“Compreender que há outros pontos de vista é o início da sabedoria”

Fabíola Simões

Empatia também é isso: Compreender que meu ponto de vista não é o único possível, e deixar de culpar aqueles que não correspondem às minhas expectativas e anseios. Perdoar as imperfeições do outro, entender que somos todos limitados e que, em algum momento, podemos falhar.

Há alguns meses assisti a uma palestra incrível da nigeriana Chimamanda Adichie, chamada “O perigo da história única”. Nela, a escritora discorria sobre como somos impressionáveis e vulneráveis em face de uma história. Como temos a tendência de acreditar naquilo que nos contam sobre algo ou alguém e a confiar cegamente de que essa é a única versão sobre o fato. Como somos susceptíveis a superficializar nosso contato com a realidade ao criar estereótipos daquilo que julgamos ser a única possibilidade, mas que é apenas uma versão incompleta da totalidade.

Mais tarde, lendo “O Sol é para todos”, novamente percebi o perigo de vivermos cheios de certezas. A certeza sobre algo ou alguém afasta a possibilidade de sabedoria e dá margem à arrogância e à cegueira. Numa das passagens do livro de Harper Lee, um homem, cujo comportamento de “andar com negros” afronta a cidadezinha preconceituosa do sul dos EUA, revela às crianças que, ao contrário do que todos dizem, não vive alcoolizado e que a bebida que carrega dentro do saco de papel não é uísque, e sim refrigerante. Estupefatas, as crianças lhe perguntam por que ele permite que a sociedade pense que ele vive bêbado, ao que ele responde: “Procuro dar um motivo para essas pessoas, sabem? Elas ficam satisfeitas quando encontram uma explicação. Não é honesto ser assim, mas é muito útil para as pessoas. Cá entre nós, não sou muito de beber. Mas elas jamais entenderiam que vivo desse jeito porque quero viver assim”.

Assim, ao me deparar com a frase de Douphus Raymond, o homem que andava com negros porque queria e não porque bebia, parei para refletir no quanto temos dificuldade de lidar com aquilo que não entendemos bem. As pessoas da cidade preferiam acusa-lo de bêbado a acreditar que ele poderia andar com negros porque tinha vontade. Quando descobrimos que existem outros pontos de vista, nos deparamos com uma vasta gama de possibilidades, e isso nos dá pânico. Precisamos então criar uma história única, que explique a situação, para que o pânico vá embora. Nascem aí os preconceitos, a arrogância, o julgamento e a certeza.

Muita gente que não se considera preconceituosa acaba acreditando numa história única. Quando fazemos deduções a respeito de alguém, quando acusamos alguém de algo, quando julgamos o comportamento alheio, quando criamos certezas a respeito daquilo que não conhecemos por completo, estamos nos afastando da sabedoria e nos aproximando da arrogância e intolerância.

O perigo de vivermos cheios de expectativas está em delegar a alguém o que nós mesmos faríamos no lugar dele, esquecendo que cada um enxerga a vida à sua maneira, e não é honesto cobrar do outro uma atitude que não condiz com seu modo de ser e viver. Quem quer que o outro corresponda às suas expectativas não sabe, nem de longe, o que é ser e estar na pele do outro.

Empatia também é isso: Compreender que meu ponto de vista não é o único possível, e deixar de culpar aqueles que não correspondem às minhas expectativas e anseios. Perdoar as imperfeições do outro, entender que somos todos limitados e que, em algum momento, podemos falhar. Parar de apontar o dedo para quem quer que seja, entendendo que as pessoas são diferentes, e é essa variedade que faz a vida tão rica.

Compreender que há outros pontos de vista nos aproxima da sabedoria, pois perdemos o ar de superioridade de quem está certo sobre tudo e nos abrimos para a possibilidade de que a maioria das coisas nos é desconhecida. Assim, vamos entendendo que não é possível ter certeza absoluta sobre nada. Nada além de nós mesmos.

E descobrimos que o que acontece por trás das portas fechadas e no coração de cada um, pertence somente a ele. A ele e mais ninguém…

*A frase-título desse texto pertence ao escritor Joseph John Campbell (1904-1987)

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS







COMENTÁRIOS




Fabíola Simões
Nasceu no sul de Minas, onde cresceu e aprendeu a se conhecer através da escrita. Formada em Odontologia, atualmente vive em Campinas com o marido e o filho. Dentista, mãe e também blogueira, divide seu tempo entre trabalhar num Centro de Saúde, andar de skate com Bernardo, tomar vinho com Luiz, bater papo com sua mãe e, entre um café e outro, escrever no blog. Em 2015 publicou seu primeiro livro: "A Soma de todos os Afetos" e se prepara para novos desafios. O que vem por aí? Descubra favoritando o blog e seguindo nas outras redes sociais.