Crescer é aprender a dizer adeus. Amadurecer é aceitar!

Resiliência Humana
crescer-e-aprender-a-dizer-adeus-amadurecer-e-aceitar

Crescer é aprender a dizer adeus. Amadurecer é aceitar!

Por Cristina Martínez de Toda

Aprender a dizer adeus é um ato de crescimento pessoal. Fazer isso da melhor maneira nos ajudará a passar para essa nova etapa de uma maneira mais madura.

Dizem que crescer é aprender a dizer adeus. É aprender a fechar as portas para sempre, onde não existirá o “te vejo mais tarde”, ou o “talvez”.

Fechar o palco é uma despedida sem retorno, sem volta. É um adeus sonoro, com letras maiúsculas e com um ponto final. Embora seja necessário e algo que sabemos que devemos fazer, é difícil dizer adeus, mais fácil é deixarem virem as reticências…

Deixar as coisas em modo de espera ou justamente no caso não é o mais saudável quando um relacionamento já machuca excessivamente e já oxida a auto-estima.

Sabemos que dizer adeus é uma palavra forte. Tomar um decisão sem retorno nos aflige, nos confronta com um horizonte de possibilidades onde para aquilo que dissemos adeus não nos pertencerá mais.


«Grande é a arte do começo, mas maior é a arte do fim»
Henry Wadsworth Longfellow

O medo de dizer adeus, uma janela aberta para a dor

Eu nunca ousei dizer adeus. E não fazer é deixar uma janela aberta para a dor, a decepção e desilusão.

A esperança é a última coisa a se perder, mas se a causa for perdida, é melhor deixar ir, respirar fundo e deixar passar.

Além disso, estudos como o realizado pelos médicos Kathrin Ritter Vanessa Handse, da Universidade do Tennessee, ressalta que muitas vezes é difícil estar ciente dos relacionamentos mais prejudiciais, aqueles que tiram nossa dignidade e auto-estima.

É difícil vê-lo, é imensamente difícil assumi-lo e dar o passo, mas fazer isso é um ato de coragem que todos devemos dar.

Dizer adeus a quem partiu seu coração não é algo que pode ser feito da noite para o dia. Quem rasgou sua alma quer que você diga apenas “até logo”, porque é melhor sentir dor do que não sentir nada. E é que o frio no peito a assusta. Ele te despe. Isso te derruba.

Então, você escolhe a incandescência da dor, da raiva. Porque você nem planeja dizer adeus. Você acredita que seus sentimentos podem ser apenas uma variação desses estados. Fogo ou frio. Porque você não sabe mais nada. Porque você não foi ensinado a se sentir diferente e porque não se atreveu a dizer adeus.

Você acha que seu coração irá congelar e nunca mais sentirá o fogo. E eu concordo com você. Que a melhor coisa que pode acontecer com você é que você tão já não sentirá aquela queimação que o consome. Mas perceberá que existe outro estado, nem tão frio nem sufocante.

Um ponto médio de calor suave e aconchegante. Isso não o queima e nem o congela. Preenche seu peito e se estende até as pontas dos dedos dos pés.

Além disso, se há uma coisa que sabemos, é que quando você se despede, é quando alguém aparece e o abraça com tanta força que seu coração derrete novamente.

Talvez não na próxima semana ou no próximo ano. Mas isso virá.

Logo após você aprender a se despedir de verdade, com todas as suas consequências. Então sua alma estará livre para acolher alguém que realmente a merece.

Aprenda a deixar ir, e a não perder seu tempo

Pouco a pouco você aprenderá a dizer adeus àquele que se aproveitou de você, de sua amizade e confiança.

Quem te vende por menos do que nada. Adeus às pessoas que estão aqui hoje e que partem amanhã com o sol a brilhar. Que procuram estar na sombra de outras pessoas, porque são incapazes de irradiar luz.

Aqueles seres interessados, egoístas e tristes. Esses são os que merecem seu adeus. Cerque-se de pessoas que também aprenderam a se despedir, porque com elas você terá a certeza da amizade verdadeira.

Lembre-se, como Albert Ellis, psicoterapeuta cognitivo e pioneiro da Terapia Racional Comportamental Emocional, nos disse que todo mundo tem o poder de mudar a si mesmo para aspirar à felicidade.

Assim, aqueles que sofreram, choraram e abandonaram foram capazes de dar um passo em direção à sua melhor versão. Agora, eles sabem o que querem, e o que é mais bonito, querem você ao seu lado. Com suas esquisitices, com seus hobbies, mas eles querem você ao lado.

Quando você aprender a se despedir, construirá relacionamentos verdadeiros e enriquecedores.

Seu círculo encolherá, mas você não mudará nenhuma dessas pessoas que o compõem nem por todo o ouro do mundo.

Dizem que os amigos são a família que escolhemos. Diga adeus àquele que você não pode chamar de irmão.

O medo da solidão às vezes nos leva a colocar uma elipse. Para dizer que precisa apenas de um tempo, ao invés de um, não quero mais te ver.

Mas essa solidão é necessária para saber quem você precisa ao seu redor.

Talvez seja por isso que mantemos relacionamentos ao longo da vida que não contribuem, nem nos fazem crescer, nem nos completam.

A pior coisa que pode acontecer com você é viver cercado por pessoas e sentir-se sozinho.

Com tanto barulho, você ouve os sentimentos com interferências, como se fosse um rádio antigo mal sintonizado.

Escute a si mesmo! Fique longe do barulho.

Seu tempo é valioso. Não o desperdice com pessoas que não o merecem.

Aprenda a dizer adeus.

Livre-se dessas amarras e abra espaço para novas oportunidades.

Porque, como a professora Sabina diz bem: “Para dizer Adeus, nós dois temos muitas razões”.

*DA REDAÇÃO RH. Tradução e adaptação com informações de La Mente es Maravillosa.
*Foto de Vladimir Kudinov em Unsplash

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS






COMENTÁRIOS




Resiliência Humana
Bem-estar, Autoconhecimento e Terapia