Crise de ansiedade: o medo do medo

Resiliência Humana

Por Rincon Psicologia

Sintomas e causas da crise de ansiedade

A crise de ansiedade, mais conhecida no campo da Psicologia como um ataque de ansiedade ou ataque de pânico, afeta aproximadamente 3% da população, embora se estime que sua incidência é ainda maior, já que muitas pessoas não solicitam ajuda médica e eles não são diagnosticados.

A primeira crise de ansiedade pode ocorrer a qualquer momento e a qualquer idade, embora normalmente os sintomas geralmente apareçam na adolescência ou na juventude e depois diminuam nos idosos. Esse distúrbio é muito mais comum nas mulheres do que nos homens e nos países desenvolvidos.

Como é estabelecida a crise de ansiedade?

Uma vez que o primeiro ataque de pânico ocorre, é provável que essa experiência se repita. Quando a pessoa está novamente exposta a uma situação semelhante à que desencadeou a crise original da angústia, ele experimentará o que é conhecido como ansiedade antecipatória, uma vez que ele reviverá os sintomas do passado ataque de pânico em sua mente.


Nesses casos, o que acontece é que um mecanismo de auto-observação é ativado que aumenta o nível de tensão. Desta forma, é gerado um círculo vicioso de medo e tensão que alimenta a ansiedade e desencadeia outros ataques de pânico, cada vez mais intensos e difíceis de controlar.

A boa notícia é que o tratamento para crises de ansiedade geralmente é muito eficaz: entre 70 e 90% das pessoas submetidas a terapia consegue controlar os sintomas. No entanto, é importante ter em mente que quanto mais cedo nos submetamos ao tratamento, mais curto será e melhores resultados alcançaremos. É por isso que aprender a detectar os sintomas dos ataques de pânico é tão fundamental.

Os sintomas da crise de ansiedade

Para diagnosticar um ataque de pânico, é necessário que o medo apareça de forma intensa e alcance sua máxima expressão em questão de minutos. Durante esse episódio, a pessoa experimenta vários dos seguintes sintomas físicos:

Sudoração profusa
Tremores ou tremores
Sentindo falta de ar ou com dificuldade em respirar
Opressão torácica
Palpitações e aumento da freqüência cardíaca
Sentir-se sufocado
Náusea
Tonturas, perda de equilíbrio e / ou desmaie
Tingling ou entorpecimento
Calafrios ou ondas de calor
Sensação de entorpecimento ou formigamento nas extremidades

No entanto, a crise de ansiedade também é acompanhada por sintomas psicológicos, os mais comuns são:

Medo de perder o controle ou “enlouquecer”
Perguntas recorrentes sobre a possibilidade de sofrer outro ataque de pânico ou suas conseqüências.
Medo de morrer, especialmente porque confunde os sintomas com os de um ataque cardíaco
Sensação de irrealidade ou despersonalização; isto é, ser separado do corpo

O habitual é que as crises de ansiedade apenas duram alguns minutos, mas em alguns casos podem persistir por mais tempo. Na verdade, em muitos casos, os sintomas vegetativos que a pessoa experimenta, bem como o medo, crescem ao longo dos meses e anos.

Como distinguir um ataque de ansiedade de um ataque cardíaco?

A maioria dos sintomas da crise de ansiedade são semelhantes aos experimentados durante um ataque cardíaco, uma vez que estas são respostas neurovegetativas, razão pela qual muitas pessoas estão ainda mais assustadas quando pensam que estão à beira da morte. Isso ocorre porque, durante esses episódios, nosso corpo reage produzindo os “hormônios do estresse”, que são o que geram todos esses sintomas.

No entanto, a crise de ansiedade é quase sempre precedida por situações de grande estresse, como a perda de um ente querido, um projeto de trabalho excessivamente estressante ou um conflito familiar. Em muitos casos, a pessoa também se refere a ter experimentado anteriormente ataques de pânico, pequenos episódios com sinais mais leves de náuseas, tonturas, dificuldades respiratórias e palpitações.

Outro fator chave para a diferenciação é o tempo. Na crise de ansiedade, os sintomas geralmente começam abruptamente e atingem a máxima expressão durante os primeiros 10 minutos até a remissão. Nos infartos, a dor geralmente dura alguns minutos, você pode sair e depois retornar. No entanto, se for o primeiro episódio, é melhor ir imediatamente ao médico. Isso determinará se tem sido um ataque cardíaco ou uma crise de ansiedade.

Na verdade, não devemos esquecer um estudo realizado no Hospital Geral de Massachusetts, segundo o qual as mulheres menopáusicas que tiveram um ataque de pânico nos últimos seis meses tiveram quatro vezes mais risco de ataque cardíaco e três vezes mais chances de ter um acidente vascular cerebral durante um período de cinco anos.

As causas dos ataques de pânico

Como muitos outros distúrbios psicológicos, as causas dos ataques de pânico são multifatoriais, o que significa que fatores de natureza biológica, psicológica e social são misturados.

– Genética Estudos com gêmeos mostraram que é possível que este transtorno tenha uma base genética, com a probabilidade de ser transmitida entre 30 e 40%. Um estudo realizado na Universidade Pompeu Fabra descobriu que as pessoas com este transtorno têm uma desregulamentação no gene NTRK3, responsável pela codificação de uma proteína essencial para a formação de cérebro, sobrevivência de neurônios e conexões entre eles. Esse gene pode afetar a forma como as memórias de medo são codificadas no cérebro, fazendo com que ele reaja de forma excessiva. No entanto, as crises de ansiedade não são devidas à alteração de um único gene, mas outros genes foram associados.

