Cuidar de crianças pequenas é exaustivo, não romantize a maternidade!

A julgar pelos comerciais de Huggies, anúncios de Gerber e talvez um número seleto de pais estranhamente tontos no parquinho, não há experiência mais feliz do que ser pai. Os dias de uma pessoa são preenchidos com o riso das crianças; o orgulho dos recitais escolares; e o êxtase das vendas de bolos, vitórias em jogos de futebol e férias em família.

No entanto, muitas pesquisas – e uma quantidade enorme de pais, se você pedir que sejam francos – pintam outro quadro. Embora haja muita alegria envolvida na maternidade e, também, na paternidade, não é incomum também se sentir oprimido por sentimentos negativos: ansiedade, confusão, frustração, depressão.

A maternidade também coloca muita pressão sobre os relacionamentos do casal, o que pode levar a mais estresse.

Se você está sentindo o lado ruim de ser pai ou mãe ultimamente, saiba que não está sozinho. Todos os pais sentem o peso da paternidade em algum momento ou outro – alguns mais do que outros.

DEPRESSÃO PÓS-PARTO: UMA REALIDADE

Mais e mais mães têm falado sobre a depressão pós-parto, e hoje a maioria das pessoas a vê como uma resposta fisiológica normal experimentada por algumas novas mães.

O que é menos falado é que os sentimentos negativos podem se estender muito além dos primeiros meses de vida de um bebê: eles podem ser sentidos durante grande parte da escola primária e da adolescência de seu filho.

Como a maioria dos pais sabe, cuidar de uma criança e de suas muitas, muitas necessidades pode ser fisicamente exaustivo. Os bebês precisam de cuidados quase constantes: eles precisam ser alimentados a cada duas horas; eles acordam várias vezes por noite (tornando uma boa noite de sono uma coisa do passado para você); e podem exigir rituais específicos (e bizarros) para fazê-los comer, parar de chorar ou adormecer. E depois há o suprimento interminável de fraldas sujas, roupas sujas e a variedade de fluidos corporais que eles administram aos pais com incrível regularidade.

O atendimento constante a outra pessoa e a falta de sono podem fazer com que os pais se sintam fisicamente esgotados e abatidos.

Estudos têm demonstrado que, quando os pais estão cansados, isso pode afetar seu bem-estar geral, bem como sua capacidade de responder aos filhos com sensibilidade e confiança.

Os pais cansados ​​também mostram mais frustração e irritabilidade com os filhos, o que significa que é ainda mais importante aprender a lidar com isso.

A exaustão física dos pais está, é claro, associada à exaustão mental: na verdade, é difícil separar os dois.

O próprio ato de cuidar de um bebê ou criança pode ser desgastante em muitos níveis – emocional, cognitivamente e psicologicamente.

Vamos ser honestos, brincar com ursinhos de pelúcia ou carrinhos por horas a fio não é a atividade mais estimulante para um adulto.

Focar a atenção em jogos infantis e atividades voltadas para crianças pode ser cansativo, então, muitas vezes, os pais ficam confusos.

É fácil se punir por não se sentir mentalmente presente 100% do tempo, mas esses são sentimentos com os quais a maioria dos pais luta em algum momento ou outro.

ESTUDOS INDICAM QUE OS PAIS SE TORNAM MENOS FELIZES DEPOIS DA CHEGADA DOS FILHOS

Por causa de todo o trabalho e exaustão que acompanha a paternidade, isso pode causar tanto um aumento na depressão quanto um impulso na felicidade. Vários estudos descobriram que as pessoas não só ficam menos felizes depois de ter filhos, em comparação com os níveis de antes; eles são menos felizes do que suas contrapartes sem filhos.

Significativamente, quando as crianças saem de casa, as coisas parecem melhorar. O mesmo estudo sugeriu que o nível de felicidade de pessoas com ninhos vazios era comparável ao de pessoas que nunca tiveram filhos. Os autores sugerem que, embora as crianças ainda vivam em casa, “as demandas emocionais da paternidade podem simplesmente superar as recompensas emocionais de ter filhos”.

Embora a depressão pós-parto geralmente desapareça dentro de alguns meses ou um ano após o nascimento de um filho, a tristeza parental antiga normal pode aumentar e diminuir durante todo o período durante o qual seu filho está morando em casa. Existem fatores adicionais, além da fadiga associada a cuidar de uma criança, que contribuem para isso. Felizmente, existem maneiras de combatê-lo.

TER FILHOS COMPROMETE A RELAÇÃO DO CASAL

Outra razão importante pela qual a paternidade pode ser tão difícil é que ela coloca uma enorme pressão no relacionamento central da família: o relacionamento dos pais. Os casais, muitas vezes, podem sentir uma queda na felicidade conjugal que afeta o bem-estar geral da pessoa.

