Covid: Aumento de casos mostra necessidade de vigilância à medida que o mundo reabre

Resiliência Humana
covidaumento-de-infeccoes-mostra-necessidade-de-vigilancia-a-medida-que-o-mundo-reabre

Covid: Aumento de casos mostra necessidade de vigilância à medida que o mundo reabre

POR KEN MORITSUGU, GEIR MOULSON, MENELAOS HADJICOSTIS E ALAN SUDERMAN ASSOCIATED PRESS

Os países europeus reabriram as fronteiras na segunda-feira após a quarentena de três meses por conta do coronavírus, embora os visitantes internacionais ainda estejam sendo mantidos afastados e da incerteza se muitos europeus rapidamente farão viagens para fora de seus países de origem.

A reabertura continuou no México e no Brasil, apesar dos casos estarem subindo exponencialmente nas duas maiores nações da América Latina, onde as autoridades lutaram para lidar com o efeito da pandemia em sistemas médicos já fracos.

Nos EUA, o vice-presidente Mike Pence incentivou os governadores a destacar as “boas notícias” em torno dos esforços para combater o vírus, apesar de vários estados relatarem um aumento de infecções, o que pode se intensificar à medida que as pessoas voltam ao trabalho e se aventuram durante o verão.

A necessidade de vigilância constante entrou em foco quando a China, onde o COVID-19 surgiu pela primeira vez em dezembro, correu para conter um surto na capital de Pequim.

O chefe da Organização Mundial da Saúde disse que mais de 100.000 casos confirmados de coronavírus foram relatados globalmente todos os dias nas últimas duas semanas, e os países que restringiram as transmissões “devem ficar atentos à possibilidade de ressurgimento”.

Tedros Adhanom Ghebreyesus observou que demorou mais de dois meses para atingir 100.000 casos relatados, agora é uma norma diária. Todos os dias, quase três quartos dos novos casos vêm de 10 países – principalmente no sul da Ásia e nas Américas, disse ele.

Pence disse em uma ligação privada com os governadores que, exceto por alguns lugares, os EUA estão vendo fortes quedas nas taxas de hospitalização e mortalidade relacionadas a vírus. Em áudio da ligação obtida pela Associated Press, Pence pediu aos governadores que deixassem claro aos moradores que “há muitas notícias muito, muito boas”.

Autoridades da Casa Branca minimizaram a gravidade do surto de vírus em lugares como o Arizona e o Texas. Na segunda-feira, o segundo estado mais populoso do país estabeleceu uma alta de um dia em hospitalizações de pacientes com coronavírus pela sétima vez em oito dias. Os hospitais do Arizona tinham cerca de 82% da capacidade.

Enquanto isso, a Alemanha e a França reabriram as fronteira quase duas semanas depois que a Itália abriu as suas. A Grécia recebeu na segunda-feira os visitantes com passageiros de vôos de outros países europeus que não precisam passar por testes obrigatórios de coronavírus.

Não se espera que as 27 nações da União Européia e outros estados europeus comecem a reabrir para visitantes de fora do continente até pelo menos o começo de julho e possivelmente depois.

A Espanha permitiu que milhares de alemães voassem para suas Ilhas Baleares sem uma quarentena de 14 dias em um programa piloto projetado para ajudar as autoridades a avaliar o que é necessário contra possíveis surtos de vírus.

Martin Hofman teve o prazer de embarcar em um vôo de Dusseldorf para a ilha de Maiorca, porque disse que suas férias não poderiam ser adiadas.

“Ficar na Alemanha não era uma opção para nós”, disse Hofman. “Estamos totalmente felizes por podermos sair.”

Na Cidade do México, os moradores estavam livres para dirigir sem restrições, e as estações de metrô e ônibus fechadas retomaram o serviço na segunda-feira, com a cidade de 9 milhões continuando seu retorno gradual.

A reabertura é baseada nos níveis de ocupação do hospital. Até sábado, a capital e o estado vizinho ocupavam 74% de seus leitos hospitalares.

O presidente Andrés Manuel López Obrador incentivou os mexicanos a saírem de casa e movimentarem a economia novamente.

“A saúde é a coisa mais importante, mas, ao mesmo tempo, a economia, o bem-estar, o retorno à convivência, harmonia e liberdade”, disse López Obrador ao iniciar sua segunda viagem de uma semana, desta vez no estado da costa do Golfo de Veracruz. “Não podemos deixar que o medo nos domine.”

Em Pequim, onde um surto foi atribuído a um mercado que fornece grande parte da carne e legumes da cidade, milhares fizeram fila para testes. As autoridades confirmaram 106 casos desde sexta-feira, o que parece ser o maior surto desde que a China interrompeu sua disseminação em casa há mais de dois meses.

