Em quem você pode confiar? As raízes da nossa ansiedade crônica

Resiliência Humana

Em quem podemos confiar, e no que podemos confiar? A escalada de ansiedade, falta de conexão e o que podemos fazer sobre isso.

Por Katie Treadway Katietreadway.

Dois artigos no New York Times deste domingo lançaram uma nova luz sobre a epidemia nacional de ansiedade e nossa necessidade de confiança. O Op-Ed de Laurence Scott apontou como as empresas de alta tecnologia estão desenvolvendo novos produtos engenhosos que eles afirmam que podem nos ajudar a nos sentir mais seguros (Scott, 2020, 19 de janeiro).

Esses produtos incluem câmeras de babá que permitem que pais ocupados monitorem suas babás e babás, além de aplicativos “Doggy Logs” e “Tailster”, que permitem que homens e mulheres que trabalham acompanhem seus passeadores de cães profissionais em seus smartphones.

A história de John Herrman no Times (Herrman, 2020, 19 de janeiro) descreve o aplicativo de campainha, Ring, que agora tem milhões de usuários, fornecendo vigilância por vídeo doméstico e mudando a maneira como muitos de nós nos relacionamos com a segurança em casa.

Ring notifica os usuários em seus smartphones, permitindo que eles vejam os pacotes entregues em suas portas e atendam as campainhas eletronicamente, destrancando a porta de onde quer que estejam. A Amazon.com, dona de Ring, ainda tem o vídeo de um cachorro, de propriedade de um homem na Geórgia, que aprendeu a tocar a campainha para que seu dono o deixasse entrar.

Mas, por mais inovadores e engenhosos que sejam esses aplicativos, os eletrônicos podem ser invadidos, minando nossas ilusões de segurança. E mesmo quando eles funcionam como pretendido, os eletrônicos não podem nos oferecer a segurança que buscamos.

Como a psicóloga de Seattle Meg Van Deusen explica em seu novo livro Stressed in the US (Van Deusen, 2019), nossa crescente ansiedade se deve em grande parte ao apego inseguro ao nosso país.

Salientados pela instabilidade econômica, ameaças internacionais, tiroteios em massa, o colapso de bairros, turbulência política, conectividade 24 horas por dia, 7 dias por semana e as demandas agitadas da vida cotidiana, não nos sentimos mais seguros.

Assinalando que o apego seguro vem apenas do contato humano, não de dispositivos, aplicativos e mídias sociais fabricados, Van Deusen explica como começamos a desenvolver o apego seguro na infância, quando nossos principais cuidadores nos respondem com atenção amorosa e estimulante .

Se não tivéssemos esse apego seguro na infância – se nossos cuidadores estivessem indisponíveis, pouco confiáveis ​​ou pior -, desenvolveríamos apego inseguro, ficando ansiosos e estressados ​​cronicamente.

Mesmo se tivéssemos um apego seguro na infância, o estresse da vida contemporânea pode nos fazer sentir ansiosos e inseguros.

Com base em pesquisas recentes, Van Deusen explica em seu livro como podemos desenvolver um apego mais seguro a nós mesmos através da meditação da atenção plena. Podemos então começar a desenvolver nosso próprio círculo de apoio, uma comunidade de pessoas em que podemos confiar.

Como o psicólogo positivo Martin Seligman nos lembra, precisamos de comunidade. Relacionamentos positivos são um aspecto essencial do bem-estar, necessário para vivermos uma vida vital e próspera (Seligman, 2012).

Uma comunidade de apoio pode mudar a vida. Ontem mesmo fui à farmácia local para pegar minhas prescrições e o farmacêutico preencheu minhas prescrições antes mesmo de perguntar. Ele sabia quem eu era e se conectava comigo em um nível pessoal. Ao olhá-lo nos olhos, agradecer e desejar-lhe felicidades, senti-me visto, reconhecido e incluído na minha comunidade local – e essa foi apenas uma breve interação.

A psicóloga da Universidade da Carolina do Norte Barbara Fredrickson chama essas interações de “Amor 2.0”, “micro-momentos” de conectividade que podem ser incrivelmente curativos e estimulantes, construindo confiança entre as pessoas.

Apenas uma breve conexão com outra pessoa pode aumentar drasticamente nosso humor, aliviar o estresse, reduzir a inflamação, aliviar a ansiedade e criar bem-estar físico e emocional (Fredrickson, 2013).

Você pode cultivar esse tipo de conexão praticando o “Amor 2.0” em sua vida diária, compartilhando esses micro-momentos de conexão não apenas com amigos e familiares próximos, mas também com o farmacêutico local, o vendedor de supermercado, a pessoa ao seu lado na fila, um colega de trabalho ou qualquer outra pessoa que você encontrar durante o dia.

Um simples sorriso, contato visual, presença, talvez uma palavra gentil – é tudo o que preciso.

Em vez de comprar mais produtos, podemos começar a usar nossos próprios recursos pessoais, nossa atenção, para criar mais confiança e segurança em um mundo inseguro.

____________________________

Este post é para fins informativos e não deve substituir a psicoterapia por um profissional qualificado.

Referências

Fredrickson, B. (2013). Amor 2.0: Como nossa emoção suprema afeta tudo o que sentimos, pensamos, fazemos e nos tornamos. Nova York, NY: Hudson Street Press. Herrman, J. (2020, 19 de janeiro). O policiamento da varanda da frente da América. The New York Times, Sunday Styles, páginas 1, 6-7.Scott, L. (2020, 19 de janeiro). A confiança se tornou irrelevante? The New York Times, Sunday Review, p. 8).

*Tradução e adaptação REDAÇÃO RH. Com informações de Psychology Today

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS






COMENTÁRIOS




Resiliência Humana
Bem-estar, Autoconhecimento e Terapia