Estudo revela que cães podem ajudar crianças com autismo e síndrome de Down!

Resiliência Humana

Mais uma razão para amar os cães. A pesquisa revela como cães de terapia podem ajudar crianças com autismo e síndrome de Down.

Cerca de um mês atrás, eu (de alguma forma) inesperadamente peguei um filhote e, quando ela não está correndo e causando estragos no meu apartamento, ela é uma fonte incrível de alegria.

Os cães são conhecidos pela positividade que trazem para a vida das pessoas, e as pesquisas geralmente mostram que diminuem a ansiedade e o estresse dos proprietários.

Eu já estava certa disso, então comecei a pesquisar estudos mais recentes sobre como os cães nos afetam, e me deparei com um trabalho interessante de uma equipe na Holanda que se concentraram no impacto da terapia assistida por cão (DAT) em crianças com transtorno do espectro do autismo (TEA) e síndrome de Down (DS) – distúrbios genéticos que afetam o desenvolvimento cognitivo e socioemocional.

Primeiro um pouco de conhecimento sobre ASD e DS, e por que os cães podem ser úteis:

Em 2018, o CDC informou que cerca de 1 em 59 crianças é diagnosticada com TEA e que os meninos têm quatro vezes mais chances de serem diagnosticados com autismo do que as meninas.

Cerca de 30% das crianças com TEA são consideradas intelectualmente incapacitadas, o que significa que o QI é inferior a 70 e 25% estão na “faixa limítrofe”, com um QI entre 71 e 85.

Além disso, as crianças com TEA têm maior probabilidade de ter transtorno de déficit de atenção (TDAH), ansiedade e distúrbios gastrointestinais, problemas crônicos do sono, epilepsia e esquizofrenia.

Síndrome de Down é o distúrbio genético mais comum, causada por uma cópia extra do cromossomo 21 (daí o outro nome, “trissomia 21”). Deficiência intelectual leve a moderada também é comum em pessoas com SD. Estudos de imagem cerebral mostraram que adultos com síndrome de Down têm um lobo frontal menor – a parte do cérebro responsável pelo controle emocional e uma ampla gama de habilidades cognitivas que incluem resolução de problemas, memória e linguagem.

Estudos também indicaram um cerebelo menor em pessoas com síndrome de Down.

O funcionamento normal do cerebelo é necessário para habilidades motoras como equilíbrio e coordenação. As crianças com síndrome de Down também estão em maior risco de uma série de problemas de saúde, incluindo defeitos cardíacos, cataratas, perda auditiva e um risco aumentado de desenvolver a doença de Alzheimer na idade adulta.

Embora existam muitas diferenças nos comportamentos de crianças com TEA e SD, algumas semelhanças estão na maneira como elas se socializam – especificamente com sincronia comportamental prejudicada. Sincronia comportamental é uma grande parte de ser humano – você mantém o tempo com outros humanos.

Por exemplo, você usa certos gestos ou posturas para indicar que está envolvido em uma interação e que está percebendo o estado mental da outra pessoa.

A mensagem para levar para casa com sincronia comportamental é que é incrivelmente importante para o desenvolvimento de uma criança – e para crianças que lutam com a sincronia comportamental, os cães podem ajudar a seguir adiante.

Estudos anteriores mostraram que a terapia assistida por cão (DAT) – onde cães e seus treinadores trabalham com crianças individualmente ou em pequenos grupos – ajudaram a aumentar o comportamento social de crianças com TEA.

As crianças começaram a iniciar mais o contato com o terapeuta e conseguiram manter o foco por períodos mais longos. Eles também mostraram uma melhora na auto-estima.

As crianças com SD também apresentaram melhor comunicação e foco e ficaram mais calmas.

Alguns desses estudos anteriores levantaram a hipótese de que essa comunicação e foco aprimorados vieram de cães-terapia, ajudando crianças com ASD e DS a estabelecer padrões de movimento síncrono (ou seja, melhorar sua sincronia comportamental).

A equipe de pesquisa na Holanda queria ver se esse era realmente o caso.

10 crianças participaram do estudo – 5 com TEA (1 menina, 4 meninos com idade média de 12 anos) e 5 com DS (1 menina, 4 meninos com idade média de 14 anos).

Participaram de 6 sessões semanais, com 30 minutos cada.

Durante a primeira parte de cada sessão (tudo sob a supervisão do terapeuta), uma criança liderava o cão com o qual eles estavam emparelhados através de exercícios simples ou tarefas repetitivas.

Durante a segunda parte, foi solicitado à criança que construísse uma pista de obstáculos e, em seguida, conduzisse o cão através dela, dando comandos como “sentar” ou “pular” (sobre uma barra colocada na pista). A criança foi instruída, pelo terapeuta, a assumir a liderança e a dar instruções claras ao cão durante toda a pista de obstáculos.

Um obstáculo adicional foi adicionado ao percurso a cada sessão, e as crianças sempre tiveram a liberdade de sugerir novos obstáculos ou tarefas para os cães.

Os autores usaram a análise de quantificação de recorrência cruzada (CRQA) para determinar a sincronia entre uma criança e seu cão de terapia ao longo das 6 sessões.

O CRQA permitiu que eles correspondessem ao movimento de crianças e cães em tempo real, bem como por um intervalo de 30 segundos (para acomodar respostas adiadas previstas para crianças com TEA e DS).

No final, 9 em cada 10 crianças apresentaram uma proporção significativamente maior de sincronia na última sessão de terapia em comparação com a primeira, tornando este o primeiro estudo a mostrar um aumento na sincronia através do DAT.

Em média, as 5 crianças com TEA mostraram mais sincronia com seus cães em comparação com as crianças com SD, e mostraram uma diminuição no que é classificado como “comportamento problemático” após as sessões do DAT, mas nenhum desses achados foi estatisticamente significativo.

Este foi um estudo pequeno – até os autores citam a importância de ter um tamanho de amostra maior para tornar as descobertas mais generalizáveis ​​e (espero) convincentes. Idealmente, eles também teriam tido mais de 6 sessões DAT, para determinar o número mínimo de sessões que produziriam os melhores resultados.

No final do dia, este trabalho fornece evidências preliminares interessantes de que a sincronia comportamental pode ser um mecanismo fundamental subjacente à efetividade do DAT para crianças com TEA e SD, e contribui para a conversa em andamento sobre formas variadas de terapia individualizadas para esses pacientes.

Que tal adotar um cãozinho para o seu filho ou filha? Só fará bem! A ciência explica!

*Tradução e adaptação REDAÇÃO RH. Com informações Psychology Today

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS




Resiliência Humana
Bem-estar, Autoconhecimento e Terapia