Essa dor confusa de não estarmos onde queremos estar uma hora passa. Ahh… passa.

André J. Gomes

Você não existe. Não pertence a este mundo. Não é daqui. Veio de outro canto distante, pisando mansa, linda, leve, e me encontrou encolhido no fundo de mim mesmo, ensimesmado, arredio, chateado e só. Então me estendeu a mão delicada, as unhas vermelhas como todo sentimento de amor, e me fez um bem tão grande que é bom demais para ser verdade.

Não, você não existe. Em sua substância, tudo é inverossímil como os milagres e os finais felizes. Você é uma visita esperada, um acontecimento ansiado, um presente do céu, uma sorte na vida. Um sonho lindo que eu tive outra noite e que ficou por aqui, regurgitando beleza.

Acontece que você não existe. Você não existe, não. É uma visão generosa, o sol da tardinha, uma força da natureza. Você é um gesto bonito da vida, habitando a terra encantada onde vivem as ninfas e as fadas, os anjos, as divas e toda a beleza do mundo. Não, você não existe.

Mas eu, sim. Eu existo. E escolho insistir no meu sonho bom, desses que a gente sonha sempre, contumaz, recorrente, amiúde, depois acorda com uma tristeza vaga, um desalento impreciso, um sei lá o quê de agonia quando acaba. E uma esperança simples de sonhar de novo amanhã. Uma espera calma. Uma alegria sem mais.

Boa noite, moça linda do meu sonho. Boa noite.

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS





COMENTÁRIOS




André J. Gomes
http://www.revistaletra.com.br/ Jornalista de formação, publicitário de ofício, professor por desafio e escritor por amor à causa.