Cuide dos seus sentimentos e das dores emocionais! Elas são tão importantes quanto às dores físicas!

Iara Fonseca

Cuide dos seus sentimentos e das dores emocionais! Elas são tão importantes quanto às dores físicas!

Quando negligenciamos nossas dores emocionais, e as lembranças tristes teimam em aflorar sem controle, e sem a nossa vontade, nos vemos queixosos e sem esperanças!

Simplesmente não conseguimos vislumbrar novas oportunidades e perceber a beleza que existe nos momentos mais simples! Seguimos lamentando o que nos aconteceu e a vida perde aos poucos o sentido!

Se escolhermos seguir cambaleando pela vida, se não pararmos para sentir e ressignificar as nossas dores emocionais, se não as acolhermos e as aceitarmos, se não nos perdoarmos e não perdoarmos os outros, nos jogaremos nesse mar de lama movediça que nós mesmos criamos ou que criaram para nós e, invigilantes, cairemos, e de lá, dificilmente, sairemos.

E na tentativa descontrolada de fugir dessa “areia” imaginária que nos impede os movimentos, a cada dia que passa, nos tornamos mais rancorosos! Essa areia é a nossa negação, a nossa teimosia em tentar fugir de nós mesmos, quando não existe rota de fuga possível! Mas acreditando que existe… continuamos tentando. E viramos pessoas intragáveis, negativas, rabugentas e infelizes.

Queixamos de absolutamente tudo!

“Todos estão errados”, “Não se pode mais confiar em ninguém”, “Que vida infeliz”, “Quanta injustiça”, pensamos e gritamos aos 4 ventos!

Quando na verdade, se fossemos mais atentos e olhássemos fixamente para as nossas feridas e dores emocionais, perceberíamos os erros que também cometemos, veríamos claramente o quanto já fomos infiéis aos outros almejando vantagens escusas, o quanto já sabotamos a nossa própria vida, fomos injustos e ingratos com ela, conosco e com os outros.

Mas só enxergar não basta! Precisamos nos perdoar, e aceitar que, as vezes, as coisas acontecem diferente do que queríamos!

A sabedoria se adquire ao aprender com as situações transformando-as em experiências de vida, ao ser resiliente a ponto de, seja qual for o caos do dia, se recompor, e seguir em frente! Só assim é possível curar as dores emocionais de fato.

O rancor nos mata aos poucos com a sua amargura e nos faz perder a doçura! Nos levando a agir com frieza e distanciamento frente às velhas e novas relações que se apresentam!

Não devemos nos jogar pela vida de modo displicente e irresponsável, agindo assim, nos tornamos pessoas amargas!

Muitos que assim fizeram, ou seja, que se tornaram pessoas amargas, acabaram diabéticos ou desenvolveram outras tantas doenças físicas que refletem exatamente os seus estados emocionais!

Muitos estudos giram entorno das doenças psicossomáticas e devem ser entendidos amplamente por todos nós. Um em especial, desenvolvido pela neurologista irlandesa Suzanne O’Sullivan, e que resultou em um livro chamado It’s All in Your Head: True Stories of Imaginary Illness (“Está tudo na sua cabeça: Histórias reais de doenças imaginárias”, em tradução livre), escrito pela médica em 2015 e divulgado em artigo realizado pela BBC portuguesa, confirma o que disse até aqui. A obra ganhou o prestigiado prêmio literário britânico Wellcome Book Prize.

Atentemos para as dores emocionais e para os sentimentos que elas nos causam!

As curemos com o perdão e a aceitação para que possamos aprender com elas e seguir em frente, libertos, de quaisquer doenças que poderão vir à aparecer em nosso corpo físico por conta delas!

Paremos de teimosia!

Não tente mais fugir de si mesmo!

Pode ser que muita coisa aí dentro seja pesada e de difícil aceitação, mas ninguém disse que seria fácil!

Essa faxina interna é imprescindível, e extremamente necessária para que tenhamos uma vida verdadeiramente saudável! Não teimem em deixar para depois!

Depois, pode ser tarde!

Busquem o autoconhecimento, se perdoem, perdoem os outros!

Vivam de maneira leve!

Joguem fora os pesos desnecessários!

E sejam felizes enquanto há tempo e saúde!

Sejam gratos pelo pouco que já avançaram e pelo muito que ainda poderão conquistar!

O amor próprio vai brotando aos pouquinhos, até que nos invade por completo, e a felicidade desse amor é tão grande que começa a transbordar para os outros!

Acredite! Vale a pena remexer o lixo emocional, limpar bem a ferida mesmo que a dor seja quase insuportável!

Se não fizermos essa assepsia, com certeza ela irá infeccionar! Uma hora ou outra!

Texto de Iara Fonseca

Leia mais da autora: “Um dos momentos mais felizes da vida é quando você encontra a coragem para abandonar aquilo que não pode mudar”.

*Foto de Harishan Kobalasingam no Unsplash
*Frase título: @rhamuche/Resiliência Humana

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS






COMENTÁRIOS




Iara Fonseca
Jornalista, poeta, educadora social, fundadora e editora de conteúdo do Rede de Ideias: PRODUÇÃO DE CONTEÚDO. Seu interior é intenso, sempre foi, transforma suas angustias em textos que ajudam muito mais a ela própria do que a quem lê. As vezes se pega relendo seus textos para tentar colocar em prática aquilo que, ela mesma, sabe que é difícil. Acredita que viemos aqui para aprender a ser, a cada dia, um pouco melhor, para si mesmo, e para o outro!