Família manipuladora: quando o problema está em casa

Resiliência Humana

Por: Rincón de la Psicología

Os laços mais tensos surgem dos laços afetivos mais intensos. E quanto mais fortes esses laços, mais danos eles podem causar a nós. Embora nem sempre tenhamos consciência deles. Na verdade, em muitos casos, o pior tratamento origina em nosso ambiente imediato, o núcleo deve ser a nossa fonte de segurança e validação emocional, mas acaba se tornando uma fonte inesgotável de preocupação, ansiedade, da opressão e da culpa.

A dinâmica das famílias manipuladoras

Em alguns casos, em vez de se referir aos próprios manipuladores, é possível falar de famílias manipuladoras, já que uma dinâmica de controle e submissão é desencadeada dentro delas. Na prática, os membros da família começam a seguir um padrão de comportamentos manipulativos.

Dentro da família disfuncional, um mecanismo de manipulação é estabelecido por meio do qual um ou vários de seus membros são controlados. Esse tipo de manipulação pode adquirir diferentes nuances. Uma das dinâmicas mais comuns é transformar um de seus membros no bode expiatório que levará todas as falhas da família. Essa pessoa será uma vítima do que é conhecido como o “efeito ovelha negra” e será sistematicamente culpado por todos os problemas que ocorrem dentro da família.

Outra dinâmica de manipulação bastante comum consiste em forçar um dos membros a assumir a responsabilidade de todo o núcleo familiar, seja no nível afetivo ou econômico – ou ambos -, recorrendo a sentimentos de culpa, chantagem ou simplesmente fazendo seu senso de responsabilidade. Nestes casos, a vítima carrega em seus ombros as responsabilidades e obrigações que, em uma família funcional, seriam distribuídas entre todos os seus membros proporcionalmente às suas capacidades.

A dinâmica da família manipuladora acaba por consolidar um equilíbrio doentio no qual um de seus membros é “esmagado” sob o peso de outros. Em alguns casos, o “peso” é mais evidente, uma vez que se traduz em insultos, humilhações e desvalorizações, mas em outros casos é muito mais sutil e pode até ser mascarado, cujo verdadeiro objetivo é fazer com que essa pessoa ainda sujeito à manipulação, continuar a atuar como o principal provedor do núcleo familiar. De fato, a vitimização é uma estratégia manipuladora usada por famílias manipuladoras para controlar a vítima real.

Às vezes, essa manipulação não é exercida de maneira totalmente consciente. É provável que os membros da família comecem a depender mais e mais de um, para se estabelecer nessa situação e a manipulação se torne a única maneira que eles encontram para manter o estado de coisas. Afinal, nosso medo de sair da zona de conforto pode nos fazer preferir um “mal conhecido pelo bem a ser conhecido”, que perpetua a situação de manipulação. Em outros casos, essa manipulação pode ser consciente e é até provável que alguns membros da família “se alinhem” para manter o outro ou os outros submissos.

Por que é tão difícil reconhecer a manipulação familiar?

Existem dois grandes obstáculos que dificultam a detecção de uma família manipuladora:

  1. Os laços emocionais profundos. A família deve ser uma das nossas principais fontes de segurança emocional, onde devemos nos sentir compreendidos, aceitos e amados. Isso nos leva a estabelecer laços emocionais profundos que, em muitos casos, nos impedem de ver a realidade como ela é. Em muitos casos, a pessoa que é vítima de uma família manipuladora se recusa inconscientemente a reconhecer a realidade porque isso implicaria reconhecer que essa fonte de segurança transmutou em uma fonte de opressão e angústia. Implica também reconhecer que as pessoas em quem você confiava tiraram proveito dessa confiança. E isso representa um golpe na nossa visão de modo que muitas vezes nos leva a repensar muitas das nossas certezas, comportamentos e sentimentos.
  2. A crença na família como uma unidade sagrada. A firme crença de que a família é uma unidade sagrada pode nos levar a superar algumas barreiras que nunca cruzaríamos com outras pessoas. Pensar que esses elos são indissolúveis pode fazer com que alguns se aproveitem dos outros, e outros se deixem aproveitar por alguns.

A manipulação da família não é boa para ninguém

Manipular famílias cria uma dinâmica que não é positiva para ninguém. Uma relação de dependência tóxica é estabelecida em que a vítima é drenada emocionalmente e os manipuladores ficam apertados e não só param de crescer no nível pessoal, mas também tendem a involuir.

A vítima de uma família tóxica verá como suas responsabilidades e obrigações aumentam a cada dia que passa. É provável que seus familiares exijam cada vez mais dele e se mostrem cada vez mais descontentes e insatisfeitos com sua dedicação. Essa pessoa se sentirá angustiada e irritada, mas é provável que nem mesmo compreenda de onde vêm esses sentimentos, o que por sua vez gerará mais conflitos dentro da família. Uma vez que sua liberdade pessoal é cortada, a vítima não poderá continuar crescendo devido ao arraste que carrega.

Por outro lado, embora a princípio possa parecer que os membros da família manipuladora são os que ganham nessa dinâmica, na realidade eles também são perdedores. Eles perdem porque se tornam dependentes, porque de certa forma estão condicionando sua vida à vítima, e porque recusam a possibilidade de desenvolver as habilidades necessárias para enfrentar os problemas e os conflitos da vida por si mesmos.

Como acabar com a dinâmica da manipulação familiar?

Talvez um dos passos mais libertadores, mas também mais difícil de ser dado, é assumir que os laços familiares não precisam ser indissolúveis, especialmente quando se tornam uma corda que aperta cada vez mais forte. Como o escritor Richard Bach disse: “o vínculo que une você à sua verdadeira família não é o do sangue, mas o do respeito e da alegria que você sente por suas vidas”.

A família, embora não esteja isenta de conflitos, deve ser um refúgio onde encontremos compreensão e amor. Cada membro da família deve assumir suas responsabilidades, respeitar os outros, apoiá-los e, acima de tudo, deixar-lhes a liberdade de que precisam para que todos possam crescer em sua própria direção.

A terapeuta familiar Virgina Satir apontou: “Sentimentos valiosos só podem florescer em um ambiente onde as diferenças individuais são apreciadas, erros são tolerados, onde a comunicação é aberta e as regras são flexíveis, o tipo de ambiente encontrado em uma família carinhosa “.

Quando a família se torna uma fonte de opressão, tensão e manipulação, os limites devem ser definidos. Você precisa ser claro sobre os seus pontos vermelhos, aqueles que você não está disposto a passar para outros. E você precisa que os outros membros da família sejam claros de que você não permitirá que eles ultrapassem esses limites.

Se você considera que certas dinâmicas familiares são prejudiciais, não deixe que ela se torne um elefante na sala, retire-a, proponha idéias para solucioná-la e ouça a perspectiva e as propostas dos outros atores. Não se sinta culpado por não querer carregar um peso que não corresponda a você. Afinal, uma família em que cada um de seus membros trabalha para amadurecer e assumir suas responsabilidades é uma família mais enriquecedora para todos.

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS







COMENTÁRIOS




Resiliência Humana
Bem-estar, Autoconhecimento e Terapia