Esgotamento emocional e estafa na pandemia: Como lidar?

Estamos exaustos. Todos. Sem exceções. Obvio que os profissionais de saúde de linha de frente ainda mais.

Os profissionais de saúde “segunda linha” e todas as pessoas que se mantiveram trabalhando e até aumentaram o ritmo de trabalho. Sou terapeuta, e minha demanda nunca foi tão grande. Eu também estou cansada.

E este é o momento mais difícil que vai separar os meninos dos homens.

A realidade é que a humanidade já passou por coisas assim, mas dessa vez o volume de pessoas envolvido é imenso. Global.

No Brasil os números são assustadores – não recomendo ficar olhando o gráfico o tempo todo – e as reportagens tentam alertar a população.

Obrigada TV, já estamos assustados o suficiente, obrigada.

E mesmo no meio do deserto – com frio e fome – precisamos seguir em frente. Mas esse seguir é diferente, precisa ser mais leve.

Como o esgotamento emocional acontece? O que você precisa fazer?

Muita gente decidiu aproveitar o primeiro ano de pandemia para fazer cursos ou planejar a vida. Mas se isso já te cansou, não se obrigue a fazer novamente.

Se não fez isso da primeira vez, faça agora. Mas escolha coisas – de preferência uma ou duas – que façam sentido para você. O excesso de informação também cansa demais.

Evite passar muitas horas online ou fazendo sempre a mesma coisa. Se costuma arrumar a casa, pare um pouco e leia um livro.

Vá alternando as atividades como puder – varrer a casa e olhar o celular e depois inverter. Isso faz com que tenhamos um ritmo e faz nosso cérebro se sentir mais vivo.

Mexa-se. Vá até o mercado só quando for realmente necessário, dê uma volta no quarteirão.

Faça ao menos uma atividade que envolva se mexer – e sim, cuidar de crianças e arrumar a casa está valendo. Mexa o corpo e produza os hormônios do prazer. Eles estão sendo necessários agora.

Reserve um tempo para não fazer nada. Deite-se na rede ou no sofá. Assista uma bobagem na TV.

Sorria. A energia da alegria nos ajuda a manter a vibração alta. Quando estamos alegres, ou rindo, não temos tempo para pensar em desgraça.

Não é hora de nada que nos exija a chamada “força de vontade”. Dietas restritivas, parar de fumar ou começar o crossfit pode não ser uma boa ideia. Ao invés disso apenas diminua ou doces, o cigarro ou faça uma caminhada leve. Vamos devagar, ok?

Conecte-se com Deus, o Universo ou o que você acreditar. Peça ajuda e proteção das forças superiores, ore, isso é comprovadamente eficaz. Se estiver se sentindo realmente mal e deprimido, procure ajuda. Um terapeuta ou um psiquiatra pode ser bastante recomendados nesses casos e…principalmente…

Não desista! Não desista de você ou dos seus sonhos. Não desista de ver o mundo curado. Não se entregue à falta de cuidados achando que é melhor “acabar logo com isso”.

Se existe o mal, era essa a ideia que ele colocaria na sua cabeça.

Vai passar. Está passando enquanto você lê esse artigo. Apenas acredite.

Cuide de você para não cair na teia do esgotamento emocional.

*Foto de Dev Asangbam no Unsplash

VOCÊ JÁ VISITOU O INSTAGRAM E O FACEBOOK DO RESILIÊNCIA HUMANA?

SE TORNE CADA DIA MAIS RESILIENTE E DESENVOLVA A CAPACIDADE DE SOBREPOR-SE POSITIVAMENTE FRENTE AS ADVERSIDADES DA VIDA.

RECOMENDAMOS









Terapeuta porque adora ajudar as pessoas a se entenderem. Escritora pelo mesmo motivo. Apaixonada por moda, dança, canto, fotografia e toda forma de arte. Adora pão de queijo e café com leite e não pretende mudar o mundo, mas, quem sabe, uma pequena parte da visão que temos dele. Espaço Terapêutico Andrea Pavlovitsch Av Dr. Eduardo Cothing, 2448A Vila Formosa - São Paulo - SP +55 (11) 3530 4856 +55 (11) 9.9343 9985 (Whatsapp) [email protected]