A importância de se reinventar

Gabi Barboza

É preciso coragem para se reinventar, mas a vida às vezes exige isso. A geração dos nossos pais, tinha a capacidade de ficar por exemplo, no mesmo emprego, 40 anos. Nós, que hoje estamos na casa dos 30, 40 anos não temos essa “ambição”.

Damos mais valor ao ambiente, quando o assunto é emprego. A satisfação pessoal pra nós, está ligada ao que nos faz bem. Em todas as áreas da nossa vida, impera essa exigência: temos que nos sentir bem.

Daí vem a importância de sabermos nos reinventar. Um relacionamento de anos acabou? O emprego atual não está fazendo bem? Onde moramos não é um lugar que nos traz paz? Nos reinventar!

A coragem é peça fundamental nessa decisão, pois para mudar o quadro atual, ela será o gás. A vida nos joga mesmo situações pesadas, que imaginamos nunca enfrentar. Nos sentimos sozinhas, nos sentimos injustiçadas.

Mas a coragem e o amor próprio estarão conosco. É preciso ver a situação como é, definir o que fazer e colocar o planejamento em andamento. Se reinventar dói, machuca e até nos põe no chão. Vale chorar, vale olhar pra trás, mas desistir não.

Caminho tomado, decisão escolhida, é coragem que faz seguir. Nos reinventar gera força. Gera a alegria da descoberta que um mundo à parte que nem imaginávamos nos abraça. Não sei ao certo o momento ideal dessa mudança, dessa virada de mesa.

Sei que quando a situação atual nos faz mal, nos deixa depressivas, chorosas, nos faz pensar “o que estou fazendo aqui?”, é um bom momento para pensar em outros caminhos.

Essas situações que exigem que a gente se reinvente, me faz lembrar das vezes em que eu queria tanto usar certa roupa na infância e minha mãe dizia “essa aqui vai ficar bem melhor!” e sim, ela tinha razão. Ficamos acostumadas com a mesmice, aquilo que está do jeito que está, mas está. E assim vamos mentindo pra nós mesmas, levando com paciência, na esperança de que um dia mude.

Dia desses eu li uma frase, numa imagem com autor desconhecido e amei: “tudo que a gente se esforça demais pra caber, não é pra nós”. Amei a frase, pois ela nos leva à pensar em mudar e isso é se reinventar.

Como assessora de Recursos Humanos, conheço muitas histórias de profissionais. Meu atual TCC é sobre insatisfação no trabalho. Tem muita gente criando ao seu redor um ambiente ruim e pesado, por odiar o emprego que tem. Pessoas entrando em depressão por insistir em algo que não faz bem.

A vida na infância era mais fácil mesmo, bastava perguntar à mãe, ao pai, aos avós, aos tios, o que fazer. E tínhamos um caminho. Lembro de uma vez que tirei 2 em 10 numa prova de física, no ensino médio e meu tio disse “isso não é tão ruim assim, vai ter coisa muito pior na sua vida”.

Naquele momento a nota baixíssima em física era algo terrível pra mim. Eu era boa em matemática, logo em física também deveria ser. E ele tinha razão. Não era o pior da minha vida, mas ali me reinventei: estudei mais física, fiz mais exercícios e tive a certeza de que eu era de humanas anos depois.

Cada situação complicada que a vida nos mostra, exige coragem para enxergarmos além do problema. Se algo se torna pesado, precisamos olhar para outras possibilidades. E independente do problema que a vida te põe na mesa e pede uma decisão, é o momento de se reinventar, acredite: algo bem melhor virá.

Caso não venha, é apenas parte do caminho! Mas você vai se reinventar, catar os cacos e seguir. Tempos mais à frente, vai dizer a si mesma: que bom que eu mudei a jornada! Que bom que me reinventei! E sentir orgulho de si!

Se reinventar gera aprendizado, gera novo caminho, gera satisfação. A nossa geração é dos que começam de novo quantas vezes forem necessárias! E tenho muita alegria por isso!

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS


Gabi Barboza
É graduanda em Psicologia, tem 32 anos. Como o que faz o mundo dela girar, são as pessoas, trabalha com Recursos Humanos. É mineira, bem casada com um Gaúcho lindo. Mora em Porto Alegre desde 2012. Está sempre lendo e ama escrever. Se sente rica, por ter vários livros em uma estante que é o seu tesouro. Ama se engajar em causas sociais, crê que a única coisa que levamos desse mundo, é o que plantamos. E que as boas obras, são fundamentais.

COMENTÁRIOS