Como nos libertar da prisão de nossas próprias vidas, de acordo com Henry David Thoreau

Resiliência Humana

Thoreau afirma que nos tornamos escravos porque não somos capazes de nos encarregar de nossas vidas…

“Por um aparente destino comumente chamado de necessidade, os homens se dedicam, segundo um livro antigo, a acumular tesouros que a traça e a ferrugem vão estragar e que os ladrões entrarão para roubar. Esta é a vida de um idiota, como entendido pelos homens quando eles chegam ao final do mesmo, se não antes , “escreveu Henry David Thoreau, que viveu quase como um eremita por dois anos para se libertar da prisão de sua própria vida.

Filho de uma família pobre de imigrantes franceses, seus colegas zombavam dele porque ele não podia comprar um casaco decente. Sua família prosperou graças à “criança prodígio” o negócio da família aplicado o que aprendeu em Harvard inventar um lápis melhor e aperfeiçoar a máquina para fabricá-los. No entanto, havia algo estranho sobre o jovem que não estava satisfeito com o destino que tinha caído a sua sorte e se recusou a curvar as regras ditadas sociedade corseted de seu tempo.

Em julho de 1845, ele decidiu quebrar o cordão umbilical. Ele construiu uma cabana no Lago Walden e viveu lá por dois anos, longe de tudo que é mundano. Em seu refúgio, dedicou-se a escrever, ler, curtir a natureza e, acima de tudo, refletir muito. Ele refletiu sobre um mundo no qual ele temia que o pensamento estivesse fora de lugar.

” Fui para os bosques porque queria para viver deliberadamente, para enfrentar apenas os fatos essenciais da vida, e ver se eu poderia aprender o que ela tinha a ensinar, para que quando ele estava morrendo descobriu que ele não tinha vivido , ” foram suas palavras.

Suas preocupações e reflexões foram tão incisivas e atuais em meados do século XIX quanto são hoje. Suas palavras são um grande golpe para todas aquelas pessoas que se acostumaram a uma vida sufocante, cheia de preocupações desnecessárias, uma ” vida de desespero silencioso “, como ele próprio descreveu.

Busque incansavelmente por sua verdade, não se contente com a verdade dos outros

Thoreau afirma que nos tornamos escravos porque não somos capazes de nos encarregar de nossas vidas. Podemos nos sentir frustrados e presos, mas, em vez de procurar a saída, apenas nos contentamos com essa terrível ilusão chamada resignação. Nós olhamos ao nosso redor e, embora não gostemos de muitas coisas, nos consolamos pensando que todos fazem o mesmo. Nós não entendemos que “mal de muitos, consolo de tolos”.

Estamos convencidos de que os modos de pensar, sentir ou agir que a sociedade nos ensinou são os únicos possíveis. E essa certeza é o que nos mantém atados a uma situação da qual não gostamos ou que até produz um desconforto franco ou nos prejudica. Em vez de viver, apenas sobrevivemos na estreita zona de conforto que construímos.

Para sair desse círculo vicioso, o primeiro passo é questionar tudo, não tomar nada como garantido, nem mesmo o que nos ensinaram quando crianças ou as regras, crenças e idéias com as quais todos à nossa volta concordam.

Thoreau disse: ” Você não pode confiar em qualquer maneira de fazer ou pensar, não importa quantos anos tenha, sem provas. O que todo mundo escolhe ou aceita silenciosamente como verdade indiscutível, amanhã pode se tornar uma falsidade “. Somente quando começamos a questionar as coisas, em vez de nos resignarmos a elas, podemos realmente mudar. Uma mudança que nos leva à autolibertação.

O caminho para a liberdade pessoal começa com simplicidade

“O paraíso está tanto sob nossos pés quanto acima de nossas cabeças ” , disse Thoreau, e nessas linhas podemos ver que, apesar de sua desilusão com a sociedade, ele também estava firmemente convencido de que podemos ser felizes aqui e agora.

O caminho que ele propõe é uma vida significativa marcada pela simplicidade: ” Seja qual for o significado da sua vida, encontre-a e viva-a: não a rejeite […] Cultive a pobreza como uma grama de jardim. Não se preocupe muito em comprar coisas novas, seja roupas ou amigos. As coisas não mudam, somos nós que mudamos. Venda suas roupas e valorize seus pensamentos “.

Quando Thoreau disse que acumular bens é tolice, ele quis dizer que o custo psicológico que pagamos por esses objetos é muito alto e muitas vezes nem sequer estamos cientes disso. ” O custo de uma coisa é a quantidade de vida necessária para adquiri-la “. Quantas horas de nossa vida estamos dispostos a desperdiçar para adquirir produtos mais tecnológicos, maiores ou simplesmente mais bonitos?

Sua idéia de que “os homens se tornaram ferramentas de suas ferramentas “, escravos da sociedade de consumo que não percebem como as coisas que criaram acabaram dominando-os porque ditam como gastam seu tempo, é mais atual do que nunca Nós fabricamos com obsolescência programada para nos forçar a substituir as coisas que estão quebradas e nos adaptamos alegremente às mudanças nos paradigmas do que é considerado bonito para continuar correndo atrás da moda.

Então, para manter o ritmo com a sociedade de consumo, temos que nos manter ocupados gerando a riqueza que desperdiçamos em coisas que não precisamos. O problema é que essa hiperatividade na verdade nos impede de pensar sobre o que estamos fazendo com nossas vidas.

Na verdade, Thoreau nos adverte que “Não é o suficiente para estar ocupado, as formigas também estão ocupadas. A questão é: com o que estamos tão ocupados? ” Este filósofo queria que encontrássemos um significado para tudo o que fazemos, um sentido pessoal. E para investigar o que realmente queremos, precisamos nos livrar de tudo que não queremos. Então a vida adquire outra perspectiva.

” Quando você simplifica sua vida, as leis do universo são simplificadas; a solidão deixa de ser solidão, a pobreza não é mais pobreza e a fraqueza não é fraqueza “.

Abraçando a simplicidade, estar ciente de todos os irrelevantes e dispensáveis, é extremamente libertadora porque permite-nos a abandonar o papel de escravos e entrar na sociedade como pessoas livres que detêm as rédeas de sua vida e decidir realmente o que querem e o que não . E essa é uma grande mudança que nem todos têm a coragem de colocar em prática.

** livremente adaptado e traduzido por Resiliência Humana.

FONTERincon Psicologia
COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS




Resiliência Humana
Bem-estar, Autoconhecimento e Terapia