Jornalista responde às críticas por trabalhar vendendo comida: “Vergonha é roubar ou ser medíocre”.

Karla Villaroel, uma jovem jornalista boliviana, recebeu muitas críticas por vender alimentos nos fins de semana para ajudar sua irmã. Diante disso, ela disse:

“O que importa é a vontade de progredir”.

Ninguém merece ser discriminado e menosprezado por trabalhar decentemente.

Karla foi vítima de agressões virtuais e ataques a sua atitude de se colocar vulnerável nas ruas da sua cidade natal. Tudo isso porque além de seu trabalho como comunicadora, ela também decidiu vender alimentos para obter mais renda e ajudar a irmã.

Ao receber comentários depreciativos nas redes sociais, ela se encorajou e respondeu com muita dignidade que o trabalho que está fazendo não é nenhum pouco vergonhoso.

Karla Beahed Villaroel Vaca, foi fotografada na rua enquanto vendia produtos de café da manhã, que hoje, é a sua segunda ocupação e só o faz nos finais de semana.

Uma mulher a criticou por mensagem e perguntou se ela não tinha vergonha, na hora ela apenas escreveu que não tem vergonha e que não tem medo do sucesso, mais tarde por meio de sua conta no Facebook resolveu se pronunciar.

Em um post ela escreveu:

“NÃO ME DÁ VERGONHA, NÃO TENHO MEDO DO SUCESSO!

Assim respondi à senhora que me escreveu para gozar comigo por vender empadas e sanduíches nos fins de semana. Ela me disse de maneira OFENSIVA: o que aconteceu Karla, o jornalismo não te dá dinheiro, tão baixo você chegou? Você não tem vergonha?

Simplesmente ri e disse-lhe a frase que esta no começo deste texto. ☝🏼 ☝🏼

Eu sabia que não valia a pena e não preciso explicar mais nada.
Agora eu digo a vocês pois não, não é essa a questão, se dá dinheiro ou não. O que importa é a vontade de seguir em frente.

Vergonha é roubar, vergonha é ser medíocre por zombar da vontade que uma pessoa tem de seguir em frente buscando renda honrada com sacrifício, sem machucar ninguém e sem se meter na vida de ninguém. Isso é vergonha!

Amo meu trabalho 🎤🎥😍 sou orgulhosa de ser jornalista. Mas se há a possibilidade de fazer algo extra honestamente, então eu faço!”, escreveu Karla Beahed Villaroel Vaca junto a foto a baixo.

jornalista-vende-comida-nas-ruas-e-e-criticada
Foto: Karla Beahed Villaroel Vaca

Karla, que trabalha na Cadena A Red Nacional, sublinhou que adora o seu trabalho e que se houver possibilidade de fazer algo extra, honestamente, ela o fará. Em conversa com El Deber, ela revelou que a ideia de vender comida surgiu de visitar um lugar perto de sua casa durante um dia de reportagem e perceber a falta de negócios de alimentos na região.

jornalista-nao-tem-vergonha-de-vender-comida-na-rua
Karla Beahed Villaroel Vaca

“Em uma das minhas coberturas nos postos de vacinação massivos, percebi que tinha muita gente e que de manhã não se vendia nada. Naquele dia cheguei em casa do trabalho para ajudar minha irmã e disse a ela que vendesse suas empanadas na Escola Militar de Engenharia, que fica a três quadras da minha casa. Aí ela me perguntou se eu tinha vergonha e eu disse que não, que faria um sanduíche”, contou a jornalista.

eu-nao-tenho-vergonha-vergonha-e-roubar-e-ser-mediocre
Karla Beahed Villaroel Vaca

Desde o que aconteceu, a jovem recebeu o apoio de muitas pessoas, e uma coisa que parecia ruim, um preconceito que deseja a desencorajar e humilhar, acabou a ajudando e a projetando mais longe do que ela imaginava chegar. Da Bolívia para o mundo! Parabéns Karla, a humildade é a melhor virtude que o ser humano pode conquistar.

*DA REDAÇÃO RH. Com informações UPSOCL.

VOCÊ JÁ VISITOU O INSTAGRAM E O FACEBOOK DO RESILIÊNCIA HUMANA?

SE TORNE CADA DIA MAIS RESILIENTE E DESENVOLVA A CAPACIDADE DE SOBREPOR-SE POSITIVAMENTE FRENTE AS ADVERSIDADES DA VIDA.

RECOMENDAMOS









Bem-estar, Autoconhecimento e Terapia