Depois de ter um filho, as pessoas, muitas vezes, percebem que não estão se comunicando tão bem com seus parceiros como antes; eles podem não lidar com os conflitos também e podem relatar uma perda geral de confiança no relacionamento.

Na verdade, as mudanças negativas podem parecer superar as positivas. Embora as pessoas que não têm filhos também experimentem um declínio na felicidade ao longo do casamento, é gradual, sem a queda repentina associada a ter filhos.

Outros fatores, como idade e quão estável você está na vida, também podem influenciar como a paternidade o afeta.

Os pais mais velhos geralmente correm menos risco de depressão do que os mais jovens. Os pais ainda na casa dos 20 anos parecem ter mais dificuldade, porque estão lutando com sua própria passagem da adolescência para a idade adulta enquanto, ao mesmo tempo, aprendem a ser pais.

Isso pode ser porque os pais mais jovens não são totalmente adultos e há mais risco de uma “transição desordenada da adolescência para a idade adulta”.

Outros fatores que podem afetar tanto o seu relacionamento com o outro significativo quanto seus sentimentos sobre a maternidade incluem se a gravidez foi planejada ou não, o humor da pessoa antes do nascimento de um filho e o grau de perturbação do sono que você experimenta como pai / mãe.

Embora nem todas as variáveis que afetam a nossa relação com a paternidade estão sob nosso controle (idade, comportamentos de nossos parceiros, as necessidades específicas dos nossos filhos), não há muita coisa que é ao nosso alcance. Mudar nossas atitudes em relação à ela pode fazer uma grande diferença em nossa percepção dela. Abaixo estão algumas coisas que você pode fazer para obter mais alegria com a experiência e minimizar a melancolia.

APRENDENDO A DESFRUTAR A MATERNIDADE

Apesar de todas as evidências de que a maternidade pode ser difícil para a psique, os pais também passam por momentos de realização. Às vezes, são os pequenos momentos dos pais – como a maneira como seu filho fala “bunitinho” ou como ele cantarola quando está pintando – que fazem a diferença, e prestar atenção a esses pequenos momentos pode ter um grande impacto.

Alguns estudos descobriram que, quando as pessoas são pais ativamente, são esses momentos específicos que estão ligados aos níveis mais altos de felicidade.

Lembre-se do custo/benefício

Ter filhos geralmente envolve algum nível de sacrifício, pois alguns pais estão ansiosos para lembrar aos filhos. “O que eu fiz por você!” pode ser um refrão comum em algumas famílias, o que provavelmente não é o sentimento mais saudável para transmitir aos filhos.

Mas lembrar-se do custo (e dos benefícios) pode realmente ajudar a passar por essa fase de uma forma mais tranquila e leve.

Pode parecer um pouco terrível, mas relembrar o quanto você se sacrificou para ter seus próprios filhos pode realmente ajudá-lo a valorizar mais o esforço.

O estudo solicitou as pessoas para relembrarem os sacrifícios financeiros que fizeram por seus filhos, elas também relataram ser muito mais felizes como pais do que aqueles que não foram solicitados a relembrar a dor financeira da paternidade.

Isso pode ser visto simplesmente como uma racionalização, mas o mesmo estudo descobriu que os pais que foram inicialmente encorajados a idealizar a maternidade e visualizar todas as coisas agradáveis ​​envolvidas relataram muito menos sentimentos de negatividade. Focar no positivo também minimizou o negativo.

Em vez de lamentar os custos associados à educação de seu filho, tente se concentrar nas muitas maneiras em que isso o beneficiará.

Diga a si mesmo: “Sim, custa muito, mas meu filho está tendo uma boa educação, aprendendo a pensar criticamente, fazendo amigos e aprendendo a tocar violino e basquete”.

Mudar a atenção dos contras para os prós é, como em qualquer aspecto da vida, a abordagem mais produtiva.

Reserve um tempo para você e seu cônjuge

Como a maioria dos pais lhe dirá, o tempo de lazer – fazer atividades divertidas sozinho ou com seu cônjuge – é a chave para a felicidade dos pais. Na verdade, estudos descobriram que, depois que as mulheres se tornaram mães, elas aproveitaram seu tempo de lazer mais do que antes (o que não é surpreendente, porque há muito menos tempo depois do nascimento do bebê).

O tempo pessoal, sozinho ou com seu parceiro, é uma parte importante para manter seu senso de identidade – e sua sanidade. Persiga um projeto que deseja realizar; dê um passeio, visite um museu, ouça um CD que você adora. (No mesmo estudo, as mulheres também classificaram seu humor como menos negativo em relação a seus parentes após o nascimento da criança, o que pode sugerir que ter um bebê torna a pessoa um pouco menos difícil para os membros da família.).

