Deixe os pesos de nossa infância para trás

Geração X.

Resiliência Humana

Poderíamos “culpar” a psicanálise, livros de autoajuda ou redes sociais … O que é evidente é que é um fenômeno da modernidade, uma atitude que nasceu com a geração pós-boom (ou geração X *) e que minha faixa etária foi aperfeiçoada até o limite do não-mais. Refiro-me a críticas ferozes aos pais e ao costume de culpá-los irrestritamente pelos nossos erros presentes.

Por algum tempo essa parte foi considerada essencial, para o processo de autoconhecimento, a análise de nossa infância. Da mesma forma, tornou-se consciente da importância que esses primeiros anos de vida têm em relação às conquistas e falhas que obtemos quando adultos. É um exercício de introspecção recorrer ao nosso passado para reconhecer fraturas e feridas, momentos que nos imobilizaram e dos quais não conseguimos nos recuperar. O valor disso é imenso e inegável; no entanto, o que muitos deixaram de fazer após esse estágio de confronto com o passado é passar para o próximo: superar o fato.

Para muitos, esse reconhecimento tornou-se um ponto de culpa para os pais : a aparente fragilidade da mãe, o afastamento emocional do pai, a violência de um ou outro ou a falta de contenção de ambos impediram o futuro de seu filho que, Atualmente (como adulto), ele é incapaz de realizar esta ou aquela tarefa, manter um relacionamento saudável ou abandonar certos hábitos.

Ninguém nos disse que detectar esses momentos difíceis da infância resultou na renúncia à própria responsabilidade de transferi-lo para a família. Por mais difícil que pareça, a responsabilidade pelo momento atual que estamos passando é só nossa. Se formos bem-sucedidos financeiramente no momento, poucos pensariam em transferir os méritos para o pai e dizer: “Tenho muito dinheiro, porque na infância meu pai era caloroso comigo e me abraçou muito”. Por outro lado, garantimos: “Eu tenho muito dinheiro porque trabalho duro, trabalhei duro e sou um bom administrador de meus ganhos”.

Da mesma forma, quando enfrentamos um fracasso, devemos estar cientes de que cometemos erros e estar dispostos a aprender com eles. Não é bom dizer a nós mesmos e aos que estão à nossa volta: “Não consigo manter um emprego porque minha mãe gritou muito comigo”.

Entenda: não estamos questionando o tremendo efeito das experiências infantis e do tratamento recebido em tenra idade. Hoje ninguém pensaria em colocar isso em dúvida. O que estamos considerando é que o significado de nossas experiências familiares decorre de uma construção cultural que atualmente está inclinada a nos libertar da responsabilidade.

Nossos avós, a geração nascida na primeira década do século XX e nas anteriores, separaram a infância do presente e forjaram o mito do homem feito por si, em que tanto os sucessos quanto os fracassos eram de responsabilidade exclusiva do indivíduo. É certo que essa apreciação não é inteiramente verdadeira e que o ponto saudável está no meio de ambas as atitudes.

Embora agora saibamos muito mais sobre como o comportamento e os riscos dos diagnósticos multifatoriais evoluem, devemos ser capazes de encontrar em nós as respostas para nossos problemas atuais. O autoconhecimento é extremamente útil e, para alcançá-lo, precisamos analisar nossos primeiros laços familiares, mas a capacidade de superar nosso passado é a única chave para alcançar uma vida bem-sucedida no único momento que importa: o presente.

* Geração X: grupo da população que viveu sua adolescência no período definido entre a década de 1980 e o início da década de 90, aproximadamente.

 

Texto originalmente publicado no La Mente es Maravillosa, livremente traduzido e adaptado pela equipe da Revista Resiliência Humana.

 

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS







COMENTÁRIOS




Resiliência Humana
Bem-estar, Autoconhecimento e Terapia