Eu só fico aonde não tenho que fingir

Resiliência Humana

Eu só fico aonde não tenho que fingir

Por Saa Espejo

Muitas vezes, para ser aceito por certas pessoas, para sentir que pertencemos a alguma coisa, podemos adotar interpretações que não necessariamente têm a ver com quem realmente somos.

Obviamente, cada um de nós se ajusta a diferentes ambientes e talvez não possamos agir da mesma maneira em nosso local de trabalho, em um almoço com amigos ou em um funeral, e essa adaptação não está associada a fingir, mas a uma adaptação do que que estamos em diferentes espaços e situações.

Se o que fazemos não tem nada a ver conosco e simplesmente vai contra o que nos faz sentir confortáveis ​​e calmos, podemos dizer que estamos fingindo, geralmente para gerar um efeito em outra pessoa.

Nesse caso, estamos perdendo um pouco de nossas vidas que não vamos recuperar, estamos deixando de ser nós mesmos, com uma atitude que presumimos ser mais adequada às expectativas de outras pessoas.

Seja você mesmo

Mas você sabe o que você é?

Não chegamos a ser o que os outros querem que sejamos, não paramos de ser nós mesmos para agradar alguém.

Chegamos a nos conhecer, a ter orgulho de nos mostrar com nossos defeitos e virtudes e a propor melhorias em quem somos, porque decidimos isso, não porque alguém está nos condicionando ou não nos aceita como somos.

A aceitação começa em nós mesmos

Se não nos aceitamos, não podemos fingir que os outros nos aceitam. Às vezes, não é sobre os outros, mas sobre nós.

Assumimos que o que somos não será suficiente ou não será adequado e nos limitamos e fingimos, com base em uma série de crenças que não nos favorecem e não necessariamente coincidem com a realidade.

Mostrar respeito, amor, admiração por nós mesmos, mesmo quando sentimos que estamos constantemente mudando e que precisamos muito de muito para chegar onde estamos, se traduz em uma boa parcela de aceitação. E se, de todos, nem todos nos aceitam sendo quem somos em um determinado ambiente, certamente não pertencemos a esse lugar.

Nada forçado flui naturalmente

Se tivermos que parar de ser nós mesmos, forçando a aceitação dos outros, certamente não nos sentiremos à vontade e essa é a melhor indicação de que não estamos fluindo da melhor maneira possível com a experiência.

Vamos aprender a nos conhecer e a saber quando estamos nos machucando, fingindo algo que não somos.

Ninguém é melhor ou pior do que outra pessoa, simplesmente cada ser é único e, se não for a nós mesmos ou o ambiente em que estamos desenvolvendo, ele falha em apreciar o quanto somos valiosos e notáveis, uma revisão certamente será conveniente.

Obviamente, não podemos mudar diretamente o que os outros pensam de nós, mas quando perdemos a necessidade de nos sentirmos aceitos e valorizados por outra pessoa e cuidamos de fazê-lo sozinhos, percebemos que não precisamos fingir o que não somos … principalmente com aqueles que costumavam nos dar essa impressão.

Somos criadores da nossa realidade e tudo começa e termina em nós mesmos.

*Via Rincon del Tibet. Tradução e adaptação REDAÇÃO Resiliência Humana.

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS







COMENTÁRIOS




Resiliência Humana
Bem-estar, Autoconhecimento e Terapia