Escola pública de SP melhora o rendimento dos alunos com aulas de meditação e ioga.

Iara Fonseca

Quem pratica meditação e ioga constantemente, já sabe que a rotina melhora e muito. E sabe também que essa melhora é resultado do aumento da produção de serotonina, neurotransmissor que regula o humor.

Os responsáveis pelo Centro de Apoio O Visconde, em São Paulo, também sabem disso, e depois de muitos problemas com os alunos e uma queda brusca e vertiginosa do rendimento escolar, eles decidiram aplicar exercícios de ioga e meditação para os alunos antes das aulas de matemática.

As práticas são oferecidas a cerca de 134 crianças que estão efetivamente matriculadas na escola. O trabalho consiste em 20 minutos de prática meditativas, onde as crianças fazem sentadas ou deitadas, como preferirem, emitido sons, e trabalhando a respiração de forma adequada.


LEIA MAIS: Pega teu lenço. Guarda teu choro. Seca seu rosto. Está na hora de recomeçar!

De acordo com relatório de professores, não foram só as notas que melhoraram após a adoção da prática meditativa, mas também o relacionamento entre os alunos.

Com tantos casos de brigas e ataques a professores, é urgente tratarmos os problemas psicológicos e emocionais dessas crianças, e a meditação e a ioga são ótimos aliados nesse processo de ressigificação das dores e aprendizado.

Exemplos como esse, que mostram resultados efetivos, devem ser replicados. O sucateamento da educação deve ser parado urgentemente, e devemos estar a frente do processo, ajudar nossos filhos a meditarem, em casa e na escola, para que consigam, em meio a crise, e estresse, desenvolverem uma inteligencia emocional para enfim, conseguirem lidar com as responsabilidades que a vida adulta exige.

Todas as imagens: Karime Xavier/FolhaPress

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS







COMENTÁRIOS




Iara Fonseca
Jornalista, poeta, educadora social, fundadora e editora de conteúdo do Rede de Ideias: PRODUÇÃO DE CONTEÚDO. Seu interior é intenso, sempre foi, transforma suas angustias em textos que ajudam muito mais a ela própria do que a quem lê. As vezes se pega relendo seus textos para tentar colocar em prática aquilo que, ela mesma, sabe que é difícil. Acredita que viemos aqui para aprender a ser, a cada dia, um pouco melhor, para si mesmo, e para o outro!