Hey Mãe, você já é o suficiente!

Resiliência Humana

Hey Mãe, você já é o bastante!

por Anjannette Figueroa-Bess

Já basta! Durante toda a minha vida, estive procurando a sensação de ser o bastante, de ser o suficiente, mesmo que nunca tivesse certeza do que isso significava. Eu só sabia que eu não era o suficiente até meus filhos nascerem.

Eu não era o suficiente para impedir meus pais de discutir.

Eu não era o suficiente para impedir que meu pai bebesse e partisse em um túmulo tão cedo.

Eu não era o suficiente para os meninos gostarem de mim como namorada no ensino médio – sempre uma amiga, nunca uma namorada.

Eu não era o suficiente para me aventurar longe de casa depois da faculdade.

Eu não era o suficiente para seguir meus sonhos de me tornar dançarina.

Eu não era o suficiente para combater a depressão e abrir caminhos para seguir meus objetivos.

Eu não era o suficiente para fazer meu namorado mentalmente abusivo de 8 anos se casar comigo.

E mesmo quando eu encontrei o homem dos meus sonhos, um homem que me amava, que se esforçava para fazer coisas românticas por mim, que sabia que queria se casar comigo apenas alguns meses depois de me namorar e me fez sentir como se eu finalmente fosse o suficiente, não durou muito. Os anos se passaram e logo eu estava me sentindo mais uma vez como se não bastasse.

Eu não era o suficiente para fazê-lo ser mais carinhoso.

Eu não era o suficiente para fazê-lo me tratar como ele fez quando estávamos namorando.

Eu não era o suficiente para manter essa centelha nos olhos dele todos os dias.

Eu não era o suficiente para manter tudo junto no trabalho e em casa.

Eu não era o suficiente para mantê-lo feliz o tempo todo.

Eu não era o suficiente para nos manter felizes o tempo todo.

Depois tive meus filhos e, pela primeira vez, tive essas pessoas que, sem dúvida, me amavam, independentemente de qualquer outra coisa. Independentemente da minha aparência. Independentemente de quanto dinheiro eu ganhei. Independentemente da limpeza da casa.

Independentemente de eu estar me sentindo muito pateta ou extremamente deprimida.

Eu não tinha falhas nos olhos deles. Talvez fosse porque eles não tinham ideia do que eram as falhas?

Não importa o motivo, eu era a mãe deles e eles me amavam.

Seus olhos olhavam para mim com alegria sempre que eu entrava na sala.

Seus braços queriam me abraçar, mesmo quando eu não me sentia digna de ser abraçada.

Suas bocas expressavam seu amor, mesmo depois de noites minhas gritando com eles e tentando escapar do estresse do meu dia olhando para a tela do meu telefone.

Mas, eventualmente, aconteceu, assim como aconteceu com todos os outros … comecei a sentir que não era o suficiente para eles.

Eu não podia estar em casa com eles a cada segundo para cuidar de todas as suas necessidades. E ir trabalhar para ganhar dinheiro para ajudá-los a conseguir as coisas que precisavam e desejavam.

Enquanto olhava para seus rostos pacíficos e adormecidos à noite, revivi todos os momentos durante o dia em que eu poderia ter feito mais, sido mais.

Mas eu estava muito ocupada. Eu estava muito deprimida. Eu os estava decepcionando. Eu estava falhando com eles. E eu sabia.

Eles estavam crescendo tão rápido, e eu estava estragando tudo.

Eles estavam perdendo a infância perfeita que eu pretendia dar a eles.

Eu não era o suficiente para dar a eles o que eles mereciam. Mesmo com meus filhos, as pessoas que deveriam me amar, não importa o quê, comecei a sentir que não era suficiente.

E foi aí que me atingiu. Eu era a única que media minha “suficiência”.

Eu não era o suficiente para mim.

Eu não era suficiente para as expectativas que eu me colocava, de alguma forma, para agradar todos os que estavam ao meu redor e para ser quem eu achava que eles queriam que eu fosse – a pessoa perfeita que eu achava que mereciam.

Nunca me ocorreu que aqueles que valiam a pena estavam lá porque achavam que eu já era o suficiente. E eu estava projetando minhas dúvidas sobre ser suficiente para aqueles ao meu redor, tornando meus relacionamentos muito mais difíceis e minha auto-estima muito mais baixa.

Minha busca interminável de ser tudo para todos me fez sentir como se estivesse faltando o tempo todo.

Tudo começou antes que eu tivesse idade suficiente para saber o que estava fazendo. Eu era uma jovem garota querendo fazer meus pais pararem de brigar. Eu queria fazer minhas irmãs pararem de ficar assustadas e preocupadas. Eu queria que todos fossem felizes. E quando não estavam, decidi que era porque eu não era boa o suficiente.

Ainda é uma luta, mas me lembro com frequência que não preciso me ocupar em tentar ser perfeita. Eu sou suficiente apenas sendo eu. E ser eu é realmente muito mais fácil.

Quando quase sempre consigo encontrar algo para rir, por mais estressante ou triste que seja a situação, sou suficiente.

Quando eu rio minha risada alta, algumas vezes asmática, sou suficiente.

Quando eu quero ficar em casa e brincar com meus filhos, porque hoje a mamãe simplesmente não consegue lutar contra a depressão, eu me basto.

Quando eu quebrar a dieta e comer várias fatias de pizza, porque ei, pizza é realmente bom, eu sou o bastante.

Quando acordo, jogo meu cabelo como em um clipe, pulo a maquiagem e só uso protetor solar, e visto apenas uma camiseta, jeans e meu sorriso, já chega.

Quando elogio estranhos porque gosto do que eles estão vestindo ou vestindo e gostam de fazer as pessoas se sentirem bem, eu sou o suficiente.

Quando participo nas mídias sociais porque sei que minha vulnerabilidade permitirá que outra pessoa se sinta “normal” ou não sozinha em suas lutas, sou o suficiente.

Quando olho para meus filhos e nos meus olhos, eles podem ver o amor irradiando direto do meu coração, eu sou o bastante.

E você também .

Você acorda todas as manhãs e faz o melhor que pode, até deitar a cabeça à noite?

Você tem um coração que pode amar?

Um sorriso que você pode compartilhar?

Mesmo nos dias em que a depressão ou os negócios da vida o impedem de fazer isso?

Você quer o que é melhor para você, para os outros, para o mundo?

Se você está vivo … se sente … se ama … se machuca … você é o suficiente.

E mesmo que você queira mudar isso com seu pensamento distorcido e as pressões irrealistas que você coloca sobre si mesmo. Você é suficiente porque você simplesmente é. Repita isso todos os dias!

Já basta.

*Via Possibility Change. Tradução e adaptação REDAÇÃO Resiliência Humana.

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS






COMENTÁRIOS




Resiliência Humana
Bem-estar, Autoconhecimento e Terapia