ESSE EXPERIMENTO SUGERE QUE NOSSA PERCEPÇÃO DA REALIDADE É UMA ALUCINAÇÃO

Resiliência Humana

PARA OS NEUROCIENTISTAS DE STANFORD, RATOS RESPONDERAM O POR QUE OS HUMANOS NÃO ALUCINAM O TEMPO TODO, ISSO SE DÁ POR CONTA DE UMA ALTERAÇÃO NOS NEURÔNIOS.

Alucinações: aqueles estados alterados de consciência que, segundo especialistas em saúde mental, dependem do contexto. Ou seja, desde que as alucinações não sejam o resultado do consumo de drogas ou álcool, sua origem pode estar relacionada a problemas de surdez, visão, amputações e sim, também a distúrbios mentais ou neurológicos.

Nos últimos anos, vários autores têm sido responsáveis ​​pelo estudo das causas e características das alucinações.

Foi descoberto que, ao estimular o cérebro por meios químicos ou magnéticos, esse órgão ativa certas regiões associativas – áreas responsáveis ​​pela integração de informações sensoriais – que marcam um erro ao sincronizar com a ativação de outras regiões do corpo e redes neurais.

É como se a informação transmitida na condução elétrica estivesse distorcida ao passar por diferentes áreas do corpo, o que invariavelmente causa falsas percepções.

No entanto, se as alucinações se tornarem um estado alterado de consciência, o que levaria um ser humano a tê-las com mais ou menos frequência?

A resposta pode estar nas alucinações de ratos

Para os neurocientistas da Universidade de Stanford, nos Estados Unidos, a resposta para a pergunta de por que os humanos não alucinam o tempo todo pode ser oferecida por ratos.

Karl Deisseroth, responsável pela investigação, descobriu que, ao estimular uma pequena quantidade de células nervosas – neurônios – no córtex visual do RATO, uma imagem ilusória poderia ser induzida em suas mentes e, consequentemente, em um comportamento previsível.

O objetivo do estudo foi obter maior clareza sobre o processo natural que codifica, decodifica e armazena informações no cérebro, além de compreender em casos psiquiátricos mais profundos como a esquizofrenia.

Dessa forma, a capacidade de controlar células diferentes pode ser descrita ao mesmo tempo, com a qual é possível fazer com que um animal perceba algo específico, mesmo que não esteja realmente lá – e cause uma ação com base na referida alucinação.

Deisseroth é especialista e pioneiro em optogenética, uma tecnologia que estimula neurônios específicos por meio de um movimento livre com pulsos de luz, para observar os efeitos no funcionamento do cérebro e no comportamento do animal.

No caso desta investigação, o cientista desenvolveu uma equipe com a qual os hologramas tridimensionais foram projetados acima e dentro do córtex visual de um rato.

Esses fótons ou hologramas foram apresentados em pontos muito precisos nos neurônios, para que a atividade neuronal resultante do evento pudesse ser monitorada.

Depois, um rato foi condicionado para que, quando um fóton de linha vertical fosse apresentado, bebesse de um tubo com água e, por outro lado, quando fosse de uma linha horizontal, não.

A partir desse condicionamento operante, o desempenho do RATO melhorou quando os elementos visuais e a estimulação optogenética eram consistentes.

Até o condicionamento ser “emparelhado”, a estimulação optogenética ocupava uma presença predominante na tomada de decisão dele.

O que outras pessoas estão dizendo

Se alterarmos 20 neurônios, nossa realidade poderá se tornar uma alucinação?

Para Deisseroth, esse experimento permitiu recriar a percepção natural ou criar algo semelhante à realidade e, para conseguir isso, bastava alterar apenas 20 neurônios.

Portanto, ao recriar uma percepção natural ou criar algo semelhante, 20 neurônios já foram identificados a partir do experimento com essas linhas horizontais ou verticais (embora a equipe não pudesse estimular cada uma dessas células de maneira optogenética).

Assim, a estimulação optogenética de 20 ou menos neurônios foi suficiente para fazer o rato responder com um comportamento apropriado ao condicionamento.

Nas palavras do autor:

É notável como alguns neurônios que você precisa estimular especificamente em um animal podem gerar uma percepção.

Um mouse possui milhões de neurônios; Um ser humano tem bilhões de neurônios. Se com apenas 20 anos você consegue criar uma percepção, por que não alucinamos o tempo todo? Nosso estudo mostra que o córtex dos mamíferos reage estimulando um número incrível de células.

Apesar dos avanços muito precisos que este estudo alcançou através da optogenética, é verdade que ainda há um estudo mais aprofundado sobre o assunto. O fato é que, através da análise da alucinação, é possível entender a natureza da percepção humana.

*Via Pijama Surf. Tradução e adaptação REDAÇÃO Resiliência Humana.

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS




Resiliência Humana
Bem-estar, Autoconhecimento e Terapia