Geleia real poderá ajudar na cura do Alzheimer

Resiliência Humana

Pesquisadores da Universidade de Stanford, nos Estados Unidos da América, descobriram que a proteína royalactina, presente na geleia real, promove o crescimento e a proliferação de células-tronco em camundongos.

Por Tua Saúde

Estas células são conhecidas por serem pluripotentes, ou seja, são capazes de reparar tecidos do corpo e têm potencial para tratar doenças degenerativas, como o Alzheimer.

Além disso, os pesquisadores identificaram uma proteína parecida à royalactina, a NHLRC3, que posteriormente foi denominada Regina, que é produzida na fase embrionária do corpo humano, possuindo papel importante na formação do embrião e sendo capaz de promover a multiplicação das células-tronco.

Como foi feito o estudo

Os pesquisadores da Universidade de Stanford, ao observarem que a abelha rainha era maior que as outras e ao analisarem o seu comportamento, descobriram que essa diferença de tamanho era devido ao consumo de geleia real pela abelha rainha.

Em seguida, detectaram que a royalactina, presente nesta geleia, era a responsável pelo crescimento da abelha, pois faz com que as células-tronco destes insetos se multiplique.

Depois disso, em laboratório, os pesquisadores injetaram esta proteína em camundongos fêmeas de 8 meses de idade e depois de 8 semanas colheram partes do tecido que cresceu para analisar os efeitos provocados pela royalactina no corpo dos animais.

Ao examinarem o tecido, os estudiosos observaram um conjunto de 519 genes, que foram ativados em contato com a royalactina e verificaram que alguns destes genes foram responsáveis pela multiplicação das células-tronco.

Após esta conclusão, os mesmos pesquisadores foram em busca de substâncias parecidas à royalactina que fossem produzidas no corpo humano e que desempenhassem a mesma função.

Por fim, encontraram a proteína NHLRC3, da qual deram o nome de Regina, que é produzida nos seres humanos na fase embrionária e também faz com as células-tronco cresçam, proliferem e possam ser usadas para regenerar os tecidos degradados, como o que acontece na doença de Alzheimer.

O que falta comprovar

É importante destacar que este estudo ainda está em fase inicial e foi realizado apenas com camundongos e, embora tenha revelado a importância da royalactina e da proteína Regina na produção de células-tronco, são necessárias novas pesquisas para identificar o mecanismo de ação completo dessas substâncias no corpo humano e a sua aplicação no tratamento de doenças degenerativas, como o Alzheimer. Enquanto isso, leia uma história escrita por um Arthur Vizin sobre a doença de Alzheimer.

*Via Tua Saúde

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS






COMENTÁRIOS




Resiliência Humana
Bem-estar, Autoconhecimento e Terapia