Os testes foram administrados a trabalhadores do mercado de Xinfadi, a qualquer pessoa que o tivesse visitado nas últimas duas semanas ou a qualquer pessoa que tivesse entrado em contato com qualquer um dos grupos. O mercado é o maior mercado atacadista de alimentos em Pequim, levando a inspeções de carnes e frutos do mar frescos na cidade e em outros lugares da China.

As autoridades também fecharam o bairro em torno de um segundo mercado, onde três casos foram confirmados. Ao todo, 90.000 pessoas são afetadas nos dois bairros da cidade de 20 milhões.

A China relaxou a maior parte de seus controles depois que o Partido Comunista, no poder, declarou vitória sobre o vírus em março.

“Devemos continuar a tomar medidas decisivas para nos defender contra casos externos e ressurgimentos internos”, disse Xu Hejian, diretor do escritório de informações do governo de Pequim.

Pequim suspendeu o reinício planejado de algumas escolas primárias na segunda-feira e reverteu o relaxamento de algumas medidas de isolamento social.

Os inspetores encontraram 40 amostras do vírus no mercado fechado, incluindo uma tábua de cortar salmão importado. Isso levou algumas redes de supermercados a tirar salmão de suas prateleiras no fim de semana e inspecionar mercados, lojas e restaurantes.

Especialistas duvidavam que o vírus estivesse sendo transmitido através de salmão ou outros alimentos.

“Ao meu ver, é mais provável que seja uma pessoa que entrou na área com muitas pessoas e o vírus se espalhou “, disse Ian MacKay, que estuda vírus na Universidade de Queensland, na Austrália, acrescentando não havia evidências para sugerir uma ligação entre surtos e alimentos.

A Coréia do Sul também está entre os países que procuram impedir um ressurgimento, relatando 37 novos casos de COVID-19. As autoridades disseram que 25 delas vieram da área de Seul, onde as autoridades de saúde estão se esforçando para rastrear infecções relacionadas a atividades de entretenimento e lazer, reuniões de igrejas, trabalhadores de armazéns e vendedores de porta em porta.

Outros países ainda lutando contra grandes surtos:

– Mesmo quando o presidente russo Vladimir Putin disse que seu país estava emergindo da crise da saúde, as autoridades notificaram 8.246 novos casos nas últimas 24 horas, elevando o total para 537.210. A Rússia, que registrou mais de 7.000 mortes pelo vírus, está atrás apenas dos EUA e do Brasil no número de infecções.

– O ministro do Interior da Índia ofereceu 500 vagões de trem para serem usados ​​como enfermarias improvisadas, enquanto Nova Délhi lutava para conter um aumento nos casos. O Ministério da Saúde relatou um salto de mais de 11.000 infecções em todo o país pelo terceiro dia consecutivo.

– O Egito relatou seu maior número de novos casos e mortes por COVID-19 em um dia, com 1.691 infecções e 97 mortes. Tem a maior taxa de mortalidade no mundo árabe, em 1.672, mas o governo resistiu a um bloqueio total para manter a economia funcionando. Mesmo quando o número de casos se multiplica, as autoridades planejam reabrir os aeroportos de turismo para destinos menos atingidos no próximo mês.

– A Ucrânia retomou os vôos para alguns países, suspendendo a proibição desde 17 de março. As autoridades ainda solicitarão aos que chegam de países com alto número de infecções que passem duas semanas em quarentena. O número de casos na Ucrânia aumentou recentemente, para quase 32.000, após uma decisão em maio de retomar o transporte público e reabrir shoppings e academias.

Nos EUA, onde a reabertura continuou, o governador de Nova York, Andrew Cuomo, criticou violações “galopantes” das restrições de vírus e disse que restaurantes e bares podem perder suas licenças de bebidas se não aplicarem máscaras e distanciamento social.

“As pessoas estão violando tudo”, disse Cuomo na segunda-feira, acrescentando, “aos governos locais, digo, faça seu trabalho”.

*DA REDAÇÃO RH. Traduzido e adaptado com informações do Kansas City.
*(Foto AP / Andre Penner).

VOCÊ JÁ VISITOU O INSTAGRAM E O FACEBOOK DO RESILIÊNCIA HUMANA?

SE TORNE CADA DIA MAIS RESILIENTE E DESENVOLVA A CAPACIDADE DE SOBREPOR-SE POSITIVAMENTE FRENTE AS ADVERSIDADES DA VIDA.

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS






COMENTÁRIOS




Resiliência Humana
Bem-estar, Autoconhecimento e Terapia