DESCOBRI outro dia, que eu não sou mulher de adotar homens crescidinhos.

Cris Souza Fontes

DESCOBRI outro dia, que eu não sou mulher de adotar homens crescidinhos.

Adoto cachorro, tenho cinco e adotaria mais vinte se espaço eu tivesse em casa, mas homens, eu não adoto não. Um parceiro ideal (no meu ponto de vista) é aquele que tem sua própria vida, que corre atrás, que trabalha e que tem projetos, sonhos, desejos de ser qualquer coisa nessa vida (desde que queira).

Alguns pensam que pelo fato da mulher ser mais velha, ter sua independência, ela pode tranquilamente assumir um marmanjo na vida dela por amor.

Por amor ou por se#o?

Ama-se a alma do outro, a sua capacidade de crescer JUNTO com você e não diferente.

Sinto dizer mas, homens (e mulheres também) que não se posicionam no mundo só atraem pra si uma história sem sentido, uma história vazia e sem profundidade.

Não adoto, não crio, por mais bonitinho que seja.

Se for pra entrar na minha vida que seja para caminhar ao meu lado e não dependendo de mim.

Precisa ter atitude, precisa ser viril e buscar seus objetivos!

O que tenho visto demais por aí é moleques e homens bem crescidos vivendo às custas de mulheres e muitas delas achando bom por ter o controle.

Qual é, amigas? Controle de quê? Controle de nada!

Uma hora esse cara vai embora da mesma forma que chegou e logo irá adotar outro como se adota um pet?

Escolha pra sua vida alguém que soma, que acrescente e não diminua seu esforço em ser a mulher que lutou uma vida inteira para ser!

Ah, tô numa sinceridade ultimamente… rs.

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS







COMENTÁRIOS




Cris Souza Fontes
Escritora, blogueira, amante da natureza, animais, boa música, pessoas e boas conversas. Foi morar no interior para vasculhar o seu próprio interior. Gosta de artes, da beleza que há em tudo e de palavras, assim como da forma que são usadas. Escreve por vocação, por amor e por prazer. Publicou de forma independente dois livros: “Do quê é feito o amor?” contos e crônicas e o mais espiritualizado “O Eterno que Há” descrevendo o quão próximos estão a dor e o amor. Atualmente possui um sebo e livraria na cidade onde escolheu viver por não aguentar ficar longe dos livros, assim como é colunista de assuntos comportamentais em prestigiados sites por não controlar sua paixão por escrever e por querer, de alguma forma, estar mais perto das pessoas e de seus dilemas pessoais. Em 2017 lançará seu terceiro livro “Apaixonada aos 40” que promete sacudir a vida das mulheres.