Conhecimento é saber que ele te ama! Sabedoria é saber que ele não te pertence!

Iara Fonseca
conhecimento-e-saber-que-ele-te-ama-sabedoria-e-saber-que-ele-nao-te-pertence

Conhecimento é saber que ele te ama! Sabedoria é saber que ele não te pertence!

Conhecimento é conhecer a lei da impermanência! Sabedoria é saber que tudo passa e, sabendo isso, fazer cada instante valer a pena!

Conhecimento é saber que somos eternos aprendizes! Sabedoria é se permitir esquecer tudo o que aprendeu e acolher a nossa ignorância!

Existem pessoas que sempre acham que ainda precisam aprender muito, que para serem mais prósperas e felizes precisa estudar, estudar, estudar, e por conta dessa crença de que nunca estão prontas, de que ainda não sabem o suficiente, acabam paralisadas e simplesmente não fazem nada.

Existem outras pessoas que nunca conseguem emplacar um relacionamento saudável porque sempre acham que ainda precisam se curar dos relacionamentos passados, que guardam mágoas, ressentimentos, dores, e somam uma infinidade restrições e objeções que as impedem de viver um amor de verdade.

Tem muita gente com muito conhecimento, mas poucas desenvolvem o poder da sabedoria. E sem sabedoria fica impossível acessar a frequência da felicidade, pois felicidade não se compra, não se encontra em qualquer esquina como muitos pensam, não é algo que se pode mensurar, contabilizar e entender racionalmente, felicidade é apenas uma questão de frequência vibracional.

E o fato é que só sente felicidade aquele que decide desistir de ser tudo aquilo que as pessoas esperam dele, aquele que percebe que antes de fazer o que os humanos dizem que é certo, ele precisa SER humano.

Ou seja, ele precisa ser o ele é, ter um forte propósito, alcançar um objetivo, ou muitos, porque são os seus sonhos que mostrarão qual é o propósito, e eles devem ambicionar o bem dentro de uma dimensão espiritual, e não apenas, mundana.

Para SER humano é preciso que cada um de nós entenda o sentido da própria vida.

É preciso impor um forte significado a tudo o que se faz, e a tudo o que intenciona construir, criar, principalmente, é preciso ter um sentimento genuíno de querer fazer o bem para o mundo.

Um ser humano livre não deseja possuir as coisas e as pessoas.

Ele vibra em ressonância com a liberdade, ele ama as infinitas possibilidades, e se motiva com os desafios porque sabe que a inteligência divina se manifesta na sua própria inteligência interior.

Ele sabe que nada o pertence, mas tudo pode ser desfrutado, amado e honrado.

Por isso, ele honra, ama e desfruta cada segundo, cada pessoa, cada oportunidade que existe e compartilha a sua centelha divina com cada uma dessas coisas a todo momento.

Ele não reclama, não maldiz a sorte, a vida, os outros, e entende que a sua compreensão é muito limitada para conseguir explicar a obra da criação como um todo.

Ele não se vincula as mesquinharias emocionais que lhe é oferecido. Ele demonstra total apresso a tudo que conquistou e a tudo que ainda faz parte dos seus desejos, mas que ainda não conseguiu realizar.

Ele sabe que tudo é uma questão de tempo e de ação e não espera as coisas acontecerem, ele faz acontecer.

Ele possui muito conhecimento sim, mas sabe a hora de esvaziar-se para poder aprender o que realmente importa para o momento em que ele vive.

Ele sabe que o amor não pode ser compreendido pela razão, e por isso, consegue se abrir totalmente para receber as maravilhas que existem no universo.

Ele não tem medo de mostrar a sua vulnerabilidade, pois sabe que o amor é um sentimento abstrato e descentralizado que equilibra e nos conecta com o poder da consciência que tudo cria e tudo cura.

Ele já consegue entender que só consegue acessar o verdadeiro amor aquele que decide dissolver e purificar todas as camadas sombrias da sua alma.

Ele consegue perceber quando alguém diz que ama, mas ainda está longe de entender o que é esse sentimento e para quê ele serve.

Ele olha quem tenta manipular, controlar, estabelecer padrões, exigências, em sinal de que, só porque diz amar, acredita que o outro o pertence, e simplesmente sorri, como quem diz: “Que interessante! Ele pensa que isso é amor”.

Mas ele está tão conectado com o verdadeiro amor que, ele não é capaz de julgar a atitude e a postura do outro. Note que ele apenas diz: “Que interessante”!

