FIBROMIALGIA, A DOR QUE NINGUÉM VÊ.

Fany
frau schaut besorgt nach unten

Fibromialgia, a doença que dói tanto quanto a incompreensão. Muitas pessoas não fazem a minima ideia do que é fibromialgia, e muito menos do estrago que ela faz com quem de fato tem essa doença. Bom, pra começar, você precisa entender quais são os sintomas da fibromialgia:

Dor generalizada: a dor associada à fibromialgia é constantemente descrita como uma dor presente em diversas partes do corpo e que demoram pelo menos três meses para passar.

Fadiga: pessoas portadores dessa síndrome frequentemente acordam já se sentindo cansadas, mesmo que tenham dormido por muitas horas. O sono também é constantemente interrompido por causa da dor, e muitos pacientes apresentam outros problemas relativos ao sono, a exemplo da apneia, insônia e síndrome das pernas inquietas.

Dificuldades cognitivas: para os portadores de fibromialgia, é mais difícil se concentrar, prestar atenção e focar em atividades que demandem esforço mental.

Dor de cabeça recorrente ou enxaqueca clássica, dor pélvica e dor abdominal sem causa identificada (Síndrome do intestino irritável)

Problemas de memória e de concentração.

Dormência e formigamento nas mãos e nos pés.

Palpitações.

Redução na capacidade de se exercitar.

Alguns dos sintomas citados no site Minha Vida.

Bom, eu nunca fui uma pessoa completamente saudável, não me lembro de ter ficado um ano inteiro sem dores no meu corpo, sem tontura ou simplesmente uma fraqueza, por muito tempo acreditei que era normal, e até mesmo um reflexo do que vivia, pois desde muito nova tenho ansiedade generalizada e depressão.

E também desenvolvi transtornos alimentares desde os meus 11 anos de idade, também sempre tive muitos problemas com cólicas menstruais, sentia tanta dor que não conseguia ir a escola ou qualquer outro lugar daquela forma, e então soube que poderia ter ovário policístico, também tive muitas crises de anemia, dai que veio toda a fraqueza e cansaço que eu sentia.

Me lembro de ter dores no corpo desde sempre, mas como eram dores suportáveis e nunca ligaram para isso, eu também não me importava tanto.

Mas o ano de 2018 a história mudou.

Alias, a minha vida mudou, aqui e aqui eu conto o que aconteceu, mas basicamente foi que pela primeira vez na minha vida viajei para longe dos meus pais, morei em torno de 6 meses no Rio Grande do Sul na casa do meu namorado, com os pais dele e a minha melhor amiga que é irmã do meu namorado (confusão)!

Eu nunca tinha ficado tanto tempo longe dos meus pais, sempre fui muito dependente deles, então essa fase foi muito desafiadora para mim.

Então, voltamos para minha cidade, Ribeirão Preto, foi onde começou a mudar ainda mais.

Tinha casa para cuidar, um relacionamento para cuidar e fortalecer ainda mais, uma empresa para gerenciar e encontrar formas de crescer no mercado.

Confesso que era muita coisa para mim, eu já estava em crise de ansiedade muito forte e foi nesse período que voltei a engordar e ter crises de compulsão.

Comecei a ter crises de labirintite, horríveis.

Todos os dias com tonturas muito fortes, de não conseguir ficar em pé e nem com os olhos abertos, enxaquecas muito fortes, enjoos fortes e mal estar que não dá nem para descrever.

Passei pela emergência, consultas médicas e nada, nenhum remédio de fato ajudou, Foram meses horríveis, em torno de 2 meses diretos.

Eu já não conseguia mais cuidar da minha casa, não conseguia realizar o minimo das tarefas diárias no trabalho, o relacionamento começou a ficar mais difícil, pois o tempo todo estava com todos esses sintomas.

E do nada, sem explicação, depois de longos dois ou três meses, melhorou muito. Sim, todos esses sintomas da labirintite diminuíram muito, eu já conseguia viver com eles muito melhor.

Mas, para a minha tristeza, não demorou muito para tudo piorar.

Comecei a sentir muitas dores nos braços, nos pulsos, nas mãos e até mesmo nos dedos, eu e meu namorado começamos a acreditar que seria uma tendinite, por eu trabalhar com computador, e porque nessa fase que me senti melhor, realmente trabalhei bastante no computador.

Então, logo fomos na farmácia mais próxima de casa e o farmacêutico passou um remédio sem receita para dores musculares, e também compramos aquelas munhequeiras, duas.

No que contabilizaram um valor bem considerável no final das contas, mas ok, tudo para ficar bem e sem dores.

