De quanto dinheiro você precisa para ser feliz?

Resiliência Humana

Quanto dinheiro compra felicidade? Um amplo corpo de pesquisa sugere que o número é de aproximadamente quarenta mil dólares por ano.

Daniel Gilbert, professor de psicologia da Universidade de Harvard, diz que uma vez que você tem dinheiro suficiente para atender às necessidades básicas – comida, abrigo, mas não necessariamente muito – os aumentos incrementais têm pouco efeito sobre sua felicidade.

Aaron Karo, comediante e autor do próximo livro, Ruminations on Twentysomething Life, responde ao número com:

“Se você deseja traçar uma linha na areia, a felicidade é ter dinheiro suficiente para que você não precise voltar para casa de seus pais.”

Para alguém que passou apenas quatro anos na faculdade vivendo com subsídios de nove mil dólares, um aumento para quarenta mil significa muito – passar da pobreza para a classe média. Mas é uma corrida única. Depois que você atinge a faixa de quarenta mil dólares, o dinheiro nunca mais lhe dá aquela felicidade.

Pessoas de vinte e poucos anos que buscam felicidade em suas carreiras se beneficiarão de pesquisas sobre as escolhas de seus pais.

Richard Easterlin, professor de economia da Universidade do Sul da Califórnia, diz que as gerações anteriores provaram que nossos desejos se ajustam à nossa renda.

“Em todos os níveis de renda, a resposta típica é que é preciso 20% a mais para ser feliz.”

Uma vez que as necessidades básicas sejam atendidas, o axioma é verdadeiro: mais dinheiro não gera mais felicidade.

Então alguém pergunta: o que importa?

Os grandes fatores na determinação dos níveis de felicidade são a satisfação com o trabalho e as relações sociais.

E, no caso de você voltar a pensar em salário, de acordo com Easterlin, “quanto prazer as pessoas obtêm de seu trabalho é independente de quanto ele paga”.

Infelizmente, as pessoas não são boas em escolher um emprego que as faça felizes.

Gilbert descobriu que as pessoas estão mal equipadas para imaginar como seria sua vida em um determinado trabalho, e os conselhos que recebem de outras pessoas são ruins (tipificado por alguma versão de “Você deve fazer o que eu fiz”).

Gilbert recomenda entrar em uma carreira em que as pessoas sejam felizes. Mas não pergunte se sua carreira os deixa felizes, porque a maioria das pessoas diz que sim; eles têm interesse em se convencer de que são felizes.

Em vez disso, experimente algumas profissões diferentes antes de escolher uma.

Para os estudantes universitários, Gilbert prevê que isso aconteça com empregos e estágios de meio período à custa de “desistir de alguns keggers e fazer uma viagem à Flórida nas férias de primavera”.

Mas, mesmo que você espere até entrar na força de trabalho, faz sentido alternar de um trabalho básico para outro; nenhuma antiguidade e pouca experiência significa que você tem pouco a perder.

Portanto, é o momento ideal para descobrir o que o fará feliz: use uma série de trabalhos para observar diferentes profissões de perto e ver se VOCÊ acha que elas fazem as pessoas felizes.

É um conselho simples e comprovado, mas poucas pessoas o aceitam porque pensam que são únicos e sua experiência em uma carreira será diferente.

Supere isso.

Você não é único, é basicamente como todo mundo.

Gilbert pode, no decurso de cinco minutos, descrever dez razões pelas quais as pessoas pensam que são únicas, mas não são.

Por exemplo: passamos a vida descobrindo diferenças entre as pessoas para escolher professores, companheiros de banda e cônjuges, então nossa percepção das diferenças das pessoas é exagerada … E então Gilbert chega às uvas:

“Se você passar sete anos estudando as diferenças entre uvas, não dois parecerão iguais para você, mas realmente uma uva é uma uva. ”

Portanto, seu primeiro passo é parar de pensar que você é um caso especial.

Siga o conselho de Gilbert e escolha uma carreira com base em sua avaliação de outras pessoas nessa carreira.

Seu próximo passo é focar nas relações sociais, porque em termos de felicidade, a satisfação no trabalho é muito importante, mas as relações sociais são mais importantes.

E pelas relações sociais, a maioria dos pesquisadores quer dizer “se$o” – com um parceiro consistente.

Portanto, considere dar às aspirações de sua carreira um pouco menos de peso do que suas aspirações por “se$o”.

Para aqueles que gostam de um objetivo tangível, David Blanchflower, professor de economia da Dartmouth College, diz:

“Ir do se$o uma vez por mês para o se$o uma vez por semana cria um grande salto na felicidade. E então os retornos decrescentes começam a aparecer.”

Ele acrescenta, para a alegria de todos os que estão subempregados:

“É verdade que o dinheiro afeta a pessoa com quem você se casa, mas o dinheiro não afeta a quantidade de se$o que você tem. ”

Talvez toda essa pesquisa justifique simplesmente a tendência de vinte e poucos anos de manter uma série de empregos iniciantes e adiar o nascimento de filhos.

Karo diz: “Tudo o que realmente queremos é ser bem pagos e transar.”

Portanto, não se apegue ao que os outros dizem, nem sobre a sua vida sexual, nem sobre o trabalho ideal, mas observe se elas são felizes fazendo o que fazem! Essa é a ideia!

Perceba que ter muito não é ser feliz, e busque a quantidade ideal para que a sua vida seja satisfatória!

Isso você tem que sentir na pele e avaliar!

Trabalhe em todas as coisas que você “pensa” que te trarão felicidade, experimente, experimentar é a única forma de saber!

*Via Penélope Trunk. Tradução, colaboração e adaptação REDAÇÃO Resiliência Humana.

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS




Resiliência Humana
Bem-estar, Autoconhecimento e Terapia