Gatos podem ajudar a diminuir a ansiedade de crianças com autismo.

Os gatos podem ajudar a aumentar a empatia enquanto reduzem os sintomas de ansiedade de separação em crianças com autismo, relata estudo da University of Missouri-Columbia.

Como ex-enfermeira de uma escola pública de Columbia, Gretchen Carlisle costumava interagir com alunos com deficiência que tomavam vários medicamentos ou tinham convulsões ao longo do dia. Em algumas escolas, a professora de educação especial trazia cães, porquinhos-da-índia e peixes como recompensa pelo bom comportamento, e Carlisle percebeu que a presença dos animais de estimação pareciam ser para os alunos com deficiência um calmante.

Agora como cientista e pesquisadora do Centro de Pesquisa MU para Interação Humano-Animal (ReCHAI) no MU College of Veterinary Medicine, Carlisle estuda os benefícios que animais de companhia podem ter nas famílias com crianças autistas.

Embora haja muitas pesquisas existentes enfatizando os benefícios dos cães para crianças com autismo, o mais recente estudo de Carlisle descobriu que os gatos podem ajudar a aumentar a empatia enquanto diminui a ansiedade de separação para crianças com autismo.

Os resultados podem ter implicações benéficas para as famílias que consideram a adoção de um animal de estimação para seus filhos.

“Pesquisas anteriores mostraram que pais de crianças com autismo são mais estressados ​​do que pais de crianças com qualquer outra deficiência”, disse Carlisle.

“Se uma família está considerando adotar um animal de companhia, queremos fornecer a melhor informação possível baseada em evidências para que possam tomar uma decisão informada, e nesse contexto, comprovamos que os gatos podem ser mais benéficos do que os cães para algumas famílias”.

As famílias não apenas relataram um vínculo instantâneo entre seu filho com autismo e seu novo gato, mas o vínculo permaneceu forte com o passar do tempo e a ansiedade da criança diminuiu com o tempo.

No estudo, as famílias que tinham crianças com autismo entre 6 e 14 anos foram recrutadas pelo Centro Thompson de MU para Autismo e Desordens do Neurodesenvolvimento e monitoradas após a adoção de um gato em sua casa.

Os gatos foram examinados quanto ao temperamento para garantir que estivessem calmos e fossem uma boa combinação para a família.

As famílias não apenas relataram um vínculo instantâneo entre seu filho com autismo e seu novo gato, mas o vínculo permaneceu forte com o passar do tempo e a ansiedade da criança diminuiu com o tempo.

“Descobrimos que o principal benefício desses animais de companhia é sua aceitação incondicional”, disse Carlisle.

“Algumas crianças com autismo podem ter problemas sensoriais ou ser sensíveis a ruídos altos, então um gato pode ser um animal de estimação adequado e reconfortante para algumas famílias devido à sua presença calmante.”

Ajudar as famílias a fazer a melhor escolha para seus filhos motivou a pesquisa de Carlisle com animais de companhia, e as descobertas do estudo destacam os benefícios da interação humano-animal.

“Como ex-enfermeira pediátrica, sempre me esforcei para ajudar as crianças, e uma coisa que aprendi é que você precisa envolver os pais para que eles possam fazer escolhas informadas para seus filhos”, disse Carlisle.

“Vejo os animais de estimação como uma forma de melhorar o bem-estar e é gratificante prestar assistência às famílias que têm muito o que fazer”.

FONTE: O “Estudo exploratório da adoção de gatos em famílias de crianças com autismo: impacto nas habilidades sociais e ansiedade das crianças” foi publicado recentemente no Journal of Pediatric Nursing . O financiamento para o estudo foi fornecido pelo Human Animal Bond Research Institute e pela Winn Feline Foundation.

*DA REDAÇÃO RH. Com informações NN.. Foto de Daria Shatova no Unsplash.

VOCÊ JÁ VISITOU O INSTAGRAM E O FACEBOOK DO RESILIÊNCIA HUMANA?

SE TORNE CADA DIA MAIS RESILIENTE E DESENVOLVA A CAPACIDADE DE SOBREPOR-SE POSITIVAMENTE FRENTE AS ADVERSIDADES DA VIDA.

RECOMENDAMOS









Bem-estar, Autoconhecimento e Terapia