Guia do recém-solteiro: esqueça o ex, conserte o coração partido e viva um novo amor…

Jéssica Pellegrini

Ser solteiro é aprender dosar a carência e o amor. Saber diferenciar a emoção da realidade. Como dizem os mais vividos: “Nem tudo o que reluz é ouro”. Portanto, é preciso perceber.

Você se ama?

Antes de qualquer outra informação redundante, saiba que estar solteiro, namorando, casado, ficando ou enrolado, são apenas títulos. As regras de cada um deles são estipuladas por quem as vive. Sendo mais clara, tudo depende dos princípios das pessoas. Por exemplo, conheço muita gente que mesmo sem estar em um relacionamento sério, são leais ao sentimento carinhoso que têm pelo companheiro e também, solteiros, encalhados, como quiserem chamar, que seguem sozinhos, em busca de alguém que, quando o encontrarem, eu aposto todas as fichas que serão extremamente fiéis ao amor. A verdade, é que existem muitas percepções quando o assunto principal é focado no coração. Sendo assim, há inúmeras vertentes e opiniões. Não existe o certo e o errado, o que existem são duas almas que cruzam o mesmo caminho e, por escolha de ambos, desenvolvem uma história juntas.

O tempo de solteiro é, exatamente, a parte principal da receita na execução de um bolo: o preparo. Nesse período é necessário ter paciência e sabedoria para lidar com as adversidades da vida. Digo, no sentido amoroso.

Ser solteiro é aprender dosar a carência e o amor. Saber diferenciar a emoção da realidade. Como dizem os mais vividos: “Nem tudo o que reluz é ouro”. Portanto, é preciso perceber.

Deixando a emoção de lado, falando com a razão, é importante entendermos que o amor-próprio é o único romance que vai durar a vida inteira, sem se tornar uma história de suspense, terror, comédia ou drama.

Portanto, quando definimos as nossas escolhas e atitudes de maneira coerente, certamente estamos garantindo um final feliz em qualquer um dos casos supostos acima.

Amor-próprio é juntarmos o que temos de melhor, e utilizarmos todos esses recursos a favor do bem. É separar os nossos erros, e colocá-los em uma ordem cronológica para corrigir os mais graves com uma certa urgência.

Você ainda não esqueceu o seu ex?

1. Elabore uma tabela com as suas qualidades e defeitos, e com os mesmos itens do seu ex.”. É como ter todas as cartas na mão, mas não saber o quanto elas são importantes para vencer o coração.

2. Faça uma lista com as suas idealizações sobre uma pessoa e um relacionamento perfeito.

3. Volte ao seu último relacionamento e faça um teste de compatibilidade entre vocês. É importante que os seus desejos estejam, ao menos, 50% satisfatórios nessa relação.

4. Repense sobre todas as coisas boas e ruins que ocorreram nesse relacionamento. É como uma balança que equilibra dois lados.

5. Nada muda. Aliás, as pessoas podem até mudar com prazo de validade, mas será que vale a pena passar por tudo isso de novo? Quando tudo conspirou para que desse certo, a pessoa optou por lhe causar sofrimento, qual a garantia de que ela vai fazer você feliz em uma segunda, terceira ou quarta tentativa?

6. Nada volta a ser como um dia foi. Você pode se esforçar, rezar, plantar bananeira, trocar o amargo pelo doce ou a noite pelo dia, não depende de você. Acredite, a confiança é uma só, e jamais voltará a ser um cristal intacto.

7. Você está em pedaços. Agir por impulso ou qualquer descontrole emocional, pode ser a burrice fatal do seu sofrimento. Eu sei que é difícil manter a calma, mas tente não se torturar. Você não vai encontrar as respostas que tanto procura, não vai compreender o porquê as coisas aconteceram dessa forma e não de outra. Os sentimentos de raiva, bipolaridade, nervosismo, rejeição, tristeza e depressão são completamente normais.

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS




Jéssica Pellegrini
Nunca confie em uma escritora confusa e romântica. As controversas entre um texto de amor e outro de desilusão, podem causar questionamentos pessoais. Consequentemente, sequelas mais graves.

COMENTÁRIOS