Quando o nosso cérebro procura alguém para culpar é um sinal de que fomos incapazes de assumir nossos próprios erros.

Por Valeria Sabater

Existem pessoas incapazes de assumir os próprios erros. Assim, em vez de assumir a responsabilidade por suas ações, eles projetam a culpa nos outros.

Este ato responde a uma estratégia do cérebro para evitar enfrentar a realidade.

Nem sempre percebemos, mas acontece. O cérebro procura alguém para culpar pelo que acontece conosco. Não importa que sejam erros triviais e sem grande importância … Encontrar os responsáveis ​​pela nossa tristeza, azar ou contratempos do destino é um poderoso mecanismo de defesa, pois despejamos aspectos que, às vezes, nos preocupam, nos ombros dos outros.

Se meu parceiro me deixa durante a noite, por exemplo, minha mente sussurra que provavelmente há uma terceira pessoa. Nem sempre é fácil aceitar que às vezes o amor se desgasta, e se desvanece.

Assim, caso eu seja reprovado em um exame, a responsabilidade é daquele professor que não gosta de mim. Encontrar bodes expiatórios é quase uma constante para muitas pessoas.

O jogo da culpa é semelhante a ligar um ventilador e distribuir aleatoriamente a responsabilidade pelo que acontece conosco.

Há aqueles que o fazem de forma mais declarada e outros, por outro lado, são muito mais contidos e são capazes de realizar um ato de ponderação valiosa e refletir antes de apontar o dedo.

No entanto, esse fenômeno é mais comum do que pensamos e tem uma origem recorrente por trás dele: a má gestão emocional.

Quando as coisas acontecem de maneira oposta ao esperado, precisamos encontrar um significado para o que aconteceu. E isso às vezes acontece culpando alguém.

Por que o cérebro procura alguém para culpar pelo que acontece conosco?

Ao caminharmos pela rua, escorregamos ao pisar nas folhas caídas de uma árvore. Ao nos recompormos após a queda, irritados por chamar a atenção dos outros, furiosos talvez por termos feito papel de bobo, dizemos a nós mesmos que a cidade é a culpada de tudo. Esse órgão local é quem deve cuidar de manter o pavimento limpo e recolher tudo o que está no solo.

Encontrar culpados às vezes é mais fácil do que presumir evidências: a falta de sorte existe e nem sempre é possível encontrar culpados para tudo. Muitas vezes o melhor é assumir os nossos erros e seguir em frente.

Tem coisas que acontecem e é isso.

Há momentos em que a vida traz infortúnios casuais e arbitrários que é inútil encontrar alguém responsável. No entanto, o cérebro precisa procurar alguém para culpar pelo que nos acontece.

De alguma forma, a mente é governada por aquele equilíbrio sucinto em que a realidade segue uma causa e um efeito . Se algo acontece é porque há um motivo.

Além do mais, a causa que deu origem a este infortúnio pertence a outros (nunca a mim) porque com ela, também superamos as emoções negativas, a raiva daquela queda, a raiva por termos feito papel de bobo no meio da rua.

Por que o cérebro joga o jogo da culpa?

O cérebro busca alguém para culpar pelo que nos acontece e isso é algo que, em média, tende a acontecer com mais frequência do que pensamos. Tanto é verdade que os meios de comunicação de massa sabem e fazem uso disso.

Em estudo realizado na Universidade de Amsterdã, constatou-se que os jornais mais sensacionais tendem a buscar uma estratégia: fazer com que a população procure um culpado de tudo o que acontece.

E esse culpado são sempre as grandes elites ou um determinado partido político. Desta forma, este processo não só pode ser manipulado, mas é um recurso que utilizamos quase inconscientemente pelos seguintes motivos:

-Ele atua como um mecanismo de defesa.

-Transferir a culpa para os outros me livra de minha responsabilidade.

-A culpa é um recurso de ataque, com ela procuramos ferir os outros quando estamos com raiva.

Em média, somos muito ruins em analisar por que certas coisas acontecem. Deixamo-nos levar por preconceitos, – e, por aquele raciocínio rápido que não reflete nem medita sobre as coisas.

Tudo que é negativo nos incomoda … Eu não fui!

Existem aqueles que caminham pelo mundo com o controle emocional de uma criança de 3 anos. Eles são intolerantes à frustração, escapistas da responsabilidade e alérgicos a emoções negativas.

Quando cometem erros, quando acontece algo sobre o qual não têm controle, eles canalizam sua raiva à procura de culpados, enquanto repetem para si mesmos que “não fui, não fui”.

Essa baixa tolerância ao erro, a parte incontrolável da vida e dos infortúnios, os torna sujeitos a um estado de raiva constante.

São situações muito problemáticas; tanto para si como para o seu ambiente.

O que fazer quando o cérebro procura alguém para culpar pelo que acontece conosco?

Quando o cérebro procura alguém para culpar pelo que nos acontece, devemos tomar consciência disso.

A mente é composta de múltiplos mecanismos de defesa dos quais não temos consciência.

Nós nos deixamos levar por pensamentos irracionais, por ideias como “se isso aconteceu comigo, é por causa de algo e alguém é o culpado”.

Portanto, antes de procurarmos bodes expiatórios, vamos refletir.

Antes de olhar para os ombros dos outros, mesmo dos escalões mais altos, da nossa sociedade ou dos políticos, pensemos até onde vai a nossa responsabilidade.

Antes de ligar o ventilador para distribuir a culpa, vamos nos concentrar em nós mesmos e encontrar soluções para o que acontece conosco. É a única forma de vencer, ser responsável e vencer no bem-estar.

*Foto de Jeffrey Wegrzyn no Unsplash

*DA REDAÇÃO RH. Com informações LMM.

VOCÊ JÁ VISITOU O INSTAGRAM E O FACEBOOK DO RESILIÊNCIA HUMANA?

SE TORNE CADA DIA MAIS RESILIENTE E DESENVOLVA A CAPACIDADE DE SOBREPOR-SE POSITIVAMENTE FRENTE AS ADVERSIDADES DA VIDA.

RECOMENDAMOS









Bem-estar, Autoconhecimento e Terapia