Passar tempo com seu cônjuge também é uma ferramenta importante para superar a maternidade. Embora o tempo que os casais fiquem sozinhos diminua drasticamente depois que um bebê nasce, ele tende a aumentar nos meses seguintes – talvez não aos níveis anteriores ao bebê, mas mesmo assim. E o tipo de lazer que os casais passam antes do nascimento do bebê tem muito a ver com o bom andamento do relacionamento depois que o bebê nasce.

Por exemplo, as mulheres que passam mais tempo desfrutando de atividades de lazer com seus maridos antes de ter um filho, geralmente, são mais felizes no primeiro ano de vida de seus filhos.

Para os homens, a situação é semelhante: quanto menos atividades de lazer os homens realizam sozinhos, menos conflitos experimentam depois que o bebê nasce.

Portanto, certifique-se de ter uma noite fora com seu marido, seja você uma mãe ou não. Se você ainda não teve um filho, aproveite ao máximo o tempo juntos, porque isso se traduzirá na força de seu relacionamento após o nascimento. E se você já tem filhos, certifique-se de dar uma noite de folga de vez em quando, porque isso pode aumentar o vínculo entre eles, o que será um benefício para seus filhos também.

Leve a si mesmo (e ao seu filho) um pouco menos a sério

Os pais são um grupo autoconsciente e sério hoje em dia. O fenômeno do “helicóptero” – pais que monitoram cada movimento de seus filhos e enchem a agenda deles de atividades extracurriculares ou educacionais – está se tornando mais difundido. Mas, por mais úteis que tentemos ser, às vezes fazemos muito. E fazer menos também pode tornar a criação dos filhos mais prazerosa.

No parquinho, fique para trás e seja mais lento para entrar no jogo. As crianças precisam brincar – tanto quanto os pais – para ajudá-las a aprender seu caminho no mundo.

Estudos descobriram um declínio no jogo livre nas últimas décadas que não está apenas relacionado, mas pode realmente causar o aumento dos níveis de depressão, ansiedade, sentimentos de desamparo e perda de controle, e outros efeitos negativos que observamos aumentando em crianças. dias.

Brincadeiras livres, o tipo que as crianças fazem totalmente por conta própria (em oposição à atividade estruturada ou supervisionada), é extremamente importante na maneira como as crianças desenvolvem habilidades cognitivas básicas, como tomada de decisão, resolução de problemas e autocontrole.

A natureza de tentativa e erro das brincadeiras não estruturadas é uma prática essencial para a natureza de tentativa e erro da vida – e tirá-la das crianças pode na verdade ser um grande desserviço ao seu bem-estar mental geral.

Nossa tendência de buscar a perfeição dos pais é compreensível, dada a quantidade de informações a que temos acesso atualmente. Mas o excesso de zelo com a maternidade pode levar a mais ansiedade do que o necessário. Aprender a se divertir com seu filho – e deixá-lo se divertir também – não apenas tornará a experiência mais agradável; será uma grande ajuda para o desenvolvimento do seu filho.

A paternidade e a maternidade são uma grande mudança – maior do que muitos imaginam.

Esse aspecto, por si só, pode levar a sentimentos negativos porque é muito fácil se sentir perdido e ineficaz.

Qualquer mudança é difícil para as pessoas enfrentarem – mas especialmente difícil é aquela que envolve a responsabilidade por outra vida (particularmente uma vida que grita, chora e produz fluidos corporais).

Mesmo além dos dias do bebê, uma criança em idade escolar pode apresentar todo um novo conjunto de desafios, como agendar atividades, restringir o tempo de tela , disciplina e gerenciamento de tarefas de casa.

Mas a infância passa rápido. Os primeiros dias de cólicas e fraldas dão lugar a bonecos de ação e festas de chá, a inscrições para a faculdade, a bailes de formatura e, finalmente, a ninhos vazios.

Abordar a maternidade como um processo pode ajudar a mantê-lo são durante tudo isso. Leve isso a sério, mas não muito a sério. Por mais angustiantes que sejam os tempos difíceis, lembre-se de que eles também passarão – e os bons, passarão com a mesma rapidez.

*DA REDAÇÃO RH. Com informações The Atlantic

VOCÊ JÁ VISITOU O INSTAGRAM E O FACEBOOK DO RESILIÊNCIA HUMANA?

SE TORNE CADA DIA MAIS RESILIENTE E DESENVOLVA A CAPACIDADE DE SOBREPOR-SE POSITIVAMENTE FRENTE AS ADVERSIDADES DA VIDA.

RECOMENDAMOS









Bem-estar, Autoconhecimento e Terapia