No último domingo, fui à igreja com uma amiga. Enquanto assistíamos ao culto dos jovens, sua filha estava fazendo alguns desenhos. Em de seus desenhos, a garotinha encontrou dificuldades para terminá-lo, então a pequena disse à mãe: “Mamãe, não consigo desenhar tal coisa.” Por sua vez, minha amiga respondeu: “Filha, nunca diga que não sabe fazer algo. Você vai conseguir. Você sabe fazer.” Além da garotinha emanar pensamentos negativos, claro, inocentemente, me chamou atenção o que minha amiga disse a ela.

Às vezes somos nosso próprio inimigo. Nos autossabotamos quando pensamos que não vamos conseguir fazer algo. Uma vez que fazemos isso, emanamos energias negativas á nos mesmos. E quando fazemos isso, encontramos mais dificuldade ainda.

Precisamos nos tratar com mais amor, e ter mais paciência com nossos aprendizados. Achei incrível a forma como minha amiga chamou atenção de sua filha.

Além de ensinar nossas crianças desde cedo que não existe a palavra “impossível”, como adultos, temos que aplicar em nossas vidas os mesmos ensinamentos que passamos aos nossos.

É inevitável que encontremos dificuldade no caminho, entretanto, devemos acreditar em nós mesmos, dizendo a nós mesmos “eu quero, eu posso e eu consigo.” Uma vez que fazemos isso, depositamos confiança em nos mesmos para enfrentar qualquer tipo de dificuldade. Isso nos fará audazes.

O importante é ter vontade de tentar.

Dificuldades fazem parte do processo de aprendizado, contudo, quando você aprende a fazer algo, jamais se esquece. É igual andar de bicicleta. Nas primeiras pedaladas, você precisará de apoio para sair do lugar, mas quando tiver pratica, andará sozinho, e jamais se esquecerá.

Lembre-se que acreditando em si, você será seu melhor amigo, e sua mente encontrará motivação para aprender coisas novas.

A força está dentro de você.

RECOMENDAMOS









Estudante de jornalismo, radialista por amor, escritora nas horas vagas. Adora das boas risadas, costuma passar os domingos de pijama assistindo filmes e séries. Apesar de não curtir baladas, é incapaz de recusar uma rodinha de violão, e para pra cantar junto. Mesmo desafinada, garante que é simplicidade em pessoa.