E ele diz isso porque sabe que para cada ser vivo existe um tempo de planar, um tempo de semear, um tempo de cultivar, e um tempo de colher.

Ele já sabe que estamos todos em níveis de evolução diferentes e viemos juntos para aprendermos a servir uns aos outros com tolerância, gentileza, e caridade.

Não tenhamos a pretensão de ostentar nossos conhecimentos nas rodas da vida!

Quem já se curvou a sabedoria infinita sabe que de nada adiantará chamar atenção e nos gabar do quão inteligente somos, pois nenhum conhecimento nos pertence.

Mesmo que tenhamos absorvido a informação com propriedade, esse conhecimento só é digno quando é compartilhado e, principalmente, quando ele é capaz de transformar milhares de vidas positivamente.

Quando o conhecimento que você possui traz apenas mais sofrimentos, humilha, subjuga, inferioriza, ele é, simplesmente, a mais pura ignorância.

Sabedoria é ter humildade para entender que ainda não sabe nada e, se colocar assim no mundo, como uma criança curiosa, mas ao mesmo tempo, com a maturidade de um ancião.

A curiosidade da criança não é a mesma curiosidade de um adulto, justamente porque o adulto tem a mania de achar que já sabe ou já viveu quase tudo.

Uma criança não se interessa e nem se preocupa em saber sobre a vida alheia, ela não se mete na vida dos outros e nem quer controlar a forma como os outros decidiram viver suas vidas. Ela acha tudo muito interessante, muito vivo, muito novo.

Ela quer experienciar, quer viver a experiência!

Já o adulto, se pudesse escolher, gostaria que tudo já viesse pronto, que ele nada precisasse fazer para conquistar o que sonha e o que quer.

Seja como a criança que sempre está pronta para uma nova aventura, mas se esforce para bloquear a sua parte adulta que quer, a todo momento, controlar, possuir, manipular.

O amor não acontece porque temos conhecimento sobre ele, ele simplesmente flui dentro daqueles que vibram em uma frequência pacifica, amorosa e se movimentam para realizar ações transformadoras e positivas.

Você pode até pensar: “Mas é muito difícil se manter nessa frequência vibracional o tempo todo”.

E eu te digo: Você tem toda razão.

Não é fácil se manter nessa vibração amorosa e atingir a frequência da criação, mas é possível.

Se você já conseguiu atingir, pelo menos uma vez, através de técnicas de respiração e meditação, como eu já consegui, só de saber que esse estado de bem-estar pleno existe, já é uma motivação para que você não se deixe levar pelas adversidades que acontecem no decorrer do dia, e para que você não se deixe contaminar pelo conhecimento de forma arrogante e prepotente, e apenas se deleite com a sabedoria.

Basta parar de viver uma existência psicológica e passe a viver a existência. Qual a diferença?

Quando você vive uma vida psicológica, você está totalmente obcecado por si mesmo a ponto de acreditar que tudo e todos giram em torno de você. E por pensar assim, você sofre e coloca a culpa nos outros.

Quando você vive a existência, você sabe que todos estamos conectados e que temos o poder de transformar todas as coisas que nos incomodam através da transformação que decidimos fazer em nós mesmos. Não o outro.

Quando você para de desejar que as coisas e as pessoas te pertençam, e começa a vibrar constantemente no amor, você percebe que não importa onde estejam as pessoas ou as coisas que você deseja, elas sempre estarão conectadas com você através dessa força, desse poder, dessa energia vital que é o amor.

Mas se o seu desejo é de possuir, de controlar, de manipular, se o que você quer em um relacionamento é mandar e desmandar, seja com um parceiro, com um filho, ou com seus funcionários, você simplesmente sofre inconscientemente e não entende porque nunca se sente feliz, e o pior de tudo, você faz sofrer todos aqueles que se aproximam de você.

VOCÊ JÁ VISITOU O INSTAGRAM E O FACEBOOK DO RESILIÊNCIA HUMANA?

SE TORNE CADA DIA MAIS RESILIENTE E DESENVOLVA A CAPACIDADE DE SOBREPOR-SE POSITIVAMENTE FRENTE AS ADVERSIDADES DA VIDA.

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS






COMENTÁRIOS




Iara Fonseca
Jornalista, escritora, editora chefe e criadora de conteúdo dos portais RESILIÊNCIA HUMANA e SEU AMIGO GURU. Neurocoaching e Mestr em Tarot. Para contratação de criação de conteúdo, agendamento de consultas e atendimentos online entrem em contato por direct no Instagram.