Estamos vivendo um período de carência coletiva. Todos querem ser ouvidos, mas a maioria não quer ouvir.

Kassia Luana

Estamos vivendo um período de carência coletiva. Todos querem ser ouvidos, mas não querem ouvir.

Todos querem receber atenção, mas se negam a dar.

Virou uma guerra de quem tem mais curtidas, mais seguidores.

Raramente alguém escuta o outro realmente.

Geralmente estão apenas esperando seu momento de falar.

Nos sites de notícias ou redes sociais, olham as imagens e o título, ignoram todo o restante e criam uma opinião “Pra lacrar”.

Se não concorda com a sua opinião, rotulam, te expõem, e seguem em frente com o peito cheio e cantando Vitória.

Roubam ideias, projetos, sonhos… A era do copiar e colar pra ganhar curtidas. Passam por cima de qualquer pessoa.

Brigam por política, artistas, opinam sobre fofocas de outras pessoas. O importante é a quantidade de like.

Durante 11 meses do ano é assim.

Mas note que essas mesmas pessoas, nas festas de final de ano, estão nas mesmas redes sociais em que “lacraram” durante o ano inteiro, reclamando de carência, abandono da família, solidão, falta de relacionamento, de trabalho, dinheiro…

A culpa é da crise, da incompreensão das pessoas, do governo, do ex patrão, do ex marido, da amiga “falsa”, do colega de trabalho… sempre tem um culpado. Já reparou?

Durante 11 meses a pessoa vibra na raiva, inveja, cobiça, ira. Magoa e fere a si e aos outros. Engana, trai… E no final do ano culpa aos outros pela solidão que passou um ano plantando, regando, cuidando.

Se você quer que o seu 2020 seja diferente, comece agora a plantar o perdão, o amor, a gratidão e, inevitavelmente, é isso que vai colher.

Espante a carência!

De atenção a si mesmo e as pessoas.

Respeite-se e todos respeitarão você.

Pare de buscar fora o que só você pode se dar. E eu garanto que nunca mais você vai culpar ninguém pela forma como anda sua vida. Você estará muito ocupado sendo feliz!

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS






COMENTÁRIOS




Kassia Luana
escritora, promotora de vendas e divulgadora Seicho No Ie (SNI). Apaixonada pela vida, acredito na auto cura, na gratidão e amor ao próximo.