– Anormalidades cerebrais. Foi apreciado que pessoas que sofrem de crises de ansiedade experimentam estimulação excessiva em uma região do cérebro chamada amígdala, que está envolvida na luta ou resposta de vôo. Há também um desequilíbrio em alguns neurotransmissores, que são responsáveis ​​pela transmissão de informações no cérebro. Na verdade, um estudo realizado na Universidade de Iowa descobriu que as pessoas com ataques de pânico podem ter um problema de pH no nível do cérebro, o que desempenha um papel essencial nas respostas relacionadas ao medo e à ansiedade.

– Ambiental. Eventos estressantes parecem ser um gatilho para ataques de pânico, como um divórcio, um acidente ou a morte de alguém próximo a você. Também foi apreciado que essas pessoas muitas vezes tiveram experiências mais traumáticas na vida, como terem sido vítimas de violência, o que pode ter deixado uma marca em seus cérebros que os predispõem a sofrer ataques de pânico.

– Psicológica. Não ter boas ferramentas de enfrentamento diante da adversidade aumenta o risco de responder com crise de angústia. A tendência de ter pensamentos negativos recorrentes também torna a pessoa mais vulnerável. Foi apreciado que as pessoas com tendência a ansiedade e neuroticismo são mais propensas a sofrer um transtorno de pânico, bem como aqueles que têm uma história marcada por episódios de medo.

As conseqüências das crises de ansiedade

No início, a reação de uma pessoa que sofre um ataque de pânico é fugir do lugar onde ele está, especialmente se ele estiver no meio de uma multidão. O problema é que a imprevisibilidade dos ataques de pânico torna a pessoa cada vez mais receosa. O medo do medo é estabelecido, de modo que ele começa a evitar lugares públicos ou todas aquelas situações nas quais ele não se sente confortável ou seguro.


Como resultado, essa pessoa vive em estado de angústia permanente, aguardando a próxima crise de ansiedade. Para evitar isso, ele se retira para uma zona de conforto cada vez menor, de modo que suas relações interpessoais e sua qualidade de vida sejam significativamente afetadas. Isso é agravado pelo fato de que aqueles que sofrem de crises de ansiedade muitas vezes passam anos de um médico para outro, na busca de um diagnóstico, que muitas vezes é muito drenante.

Um estudo realizado na Keio University School of Medicine revelou que as pessoas que sofrem de ataques de pânico também são mais propensas a desenvolver um vício em benzodiazepinas. O problema é que eles se tornam dependentes devido ao medo de que os sintomas reaparecem se interromperem a medicação. Na verdade, quanto maior a gravidade da desordem, mais comum e maior foi a dependência psicológica dos benzodiazepínicos.

Qual é o tratamento da crise de ansiedade?

Um estudo realizado na Universidade Técnica de Dresden analisou a eficácia da terapia de aceitação e compromisso (ACT) em 43 pessoas que sofrem de crises de ansiedade que não responderam a tratamentos anteriores, como medicação, abordagem cognitiva e terapia. exposição. Essas pessoas melhoraram significativamente após apenas quatro semanas e essa melhora foi mantida aos seis meses.

Também foi apreciado que ferramentas e técnicas que se concentram no corpo são especialmente úteis no tratamento da crise de ansiedade. Um estudo realizado na Charité – University Medicine Berlin descobriu que a prática regular de exercício aeróbio reduz o nível de ansiedade, tornando-o um complemento ideal para a terapia cognitivo-comportamental, provavelmente devido ao fato de influenciar a resposta do paciente. organismo no nível neuroendócrino.

A aplicação de exercícios de respiração também ajuda a aliviar os sintomas da crise de angústia, uma vez que a pessoa sente que ele controla novamente, então é recomendável aplicá-los apenas quando experimentam os primeiros sinais, antes de chegar ao ponto de não retorno. Outros métodos, como a atenção plena e a terapia emocional racional, também são úteis no tratamento das crises de ansiedade.

Fontes:
Fujii, K. et. Al. (2015) Dependência de benzodiazepínicos em pacientes com transtorno de pânico: estudo transversal. Psychiatry Clin Neurosci ; 69 (2): 93-99.
Gloster, AT et. Al. (2015) Tratamento de pacientes resistentes ao tratamento com transtorno de pânico e agorafobia usando psicoterapia: um ensaio de comutação controlada aleatorizada. Psychother Psychosom ; 84 (2): 100-109.
Gaudlitz, K. et. Al. (2015) O treinamento de exercícios aeróbicos facilita a eficácia da terapia cognitivo-comportamental no transtorno do pânico. Pressione ansiedade ; 32 (3): 221-228.
APA (2014) Diagnóstico e Manual Estatístico de Transtornos Mentais. Madrid: Panamericana Medical Publishing House.
Plag, J. et. Al. (2014) Efeito da terapia cognitivo-comportamental combinada e do treinamento de resistência em cortisol e alfa-amilase salivar em transtorno de pânico. J Psychiatr Res ; 58: 12-19.
Santos, M. et. Al. (2013) Hiperexcitabilidade do hipocampo subjacente a memórias de medo aprimoradas no TgNTRK3, um modelo de mouse de transtorno de pânico. Journal of Neuroscience ; 33 (38): 15259.
Hae-Ran, N. et. Al. (2011) The Genetic Basis of Panic Disorder. J Korean Med Sci; 26 (6): 701-710.
Ziemann, AE et. Al. (2009) A amígdala é um chemosensor que detecta dióxido de carbono e acidose para provocar o comportamento do medo. Célula ; 139 (5): 1012-1021.
Smoller, JW et. Al. (2007) Ataques de pânico e risco de eventos cardiovasculares entre mulheres pós-menopáusicas no Women’s Health Initiative Observational Study. Arquivos de psiquiatria geral ; 64 (10): 1153-1160.

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS





COMENTÁRIOS




Resiliência Humana
Bem-estar, Autoconhecimento e Terapia