Congelamento emocional: quando o estresse e o medo nos bloqueiam

Resiliência Humana
congelamento-emocional-quando-o-estresse-e-o-medo-nos-bloqueiam

Congelamento emocional: quando o estresse e o medo nos bloqueiam

Por psicóloga Valeria Sabater

Muitas pessoas que são abusadas sexualmente frequentemente experimentam uma resposta de congelamento. Esse mecanismo de bloqueio diante do medo extremo faz com que o sentimento de culpa ou vergonha apareça mais tarde por não ter sido capaz de reagir no momento da agressão.

A resposta de congelamento é uma forma do cérebro reagir a situações de extrema ameaça. São experiências nas quais damos por certo que não há saída, que não há opção de fuga e que carecemos de estratégias para nos defendermos desse perigo. Poucas experiências podem ser mais estressantes e traumáticas do que essa.

Poderíamos dar vários exemplos dessa resposta psicobiológica, mas todos eles descrevem experiências altamente duras.

Talvez alguns de nós já tenham sido assaltados. Ver-nos repentinamente ameaçados por uma arma pode nos bloquear e nos impedir de dar qualquer tipo de resposta. Nem grite. O medo nos paralisa e a mente é incapaz de reagir.

Mais tarde, quando alguns dias se passam, é comum se perguntar por que não agimos de alguma forma. Isso é algo que muitas vítimas de agressão sexual experimentam também.

Algum tempo depois daquela experiência terrível, costuma surgir o sentimento de culpa, raiva, remorso e até vergonha por não ter lutado ou fugido.

Qual é a resposta de congelamento?

A maioria de nós construiu em nossas mentes a ideia de que os seres humanos sempre reagem da mesma maneira a um perigo ou ameaça: fugir ou lutar. Não sabemos se, na realidade, o cérebro também usa outro mecanismo, e não é outro senão o da resposta de congelamento.

É um tipo de comportamento altamente complexo em que a não ação, a não autodefesa ou a fuga são as opções mais válidas.

Assim, o fato de que isso aconteça e a pessoa processe que não há nenhuma opção de reagir a esse risco iminente desencadeia uma série de processos psicológicos sofisticados.

A mente está dissociada, o tempo é relativizado e o medo desaparece repentinamente. Como em um estranho truque de mágica.

Analisamos em detalhes em que consiste a resposta de congelamento para entendê-la muito melhor.

A resposta ao estresse agudo orientada para a sobrevivência

A frase “lutar ou fugir” foi cunhada pelo fisiologista Walter K. Cannon em 1927. Com essa expressão, ele procurou descrever os principais comportamentos que humanos e animais emitem em um contexto de ameaça percebida. Assim, e como bem podemos imaginar, o que todos ansiamos perante o perigo é sobreviver e, para isso, o cérebro realiza uma série de avaliações.

Depois de ver e processar essa ameaça, experimentamos uma resposta aguda ao estresse.

No caso de a mente nos dizer que podemos derrotar esse foco adverso, o que acontecerá é que o sistema nervoso começará a liberar adrenalina. Esse hormônio nos ajudará a lutar, a lutar contra esse elemento hostil.

Agora, se essa força antagônica é superior a nós, então ativaremos a segunda opção: fugir.

Essa resposta também é executada graças a toda uma série de hormônios e produtos bioquímicos que transportam oxigênio e nutrientes para os músculos para que possamos escapar.

Finalmente, temos uma terceira opção. Um comportamento comum que o Dr. Cannon não levou em consideração no início do século XX.

A resposta de congelamento ocorre quando o cérebro percebe, em milissegundos, que não há saída. Não é possível lutar ou escapar. Então, uma resposta auto-paralisante é ativada.

A resposta de congelamento e a mente dissociada

A resposta de congelamento, acredite ou não, também torna a sobrevivência mais fácil. Muitos animais a usam porque, com a paralisia, fingem estar mortos e isso lhes oferece uma oportunidade inteligente de passar despercebidos. Também ser capaz de fugir com cautela quando o predador não tem boa visão.

Da mesma forma, a não reação desencadeia várias mudanças em um nível fisiológico e emocional. Existem muitas pessoas que, por exemplo, quando atacadas por um cachorro, o cérebro impulsiona aquela paralisia da qual a mente se dissocia. E o faz como mecanismo de proteção.

De repente, naquele instante de dor, pânico e desespero, o cérebro entorpece a mente consciente e libera um grande número de endorfinas. Não há tempo ou dor; nada existe.

A pessoa desaparece dentro de si mesma, deixa de ser e deixa de sentir. Essa resposta de congelamento muitas vezes facilita a sobrevivência, mas também é a porta de entrada para o trauma.

Efeitos traumáticos associados à não reação ao perigo

Até hoje, existem poucas pesquisas associadas à resposta de congelamento no contexto de uma ameaça. Agora, temos o trabalho feito na Florida State University, a partir do qual aspectos interessantes são explicados.

Para começar, é muito comum as pessoas desenvolverem estresse pós-traumático após aquelas experiências em que o comportamento de congelamento apareceu. Isso é especialmente comum em pessoas que sofreram violência sexual. Nestes casos, é importante que as vítimas considerem as seguintes realidades:

-Não é que você não queira fugir ou lutar em situações de ameaça e agressão. A ansiedade é tão desproporcional que é impossível dar qualquer resposta ou pensar com clareza.

-Embora seja comum sentir-se culpado ou sentir vergonha ao pensar em ideias como “por que não fiz nada? Por que eu não me defendi, gritei ou fugi?” é importante considerar algo. O cérebro tomou uma decisão instintiva: nos proteger. Não estávamos no controle, a paralisia era algo automático orientado para um fim: sobreviver. Porque às vezes, quando não dá para fugir, podemos acabar perdendo a vida em legítima defesa.

Portanto, nenhuma ação pode salvar nossas vidas e essa é uma opção que o cérebro sempre tem em mente.

Após a experiência dessas situações em que surge a resposta de congelamento, a terapia é necessária.

A vítima deve compreender este mecanismo e falar sobre o que aconteceu para processá-lo e lidar com todo o peso das emoções e sentimentos.

Qualquer experiência adversa deve ser tratada o mais rápido possível, pois os efeitos de longo prazo podem ser devastadores.

Não ache que poderá se curar sozinho! Procure ajuda!

*DA REDAÇÃO RH. Com informações LMM *Foto de Åaker no Unsplash

VOCÊ JÁ VISITOU O INSTAGRAM E O FACEBOOK DO RESILIÊNCIA HUMANA?

SE TORNE CADA DIA MAIS RESILIENTE E DESENVOLVA A CAPACIDADE DE SOBREPOR-SE POSITIVAMENTE FRENTE AS ADVERSIDADES DA VIDA.

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS






COMENTÁRIOS




Resiliência Humana
Bem-estar, Autoconhecimento e Terapia