Comparando-nos com os outros nos acorrenta e nos faz infelizes, de acordo com Kierkegaard

Resiliência Humana

Por: JENNIFER DELGADO SUÁREZ

Quanto mais comparamos, mais nos recusamos. Para comparar, precisamos partir de um ponto em comum, generalizar, e todo ato de generalização implica sempre um empobrecimento da individualidade. O ato de comparar é, por antonomásia, um ato de negação da riqueza da unidade. Comparar-se com os outros é negar a si mesmo.

E apesar disso, nos comparamos. Nós nos comparamos continuamente porque crescemos em uma sociedade competitiva na qual cada pessoa não vale o que é, mas o que tem em relação aos outros. Nós não buscamos nosso valor dentro, mas fora, nos comparando com os outros. E nós aceitamos – com mais ou menos relutância – o critério que a sociedade nos dá alegremente.

Então vamos cair na armadilha mortal que o filósofo dinamarquês Søren Kierkegaard tinha vislumbrado em seu livro ” discursos edificantes em diversos espíritos ” no início do século XIX: comparação nos oprime e nos faz profundamente infelizes.

A comparação como fonte de preocupações vãs e necessidades artificiais

Um homem se compara com os outros, uma outra geração em comparação com o outro, e assim a pilha de comparações que sobrecarrega a pessoa é empilhada.

“Enquanto isso, a ingenuidade e a agitação aumentam, e em cada geração há mais pessoas que trabalham como escravas por toda a vida na zona subterrânea de comparações. Assim como os mineiros nunca vêem a luz do dia, essas pessoas nunca vêem a luz: aqueles primeiros pensamentos, simples e felizes sobre quão glorioso é ser um ser humano. E nas altas regiões de comparação, a sorridente vaidade joga seu falso jogo e engana os felizes de tal maneira que eles não recebem nenhuma impressão daqueles primeiros pensamentos arrogantes e simples ” .

Kierkegaard pensou que comparar-se com os outros nos envolve na teia da insatisfação, afastando-nos de nossa essência e impedindo-nos de ser autênticos. Para explicar isso, ele recorreu a um semelhante.

Um pássaro fornece comida e constrói um ninho para abrigar. É tudo que você precisa para viver e você faz isso naturalmente, sem se preocupar. Eu poderia viver feliz. Até o dia em que é comparado a um “pássaro mais rico”. Então ele começa a se preocupar em construir um ninho maior e procurar mais comida, mesmo que não precise. Nesse momento preciso, o natural dá lugar ao artificial e a satisfação torna-se insatisfação. Uma vida feliz transmuta-se em uma vida miserável.

A mesma coisa acontece com as pessoas. Kierkegaard estava convencido de que geralmente não são nossas necessidades reais que geram preocupação, ansiedade e infelicidade, mas uma comparação constante, que é também o que nos leva a desejar e consumir muito mais do que precisamos.

” A comparação gera preocupação em ganhar a vida, mas a preocupação em ganhar a vida não é uma necessidade real e urgente de hoje, mas a idéia de uma necessidade futura […] não reflete uma necessidade real, mas uma necessidade imaginária “.

Na prática, quanto mais longo o critério, mais desempregados sairemos e mais frustrados nos sentiremos. E isso nos levará a embarcar em uma corrida desenfreada, na tentativa de satisfazer as novas “necessidades” que deveriam nos fazer felizes, mas que realmente acabam consumindo nossas vidas com a chama da insatisfação permanente.

Já Kierkegaard tinha dito: ” Quanto mais você comparar, mais indolente e miserável se tornará […] A comparação pode levar o homem ao desânimo total, pois, se compara e admite para si mesmo que está por trás de muitos outros ”

Como fugir da necessidade de se comparar com os outros?

A solução é perceber que nos compararmos com os outros não é um problema, mas um sintoma. O sintoma de que não nos amamos, não gostamos ou valorizamos o suficiente. Para eliminar esse sintoma, precisamos dar um passo além da comparação.

” A pessoa que vai além da comparação pode se concentrar no relacionamento consigo mesmo como um indivíduo único “, escreveu Kierkegaard.

Ao nos conectarmos com a nossa essência, somos capazes de entender o que realmente precisamos e queremos. Necessidades e desejos autênticos, que vêm de nós. Não aqueles que nos impõem as comparações.

Nesse processo de auto-aceitação, também começamos a descobrir, gostar e valorizar a nós mesmos pelo que somos. Começamos a pensar em como queremos viver e que mudanças nos deixariam realmente felizes. E isso é um ato de reafirmação e liberdade pessoal.

Traduzido pela equipe da Revista Resiliência Humana

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS







COMENTÁRIOS




Resiliência Humana
Bem-estar, Autoconhecimento e Terapia