Homem solteiro adota menino de 13 anos depois que seus pais adotivos o abandonaram em um hospital

Resiliência Humana

Homem solteiro adota menino de 13 anos depois que seus pais adotivos o abandonaram em um hospital

Peter Mutabazi teve uma vida difícil. Ele cresceu em uma pequena vila na fronteira de Uganda e Ruanda. A família de Peter não podia comprar comida, então eles cultivavam seus próprios feijões, ervilhas e batatas-doces.

Ele começou a ajudar sua mãe na plantação com apenas 4 anos de idade. A família nem sequer tinha água limpa, então as crianças tinham que caminhar 2-3 horas para buscar um pouco de água para a família. A pobreza era tudo que eles conheciam.

Mas isso não foi tudo. O pai de Peter abusou de toda a família. Tanto verbalmente como fisicamente. O homem batia na esposa, negava comida aos filhos e, com o passar do tempo, o abuso só piorou.

Uma noite, quando Peter tinha 10 anos, seu pai o mandou buscar cigarros. No caminho de volta, estava chovendo e os cigarros foram destruídos. Peter sabia que, se voltasse para casa, sofreria uma surra severa. Aterrorizado, resolveu fugir.

Peter teve que passar por muitas provações e tribulações para criar um futuro melhor para si mesmo. Mas ele perseverou. Ele finalmente se estabeleceu em Oklahoma para iniciar um negócio imobiliário. E como sua casa tinha dois quartos vazios, sua mente não podia ficar em paz sabendo que havia crianças que precisavam de um lugar seguro. Então ele foi para uma agência de adoção e dedicou sua vida a servir a essas crianças.

“Nos EUA, você deve ter aulas de pais e ser licenciado pelo estado em que vive, se quiser ser um pai adotivo”, disse Peter ao Bored Panda.

“Todos os filhos adotivos pertencem ao estado. Como eu tinha licença sob uma agência privada, eles me chamavam quando precisavam de pais adotivos e um lar para crianças. Eu tive 12 filhos nos últimos 3 anos, variando de 2 a 11 anos. Porque sou solteiro, só conseguia lidar com 2 de cada vez.”

No entanto, Peter acabou conhecendo um garoto cuja história era muito dolorosa, mesmo para o homem que acreditava já ter visto tudo.

Uma noite, Peter recebeu uma ligação de sua assistente social perguntando: “Você pode acolher um garoto de 11 anos apenas no fim de semana?”

Apenas alguns dias depois que ele se despediu de dois irmãos que estava cuidando, ele disse a ela que seu coração estava profundamente triste pela perda dos dois meninos que haviam acabado de se reunir com os pais biológicos. Peter pensou que não tinha energia suficiente para cuidar de outra criança no momento. Mas o vaivém com a assistente social continuou, e ela o convenceu a acolher a criança.


Créditos da imagem: fosterdadflipper

No começo, Peter não queria saber por que Anthony estava em um orfanato. O homem não aguentou mais ouvir as histórias tristes, o que fazia sangrar o seu coração. Ele decidiu que, se a colocação excedesse o fim de semana, ele simplesmente se recusaria a permitir que ele ficasse mais, por medo de que se apegasse novamente e, mais uma vez, sentisse a dor da perda e à tristeza.

O assistente social chegou em sua casa com o garoto às 3 horas da manhã, depois de dirigir duas horas de outro município do estado. Há uma escassez enorme de famílias adotivas em Oklahoma; assim, quando uma criança entra no sistema de assistência social, os assistentes sociais são frequentemente forçados a colocar as crianças fora do condado de origem, removendo-a frequentemente do único lugar que ela já conheceu. Acrescente o fato de que as crianças mais velhas são muito mais difíceis de recolocar e a assistente social ficou sem outra opção.


Créditos da imagem: fosterdadflipper

Peter disse a Anthony que poderia chamá-lo de ‘Sr. Peter ‘, mas apenas 20 minutos após sua chegada, ele perguntou se poderia chamá-lo de’ pai ‘.

Avanço rápido para segunda de manhã. A assistente social chegou e Peter decidiu perguntar por que Anthony estava em um orfanato. Acontece que o menino havia sido abandonado por sua mãe biológica quando tinha 2 anos. Ele foi então colocado com uma família que servia como anciãos em sua igreja. Eventualmente, eles o adotaram, mas quase dez anos depois, a mesma família que o criou, o abandonou no hospital e nunca mais voltou. Peter ficou chocado ao perguntar ao universo: “Quem faria isso?”

Mas então ele descobriu que a família também renunciou aos seus direitos parentais, o que significa que Anthony não tinha para onde ir. Peter sabia que tinha que aceitá-lo.


Créditos da imagem: fosterdadflipper

Os dois estão juntos desde então. E no dia 12 de novembro, Anthony finalmente compartilhou o sobrenome de Peter. Sua adoção foi oficializada no tribunal de Charlotte e o fotógrafo Cole Trotter capturou o momento precioso.

“Eu não tive nenhuma dificuldade com a adoção”, disse Peter. “[Demorou mais tempo, mas eu sabia que ele seria meu filho … Ninguém o queria e é realmente difícil encontrar casas ou famílias que levariam um menino de 11 anos de idade.”


Créditos da imagem: fosterdadflipper

“Sou verdadeiramente abençoado por tê-lo, sinto que precisei dele ou que ele mudou minha vida mais do que eu mudei a dele”, disse Peter.

No entanto, ele não parou de criar filhos.

“É difícil ser um pai adotivo, mas vale cada minuto disso. Estamos prestes a ter outro filho e estamos emocionados.”


Créditos da imagem: fosterdadflipper

*Tradução e adaptação REDAÇÃO RH. Com informações de Bored Panda

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS






COMENTÁRIOS




Resiliência Humana
Bem-estar, Autoconhecimento e Terapia