Diretor do laboratório de Wuhan nega que coronavírus escapou de suas instalações

Resiliência Humana
diretor-do-laboratorio-de-wuhan-nega-que-coronavirus-escapou-de-suas-instalacoes

Diretor do laboratório de Wuhan nega que coronavírus escapou de suas instalações

Por Kenneth Garger

O diretor de um laboratório que estuda o coronavírus em Wuhan – a cidade chinesa onde se acredita que o surto global se originou – negou que o vírus tenha se espalhado acidentalmente de suas instalações.

“Não há como esse vírus vir de nós”, disse Yuan Zhiming, diretor do Instituto de Virologia Wuhan, à mídia estatal no sábado.

A negação de Yuan ocorreu dias depois de uma nova série de relatórios sugerindo que o novo coronavírus escapou do Instituto Wuhan ou de outro laboratório similar a quilômetros de distância na cidade chinesa.

O presidente Trump foi questionado sobre a possibilidade em uma coletiva de imprensa na Casa Branca na quarta-feira passada e disse que os EUA estavam investigando as origens .

“Cada vez mais ouvimos a história … estamos fazendo um exame muito minucioso dessa situação horrível”, disse o presidente.

Dois relatórios – um da Fox News e outro no Washington Post – seguiram, citando fontes anônimas levantando preocupações de que o vírus possa ter escapado acidentalmente da instalação.

Yuan admitiu que o laboratório está estudando “diferentes áreas relacionadas ao coronavírus”, mas disse à emissora estatal de língua inglesa CGTN que nenhum de seus funcionários foi infectado.

“Como pessoas que realizam estudos virais, sabemos claramente que tipo de pesquisa está sendo realizada no instituto e como o instituto gerencia vírus e amostras”, disse ele.

Ele disse que, como o laboratório está em Wuhan “as pessoas não podem deixar de fazer associações”, mas afirmou que alguns meios de comunicação estão “deliberadamente tentando enganar as pessoas”.

Mas as autoridades no passado levantaram preocupações sobre as condições de segurança do Instituto Wuhan de Virologia.

Em março de 2018, diplomatas científicos dos EUA enviados ao laboratório emitiram dois cabos diplomáticos “sensíveis” sobre medidas inadequadas de segurança no laboratório, informou o Washington Post, citando fontes de inteligência.

O primeiro cabo alertou que os experimentos realizados no laboratório com coronavírus em morcegos “representavam um risco de uma nova pandemia semelhante à SARS”, segundo o relatório.

O telegrama, escrito por dois funcionários da embaixada EUA-China, disse que há “uma grave escassez de técnicos e investigadores treinados adequadamente, necessários para operar com segurança este laboratório de alta contenção”, segundo o relatório.

*Tradução e adaptação REDAÇÃO RH. Com informações New York Post.

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS






COMENTÁRIOS




Resiliência Humana
Bem-estar, Autoconhecimento e Terapia