É assim que alguém com ansiedade se apaixona

Resiliência Humana

É assim que alguém com ansiedade se apaixona!

Por Kim Quindlen

Alguém com ansiedade se apaixona assim como as outras – instintivamente, frequentemente e com facilidade. A única diferença é que, enquanto se apaixonam, seu cérebro também apresenta um milhão de razões diferentes pelas quais isso também pode ser aterrorizante, perigoso e tão fácil de quebrar.

Alguém com ansiedade se apaixona lentamente. E com uma estranha sensação de culpa, por causa dos pensamentos que não a deixa em paz.

Pensamentos como esse: “não pode durar”, e “isso não pode ser real”, e “isso é bom demais para ser verdade”, e “algo vai estragar isso em algum momento”.

Alguém com ansiedade se apaixona enquanto sente uma estranha mistura de esperança e pavor.

Espero que eles finalmente encontrem alguém com quem possam conversar, alguém em quem possam confiar, alguém em quem possam confiar, alguém que talvez os traga de volta quando se sentirem presos e sufocados em sua própria mente.

E pavor – que eles não sejam bons o suficiente, que não mereçam isso, que seu coração agora dorme pacificamente nas mãos de outra pessoa, mas que isso possa acabar sendo quebrado a qualquer momento.

Mas alguém com ansiedade também se apaixona de todo coração.

Eles se apaixonam ferozmente e absolutamente e com o compromisso com algo que é finalmente leve, emocionante e real.

Eles se sentem assustados, mas certos, descontrolados, mas também alegres, com um instinto imediato de proteger essa pessoa de todas as formas possíveis e com o conhecimento de que agora se preocupam mais com a vida de alguém do que com a sua.

Alguém com ansiedade aprecia as coisas grandes, mas se apaixona durante os pequenos momentos – passeios tranquilos de carro, sono profundo, olhares telepáticos no meio de uma festa chata.

Eles se apaixonam durante conversas tranquilizadoras.

Eles se apaixonam ao segurar as mãos, o que os deixa mais à vontade em um voo turbulento.

Eles se apaixonam durante uma soneca de sábado e um café da manhã que é apenas um bagel em um banco, ou em um fim de semana passado com uma família que começa a parecer um pouco com a sua.

Eles se apaixonam durante as pequenas coisas, porque as pequenas coisas fazem com que se sintam normais.

As pequenas coisas com alguém especial lembram que não é preciso muito para trazê-los de volta de uma noite escura, ou de um ataque de pânico, ou de um colapso no trabalho.

Alguém com ansiedade se apaixona como você – eles se apaixonam intensa e vulnerável e totalmente. A única diferença para eles é chegar a um lugar com alguém em que acreditam que realmente o merecem.

*Via Thought Catalog. Tradução e adaptação REDAÇÃO Resiliência Humana.

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS




Resiliência Humana
Bem-estar, Autoconhecimento e Terapia