COM FOTO EMOCIONANTE,MÃE ALERTA APÓS PERDER BEBÊ COM 38 SEMANAS DE GRAVIDEZ

Resiliência Humana

“Confie no seu instinto. Se você acha que algo não está certo, insista e busque ajuda”, alertou a mãe Georgia Boyton

Os pais ingleses, Georgia Boynton e James Regan, estavam muito felizes e ansiosos pela chegada de sua primeira filha, a pequena Dollie. A bebê estava se desenvolvendo bem e tudo parecia perfeito na gestação. “Eu fiz todos os exames necessários. Com 28 semanas fiz um ultrassom 4D e vimos como minha filha estava animada, ficava o tempo todo se mexendo”, recordou-se Georgia em suas redes sociais.

Porém, com 37 semanas de gestação, a situação começou a mudar. “Eu passei a não me sentir bem e sabia que havia um problema. Busquei ajuda profissional e a enfermeira mediu minha barriga e viu as batidas do coração e disse que estava tudo bem. Eu até comentei com a enfermeira que antes minha barriga estava tão grande que eu mal conseguia ver meus pés e agora eu estava conseguindo ver os meus pés e disse que estava preocupada. Mas ela não deu atenção. Como eu confiava bastante nesta profissional, resolvi acreditar no que ela havia me dito”, contou Georgia.

Porém, quando Georgia completou 38 semanas de gestação, a situação piorou. “Eu fui fazer exames de rotina com a mesma enfermeira no dia 3 de março de 2017 e ela notou que o peso da minha filha havia diminuído e que ela também não estava crescendo. O coração, ao menos, continuava batendo. A enfermeira marcou outro ultrassom mais completo apenas para o dia seguinte. Neste momento, eu e meu marido estávamos em pânico. Queríamos fazer os exames imediatamente. Mas a enfermeira nos acalmou , disse que estava tudo bem e que minha filha provavelmente só estava em uma posição estranha”, disse Georgia.

Então, no dia seguinte Georgia foi fazer o ultrassom mais completo. “Fizemos o exame com outra profissional. Enquanto via nossa bebê, ela segurou minha mão e disse: ‘o coração não está batendo’. Naquele momento tudo pareceu um pesadelo, eu e meu marido choramos muito, foi horrível”, conta Georgia.

A bebê de Georgia havia falecido naquela noite, poucas horas depois da enfermeira examiná-la e ter tido que estava tudo bem. “O pior de tudo foi que a equipe do hospital nos disse que nossa bebê ainda estaria viva se a enfermeira tivesse nos mandado imediatamente para mais exames, assim que viu que ela não estava crescendo, ao invés de marcar os exames só no dia seguinte”, lamenta Georgia.

Georgia teve seu parto induzido e deu à luz a sua bebê já falecida. “Quando eu a segurei em meus braços vi que era a bebê mais perfeita de todas, mas estava morta. Meu coração se partiu em mil pedaços”, recorda-se Georgia.

Após o parto, os pais fizeram fotos emocionantes ao lado de sua bebê. Georgia decidiu compartilhar sua história nas redes sociais para alertar outras gestantes sobre a importância de confiar em si mesmas e não apenas nos profissionais de saúde. “Eu quero que as pessoas leiam a minha história e saibam que se não se sentirem bem durante a gestação, se sentirem que algo não está certo, investiguem ao máximo que puderem, mesmo que o primeiro profissional diga que está tudo bem. Nós confiamos na primeira profissional e acabamos perdendo nossa bebê. Minha filha se foi, mas ela jamais será esquecida por mim e nem pelo meu marido e nossos familiares. Nós a amaremos para sempre”, conclui Georgia.

FONTEBruna Romanini
COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS


Resiliência Humana
Bem-estar, Autoconhecimento e Terapia

COMENTÁRIOS