Eu não sou uma rainha do drama, tenho ansiedade

Resiliência Humana
Depressed woman with head in hands

A primeira vez que pensei ter ansiedade foi quando estava na faculdade, quando todos ao meu redor estavam ansiosos; o estresse de morar longe de casa, tarefas atrasadas, complicações em relacionamentos românticos, ganho de peso inexplicável e sentir-se inadequado em relação a tudo.

Por Anjana Rajbhandary

Pelo menos, meus anos de faculdade foram mais simples porque as mídias sociais não haviam assumido.

Meus amigos e eu não estávamos documentando tudo o que fazíamos, gostávamos das coisas conforme elas aconteciam.

Lembro-me de sentir-me triste quando ganhei um peso significativo e sabia que, se perdesse esse peso, tudo ficaria bem de novo. Eu estava engordando e confusa, eu sabia que, eu comia meus sentimentos.

Eu não tinha nenhum controle emocional, e toda vez que alguém me oferecia uma crítica construtiva, eu atacava.


Desde cedo, sempre tive medo do futuro e do desconhecido. Eu estava preocupada com o que aconteceria a seguir. Eu nunca conseguia explicar por que me sentia assim, mas começou quando meu pai estava atrasado e eu temia que algo acontecesse com ele.

Então ele chegava em casa e eu me lembro de pensar que era uma preocupação inútil. Eu sempre entrava em pânico antes de um exame, e uma vez terminado, eu me sentia bem. Eu pensava que era normal. Mas não era!

Eu até fiz psicologia na faculdade para me entender, para entender todos os meus medos, pensamentos e sentimentos. Eu entendi que havia tantas pessoas como eu, mas eu não sabia como acabar com esses pensamentos intermináveis ​​em minha mente que me mantinha acordada por horas à noite. Eu ficava ruminando tudo.

Sempre que eu estava voando em qualquer lugar, eu me perguntava se meu avião pousaria em segurança, toda vez que eu estava em uma viagem eu me perguntava se eu iria encontrar um serial killer na estrada.

Eu sempre fui muito cautelosa e paranoica, mas o lema da minha vida era ‘segurança em primeiro lugar’. Fiz listas de tudo, e verificava tudo o tempo todo.

Meu medo da incerteza e do desconhecido começou a se manifestar em outras áreas da minha vida. Eu estava com medo de me comprometer com alguém, porque e se não desse certo ou se ele me deixasse; mais importante, e se eu estivesse com a pessoa errada?

Eu queria me apaixonar, mas estava com muito medo de que alguém partisse meu coração. Eu deixei todos antes que eles tivessem a chance de me deixar. Eu estava com medo do abandono. Meus ex pensaram que eu era egoísta.

Eu questionei todo trabalho que eu já tive. Eu trabalhei duro e fiz bem, na maioria das vezes, mas eu sempre pensei: e se isso não é o que eu estou destinado a fazer?

Eu não conseguia encontrar satisfação em nada, eu sempre senti que algo estava faltando. Recusei a maioria das entrevistas porque não senti que era o trabalho certo para mim ou cancelei-as no último minuto com alguma desculpa. Eu estava com medo do fracasso.

Meu hábito de checar tudo, ter um cronograma para tudo na minha vida me fez sentir que eu estava mais no controle da minha vida, mas todo mundo achava que eu precisava ser mais espontânea.

Eu planejava tudo; Eu não queria apenas fazer as coisas, porque e se eu não estiver preparada ou segura, certo?

Eu tenho ansiedade e detesto isso. As pessoas pensam que eu sou melodramática quando tenho dificuldade em passar o dia sem me assustar. Eu mantenho tudo muito bem em público, mas quando estou sozinha, estou sempre com tanto medo de todas as coisas ruins que podem acontecer.

Todas as manhãs quando eu acordo, eu não gosto de sair da cama, estou com medo de enfrentar o dia, mas eu faço isso.

Eu faço uma lista de coisas para realizar todos os dias e a única coisa que me faz feliz é atravessar essas coisas da lista.

Ando de bicicleta quase todos os dias rezando para que algum dia essa ansiedade me abandone e eu possa relaxar.

Quando estou perto de pessoas, faço piadas e lhes conto histórias engraçadas porque gosto de fazer as pessoas rirem e esquecer o que está acontecendo em minha mente, mas por dentro estou morrendo – sabendo como todos os medos que tenho são completamente irracionais, mas por algum motivo, não consigo superá-los.

Quando eu era mais jovem, eu pensava que ganhar peso era a razão de toda a minha ansiedade e eu assumi que, se eu perdesse esse peso, eu estaria bem de novo, mas mesmo perdendo peso e alcançando meu objetivo, eu não estou no meu estado de espírito desejado. Eu luto com a ansiedade todos os dias e as pessoas pensam que eu quero atenção, mas eu tenho medo do desconhecido.

Às vezes é tão difícil. Eu choro sozinha sem motivo e em poucos minutos me sinto bem e me sinto boba por chorar.

Eu vou te dizer que quando eu sofro esses ataques de ansiedade, nada faz sentido – não vejo lógica ou racionalidade no mundo – eu me sinto completamente consumida pelo sentimento que parece nunca acabar. Eu digo a mim mesma que isso também passará e nunca mais acontecerá, mas volta.

É difícil explicar isso à família e aos amigos sem que eles tenham pena de mim ou achem que há algo errado. Ter que explicar isso para eles é desgastante. Está drenando minha alma. É uma tarefa cansativa ter que lidar com isso todos os dias e ter que explicar aos seus entes queridos sem me sentir como uma pessoa louca.

Eu não sou uma rainha do drama, tenho ansiedade e às vezes é um desafio passar pelo dia.

O amor que recebo das pessoas é a única coisa que me ajuda a superar esses incontáveis ​​incômodos de ansiedade – sabendo que, não importa o que aconteça, eu terei que carregá-la nas minhas costas. A única coisa que me faz continuar é saber que há pessoas que me amam, mesmo que nunca entendam como estou me sentindo…

Fonte: Thought Catalog. Livremente traduzido e adaptado por: Resiliência Humana

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS







COMENTÁRIOS




Resiliência Humana
Bem-estar, Autoconhecimento e Terapia