É mito ou verdade que a mulher gasta mais do que o homem?

Fabiano de Abreu

É mito ou verdade que mulher gasta mais que homem?

Apesar das suposições comuns de que as mulheres são as maiores compradoras, os homens britânicos gastam mais em roupas e sapatos a cada ano do que as mulheres – com quase metade (48%) preferindo entrar na Internet para acompanhar as últimas tendências.

A pesquisa realizada em 2017 revela que os homens britânicos gastam 114 libras por mês em roupas e sapatos, o que equivale a mais de 300 libras a mais do que as mulheres gastam por ano. Além disso, eles gastam mais por mês em roupas (67,10 libras) do que em beber com os amigos (60,30 libras) ou até mesmo em ingressos para jogos esportivos (40,50 libras).

Os resultados foram divulgados pela Barclaycard, que processa quase metade das transações de cartões de crédito e débito do país e está no centro das compras britânicas há mais de 50 anos, e revelou que, apesar de suposições comuns, os homens são os maiores gastadores no que diz respeito a compras, moda e beleza.

Mas será que os homens do mundo todo se assemelham aos britânicos? Ou a mulher gasta mais em outros lugares do mundo?

Levando em consideração os valores, a mulher pechincha mais e o homem tende a comprar coisas mais caras.

A culpa disso estão nos hormônios. A testosterona, com maior predominância nos homens, nos deixa mais impulsivos, impacientes e então, tendemos a não pesquisar tanto os preços, e compramos produtos de maior valor agregado.

Quando compramos por impulso tendemos a sentir mais arrependimentos após a compra.

Falta ao homem a inteligencia emocional que sobra na maioria das mulheres, favorecidas nesse caso, por conta do hormônio.

A emoção o faz comprar, depois, a razão, o faz se arrepender.

A mulher, portanto, não gasta mais do que o homem por questões hormonais e que a acompanha desde a era primitiva

O comportamento masculino tem a ver com a sua mente primitiva. Como caçadores que buscavam de forma direcionada a sua caça, precisavam escolher rapidamente o alvo, atacar e voltar para casa com o seu prêmio, que seria o alimento para toda a família.

A mulher, com sua desenvolvida inteligência emocional, ao comprar, geralmente, não pensa apenas nela, ela pensa em toda a família e também por isso, tende a economizar mais nas compras. Ela gasta menos do que os homens, e acaba levando para casa sempre uma maior quantidade a um menor preço.

Dentro da sua memória primitiva a mulher como uma multi tarefa, era a responsável por transformar aquela caça em uma fonte de abastecimento para toda a família, e na agricultura escolhia pacientemente a melhor colheita.

Na questão hormonal feminina, os picos e quedas do estrogênio e na testosterona influenciam na tendência para tomada de decisões.

Em ambos os sexos, o momento da compra é o fator determinante. Ele pode ser mais importante do que a própria compra em si.

Muitas vezes comprar é um meio de obter a sensação de prazer através da conquista, enganar tristezas e problemas instalados. O homem é como um pavão que abre o seu leque de penas para chamar a atenção para a conquista. É como se comprar um carrão fosse a desculpa para ser visto. Entre outros exemplos, o homem compra mais para atrair a atenção da mulher e se sentir mais poderoso.

Texto de Fabiano de Abreu
*Foto

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS






COMENTÁRIOS




Fabiano de Abreu
Fabiano de Abreu Rodrigues é psicanalista clínico, jornalista, empresário, escritor, filósofo, poeta e personal branding luso-brasileiro. Proprietário da agência de comunicação e mídia social MF Press Global, é também um correspondente e colaborador de várias revistas, sites de notícias e jornais de grande repercussão nacional e internacional. Atualmente detém o prêmio do jornalista que mais criou personagens na história da imprensa brasileira e internacional, reconhecido por grandes nomes do jornalismo em diversos países. Como filósofo criou um novo conceito que chamou de poemas-filosóficos para escolas do governo de Minas Gerais no Brasil. Lançou o livro ‘Viver Pode Não Ser Tão Ruim’ no Brasil, Angola, Espanha e Portugal.