Comer carne pode melhorar a saúde mental das pessoas, diz estudo da Universidade de Alabama

Resiliência Humana
comer-carne-pode-melhorar-a-saude-mental-das-pessoas-diz-estudo-da-universidade-de-alabama

Comer carne pode melhorar a saúde mental das pessoas, diz estudo da Universidade de Alabama

Por Luis Aranguren

De acordo com um estudo da Universidade do Alabama, aqueles que reduziram a ingestão de carne tendem a tomar mais medicamentos para controlar a depressão e o humor se deteriora.

No que diz respeito à saúde, existem muitos estudos que nos inspiram a levar um ou outro estilo de vida, há tantos que, no final, não sabemos qual deles seguir. No final, o importante acaba sendo ter uma dieta equilibrada e não comer demais nem uma coisa nem outra.

Isso ocorre porque atualmente existem muitas tendências que nos levam a reduzir o consumo de carne o máximo possível, mas talvez isso não seja tão positivo quanto muitos pensam.

O estudo realizado pelo Dr. Edward Archer, da Universidade do Alabama, garante que não importa o quanto os riscos e benefícios de ser vegano ou vegetariano tenham sido debatidos, você não deve parar de comer carne por completo. O consumo garante uma melhor saúde mental que nos permite enfrentar os problemas do dia-a-dia da melhor maneira possível.

Ele e os seus pesquisadores revisaram 18 estudos anteriores, nos quais havia um total de 160.257 participantes, de acordo com a publicação original disponível no Daily Mail.

Foi assim que eles concluíram que, para manter a saúde mental estável, é necessário consumir proteína animal, mesmo que em pequenas quantidades.

Dessa forma, a depressão, a ansiedade e até os pensamentos que levam ao auto-dano podem ser significativamente reduzidos.

“Aqueles que evitaram o consumo de carne tiveram taxas ou riscos significativamente mais altos de depressão, ansiedade ou comportamentos auto-depressivos. Deve-se notar que nosso estudo não apóia a prevenção do consumo de carne para benefícios psicológicos gerais à saúde”. -Dr. Edward Archer

O que você deseja entender com esse estudo é que a ingestão repetitiva do mesmo tipo de alimento não pode ser saudável em nenhuma circunstância.

Na variedade está o sabor, mas é também dessa maneira que um equilíbrio nutricional completo pode ser garantido.

É por isso que eles chamaram o estudo de “Carne e Saúde Mental”, que após uma revisão sistemática da abstenção de ingestão de carne aumentou os riscos de ansiedade e outros fenômenos relacionados.

Este estudo foi publicado nas análises de Food Science and Nutrition e, embora não admita que o comer vegetariano seja contrário a ser “saudável”, mas recomenda que você não abandone nenhum tipo de alimento de sua dieta.

É verdade que o colesterol e outros valores que podem representar um risco podem ser reduzidos com o vegetarianismo, mas a intenção é mantê-los baixos sem se abster da carne completamente.

Seria irresponsável convidar alguém para seguir um tipo específico de dieta, mas o que podemos recomendar é visitar um nutricionista e, de acordo com o seu estado de saúde, eles poderão recomendar uma dieta que combina com o seu estilo de vida e com aquilo que acredita.

*DA REDAÇÃO RH. Tradução e adaptação com informações de Dailymail.
* Foto: Stock/Thomas Francois

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS






COMENTÁRIOS




Resiliência Humana
Bem-estar, Autoconhecimento e Terapia