para sermos arquitetos do mundo emocional de nossos filhos, que às vezes, se mostra de forma explosiva.

As birras começam cedo e devem ser tratadas também o mais cedo possível

Um menino ou menina vai começar a mostrar suas birras no primeiro ano. Na verdade, elas serão intensas até os 4 anos de idade.

É nessa fase que o cérebro começa a amadurecer, a fazer contato mais intimamente com o que o rodeia para exigir seu espaço, suas coisas, suas necessidades.

Se você não as dá, elas explodem. Essa frustração é muito dolorosa para os nossos filhos, e se nós não agirmos de forma inteligente, intuitiva e paciente nesta fase inicial entre o primeiro ano e o 4°, o problema pode se complicar nos próximos anos.

As birras nunca devem ser ignoradas!

É importante lembrarmos duas coisas principais:

As birras não devem ser ignoradas: não adianta deixar nosso filho chorando, gritando e chutando os móveis até que ele se canse. Nesse caso ele se sentirá ainda mais frustrado.

Não devemos intensificar as birras, ou seja, responder com gritos aumenta o fardo emocional de ambos os lados, em nós e nas crianças.

Precisamos ter bem claro, desde o primeiro ano até os 3 anos que nossos filhos não estão cientes do que acontece com eles. Eles se sentem oprimidos por seu mundo emocional e pensam que o que acontece com eles não tem solução.

Lembre-se sempre de que essas explosões de raiva são uma “maneira ruim” de dizer que algo está acontecendo com elas e que você precisa entender.

Diga a ele: “Calma, eu estou aqui, com você e vamos resolver sem levantar nossas vozes”.

Tanto a criança como nós, mães e pais, devemos entender que o crescimento envolve, por um lado, aceitar a frustração e até mesmo a dor que isso acarreta.

Eles nem sempre terão o que querem e precisam entender desde o primeiro ano.

Quando seu filho explode em birra, não se afaste dele, ou diga-lhe para calar-se com um grito.
Com uma voz calma, nós o encorajamos a se ACALMAR. Uma expressão e uma voz calma criam um clima adequado para as emoções relaxarem.

Até que a criança não pare de chorar, não podemos falar com ele, então o ideal é nos colocarmos DE PRONTIDÃO para fazê-los ver que estamos lá e evitar que se machuquem.

Se a birra acontece em um espaço público, tente levá-lo para um lugar calmo onde você está sozinho, para que ele possa se acalmar.

Nunca é cedo demais para educar a Inteligência Emocional

Entre o primeiro ano e os 4 anos, é o momento mais importante para estabelecer as bases de uma autêntica Inteligência Emocional.

Para isso, convidamos você a levar em conta essas estratégias simples.

As crianças precisam entender seus limites, o que pode ser feito e o que não pode ser feito.

Quanto mais cedo você entender, mais segurança você encontrará no seu dia a dia.

Não tenha medo de falar um “NÃO” a tempo, algo tão simples evita problemas posteriores.

Seja congruente com as regras e nunca as quebre.

Faça uso de cartões com desenhos. Em cada cartão, desenhamos uma emoção: raiva, medo, tristeza … É necessário que as crianças aprendam o mais rápido possível a identificar essas emoções negativas para saber como canalizá-las.

Para isso, vamos explicar o que pode ser feito com cada emoção.

“Se eu estiver com raiva, devo explicar em voz alta por que me sinto assim.” Aprender a comunicar as emoções na primeira pessoa é algo muito útil que podemos favorecer desde um estágio inicial de maneira simples e elementar.

Conclusão, estamos cientes de que cada criança é um mundo e que algumas podem se tornar muito exigentes. No entanto, lembre-se, o segredo é ter paciência, estar sempre perto e calmo e entender que a educação emocional com um filho começa desde o primeiro dia em que você o segura em seus braços.

***

**Com informações de Eres Mama, livremente traduzido e adaptado por: Resiliência Humana.

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS







COMENTÁRIOS




Resiliência Humana
Bem-estar, Autoconhecimento e Terapia