Estamos desaprendendo a amar. Ninguém faz mais favor, apenas negócio.

Luciano Cazz
Zoe Kazan as "Emily" and Kumail Najiani as "Kumail" in THE BIG SICK. Photo by Sarah Shatz.

É quando nos negam amor que desperdiçam aquilo que temos de melhor: a nossa capacidade de amar.

Na ânsia de obter aprovação por tudo, serem protegidas e receberem amor, as pessoas ignoram uma das melhores capacidade do ser humano: AMAR. Então, tropeçam sobre o amor que sentem, desequilibram-se no trapézio desse sentimento tão lindo.

Algumas caem, outras desistem. Mas existem aquelas que simplesmente são incapazes de lidar o amor dentro de si. Medo, orgulho, falta de experiência ou de jeito mesmo.

E quando vê, despedaçou mais um coração aqui, esmagou outro logo adiante e, assim, em vez de construir uma incrível história a dois, desmoronam relacionamentos. E não é falta de amor, é falta de competência mesmo.

E esse amor incompetente causa lágrimas. Mais do que destruir uma relação, acaba com muitas famílias e até com vidas. São muitos “eu te amo” falados, escritos, representados no emojí que manda beijo com o coraçãozinho.

Entretanto, duas horas depois as pessoas já estão brigando, traindo, falando mal de quem se diz amar, enganando, dando uma rasteira histórica e até dizendo que odeia. Mas a noite amam novamente, para no dia seguinte se tratar mal, fazer joguinhos, ser falsos, contando mentiras inacreditáveis sem deixar de acreditar que amam.

O que acontece com o ser humano? Como conseguem chegar em casa beijar sua cara metade depois de passarem a tarde no motel com outra pessoa.

Como conseguem dar uma abraço apertado e fraternal depois de passarem o dia inteiro comentando com os outros o quanto acredita que a pessoa abraçada não presta.

Como falar que aquele amigo é um porre, sem deixar de conviver com ele. Como desejar feliz aniversário para alguém que não se cansa de fazer intriga contra.

Como querer tirar vantagem de alguém próximo, sempre à disposição para ajudar. Então, quando tem de agradecer, vende o convite que ganhou.

As pessoas desaprenderam a amar. Não existe mais favor, se não há alguma vantagem para uma troca, não se faz mais nada por ninguém.

A generosidade foi substituída por um negócio de interesses rasos. E a torcida é contra quem se diz amar, essa ânsia de desvalorizar as pessoas que mais lhe dão afeto para se sentir melhor consigo mesmas, como se a vaidade fizesse mais bem do que o amor.

É preciso acordar. Entender que todo mundo precisa de amor. Todos nós. É como um troca de favores.

Vamos compensando amores pela vida à fora, mas não de uma forma tão precisa, racional, pragmática.

Mais na linha gentileza gera gentileza, agora substitui por amor. Porém, não existe essa de querer receber sem dar. A matemática não precisa ser exata, mas tem que manter uma lógica de sentimentos, de gostar de quem gosta da gente e fugir de quem nos faz mal.

Querer amor, compreensão e proteção sem genuinamente ter bons sentimentos para jogar no universo, é uma atitude que pertence aos egoístas e interesseiros, às pessoas que prejudicam o funcionamento desse mundo com seu narcisismo disfuncional.

E, no fim das contas, elas são as mais prejudicadas, pois a sensação de ouvir um “eu te amo” é maravilhosa. Mas a de dizer, com toda a verdade, sem medo e sem culpa… Ah, essa sensação é infinitamente melhor e a única que nos preenche por completo, pois não é sendo amando, mas sim amando que a nossa alma consegue, finalmente, ficar em paz.

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS







COMENTÁRIOS




Luciano Cazz
"Luciano Cazz é publicitário, ator, roteirista e autor do livro A TEMPESTADE DEPOIS DO ARCO-ÍRIS." Quer adquirir o livro? Clique no link que está aí em cima! E boa leitura!