Usei pouquíssimas vezes a munhequeira, mas, o remédio tomei por mais ou menos duas semanas, e nada mudou.

As dores foram se espalhando por todo o corpo, da cabeça aos pés.

Era infernal, eu não conseguia entender o que estava acontecendo, como pode alguém estar com tendinite no corpo inteiro?

Comecei a relatar todas essas dores ao meu namorado, que também não conseguia entender a causa disso.

Mas, ele sugeriu que poderia ser sedentarismo, já que faz um bom tempo que não pratico exercícios físicos, mas eu sabia que era quase que impossível sentir tanta dor sendo apenas sedentarismo.

Foi quando decidi começar a pesquisar esses sintomas, que não era somente as dores físicas, mas também fadiga, muito cansaço, dificuldade para dormir, enxaquecas, tonturas (mais leves do que antes), palpitações fortes, dormência e muito formigamento nas pernas e muitas vezes nos braços também, diarreia, constipação, azia, enjoos fortes, e muito mal estar.

E descobri a tal da fibromialgia, comecei a orar muito para não ter essa doença, que é completamente horrível, é uma doença que ainda causa frustrações e dúvidas até mesmo para os médicos e pior, não há cura.

Descobri pela reumatologista que todos os meus sintomas realmente são da fibromialgia, ainda estamos fazendo exames.

As dores muitas vezes são insuportáveis, muitas vezes tenho que ficar de cama por horas e horas, até eu me sentir minimamente melhor para fazer algo, até mesmo ir beber uma água ou usar o banheiro.

As dores são em diversos lugares do corpo, cada dia um ou mais locais doem mais.

Eu realmente não sei descrever essas dores, não são como as dores de quando ficamos muito tempo na academia e saímos de lá exaustos, são muito piores.

Costumo a dizer que parece que caminhões passam por cima de mim diariamente.

Eu nunca sei como vai ser o dia de amanhã, se amanhã eu vou conseguir trabalhar ou se quer preparar o nosso almoço.

Quando me sinto um pouco melhor, procuro fazer tudo que posso, porque sei que são raras as vezes.

Essa doença está prejudicando muito a minha vida, antes dela, eu estava motivada a ser a melhor versão de mim.

E mesmo depois, ainda sim penso nisso, mas o desanimo é imenso, como ser a melhor versão de si mesma quando você está debilitada?

Levantar da cama é um imenso esforço, não por preguiça, mas porque as dores são muito fortes, e o mal estar não nos deixa em paz.

Não é uma tarefa fácil ter que lidar com essa doença, parte do tratamento é se exercitar, como conseguirei me exercitar se muitas vezes eu não consigo nem andar?

É difícil entender o porque fui uma das escolhidas para ter que conviver com essa doença, mas quero acreditar que Deus não nos dá um fardo maior que possamos aguentar.

Muitas pessoas não acreditam. Outras nem sabem que existe essa doença.

Acham que é frescura e preguiça, como pode alguém sentir tanta dor?

Você quer estar assim! Isso é besteira. É sedentarismo, é porque tá gorda! Se emagrecer melhora.
Não, não é bem assim, mas eu gostaria que fosse, seria mais fácil.

A incompreensão dói tanto quanto os sintomas, dizem que essa doença causa depressão, acho que comecei a entender o porque, além de na maior parte do tempo estarmos sozinhos, acamados.

As pessoas ainda não nos entende, se afastam e preferem acreditar que somos loucos e preguiçosos, ao tentar entender ou ajudar de alguma forma.

Eu realmente queria estar falando de algo muito feliz ou estar contando sobre algo que conquistei.

Mas eu acho importante dividir com vocês de alguma forma, o que é fibromialgia e como uma pessoa que tem essa doença se sente, eu acredito que as pessoas que realmente entendem são as que tem essa doença, pois elas sabem como é viver com essa dor, e se você é uma dessas pessoas, te desejo o melhor, desejo que você continue sendo forte. Se você tem alguém no seu dia a dia que tem essa doença, dê o seu melhor, não duvide, ajude no que puder e tente compreender.

Eu estou procurando formas de conseguir viver com a fibromialgia, e sempre estarei trazendo aqui, tudo que eu descobrir, e relatos do que estou vivendo. Se você leu até aqui, muito obrigada. Muita luz para a sua vida!

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS







COMENTÁRIOS




Fany
Fotografa que é apaixonada pela arte e pela mente humana. Pisciana, sonhadora que facilmente se encanta com as coisas mais simples. Ama café, seriados e filmes.