Como funciona o coração do ansioso?

Iandê Albuquerque

É uma mer## ser ansioso, a gente tem pressa pra sentir, e quando começa a sentir, acha que é perigoso demais e que por isso, a gente precisa partir mesmo que não seja essa a nossa vontade exatamente.

A gente acha que precisa se falar o tempo todo, ter sempre um novo assunto pra conversar e se não respondem nossas mensagens por algumas horas já é motivo pra pensar bobagens demais.

A gente acorda com saudade de viver o que nem viveu ainda, e talvez nem aconteça, porque a gente não pode controlar o futuro.

Inclusive, a gente sabe bem disso mas ainda assim sofre por um amanhã que nem está perto de chegar, espera por uma notificação como se fosse uma necessidade pra confortar aquela sensação de insegurança dentro da gente.


A gente começa a pensar que não vai dar certo, por mais que a vontade seja enorme de dar.

É que tanta coisa já aconteceu e tantas pessoas já passaram pela gente, que a história parece ser a mesma, só mudam os envolvidos.

A gente começa a pensar que o outro vai embora e então a gente pensa em ir embora antes que o outro vá.

Ser ansioso te traz uma insegurança que aperta o teu peito, que por vezes te sufoca, e te faz pensar em fugir.

Você tem pressa por tão pouca coisa, os seus pensamentos te atropelam, com frequência, você tropeça nos próprios passos.

Ser ansioso te faz pensar em coisas que podem dar errado mesmo quando tudo parece dar tão certo.

No fundo a gente sabe que se a insegurança passa, que criar teorias por coisas tão simples não pode ser verdade, e que os nossos receios não são do tamanho que parecem ser.

No fundo é só um medo bobo que vai embora amanhã, e se não for embora amanhã, vai depois.

E o problema não é ter medo, insegurança ou todas essas coisas de adulto.

O problema é a gente achar que tudo isso é grande demais e que não vai embora nunca mais.

Mas vai sim, relaxa.

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS


Iandê Albuquerque
Sou recifense, 24 anos, apaixonado por cafés, seriados e filmes, mas amo cervejas e novelas se houver um bom motivo pra isso. Além de escrever em meu blog pessoal e por aqui, escrevo também no blog da Isabela Freitas, sou colunista do Superela e lancei o meu primeiro livro em Novembro de 2014 pela Editora Penalux. .

COMENTÁRIOS